Manaus 30º • Nublado
Terça, 28 Setembro 2021

 Os seringais eram extremamente comuns no ciclo da borracha, período de grande ascensão econômica da região Norte

Presença de parteiras é extremamente comum na região amazônica

No Brasil ocorrem principalmente na Bacia Amazônica, na região norte do país, sendo encontrada também na Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana, Venezuela, Trinidad e Tobago

O  Largo de São Sebastião é um dos pontos turísticos mais badalados da capital amazonense

Os compostos químicos presentes no óleo de murumuru têm utilidade comprovada em produtos cosméticos

Às margens do Rio Guamá, o Parque Mangal das Garças e mais um belo recanto da capital paraense

O tracajá é uma espécie parente da tartaruga comum na Amazônia

Planta medicinal originada na Amazônia. Serve para melhorar a circulação sanguínea, tratar a anemia e disfunções sexuais. 

O Novo Mercado Velho é um dos principais pontos turísticos do centro histórico de Rio Branco 

Também conhecidas por Três Marias, as três caixas d'água são consideradas um símbolo de Porto Velho

O Brasil possui a maior biodiversidade vegetal do planeta 

Encontrada principalmente na Floresta Amazônica e em outras regiões da América do Sul, começou a ser usada pelos indígenas de forma medicinal para tratamentos inflamatórios e degenerativos. 

Originada da Amazônia brasileira, possui efeitos anti-inflamatório, antioxidante, diurético e estimulante imunológico. 

Além de ser usado no tacacá, tempera carnes de sabor marcante como pato, peixe, leitão, paca

O uso das folhas e talos do jambu como hortaliça é muito difundido na Amazônia

Uma das principais plantas medicinais da Amazônia, a copaíba é amplamente utilizada na medicina popular

Toda a musicalidade da região pode ser conferida através destes instrumentos 

Matamatá (Chelus fimbriata), tartaruga de água doce típica das regiões central e norte da Amazônia.  

Muito temido pelos nativos da Amazônia, o candiru também é conhecido popularmente como canero e peixe-vampiro

A serpente Tuluperê, conhecida popularmente como a cobra-grande, tinha o hábito de virar embarcações que navegavam nas águas dessa divisa e, quando conseguia pegar uma pessoa, apertava-a até matar e dela se alimentava.