Sidebar Menu

Manaus 30º • Nublado
Sábado, 31 Julho 2021

Bioindústria é alternativa para recuperar economia do Amazonas, diz Rebecca Garcia

Bioindústria é alternativa para recuperar economia do Amazonas, diz Rebecca Garcia
Dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam o Amazonas como um dos estados que tiveram maior queda na produção industrial. Para recuperar a perda e sair da crise, a titular da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa), Rebecca Garcia, apostará na bioindústria como alternativa às atividades consolidadas no Polo Industrial de Manaus (PIM).

Em reunião com a imprensa nesta sexta-feira (10), sobre os 50 anos da Zona Franca de Manaus (ZFM), Rebecca informou que os índices se devem ao fato "do nosso pólo industrial abastecer o mercado consumidor interno", logo, o mau desempenho "é um reflexo da economia brasileira". Segundo a superintendente, o Brasil não está consumindo, "logo, o Pólo Industrial não vai reagir de maneira positiva". O faturamento do PIM sofreu uma queda de R$ 4,8 bilhões em 2016, quando acumulou R$ 67,9 bilhões, em comparação à 2015.
Rebecca Garcia pontuou alternativas para a economia do Estado. Foto: Patrick Marques/G1 AM
"Nós temos um potencial fantástico na nossa biodiversidade. Nós temos que pensar outros segmentos, não só aqueles que já estão aqui, mas diversificar produtos. Seguir numa linha da biodiversidade. Pensar na bioindústria, acredito ser um dos caminhos mais factíveis para se ter uma alternativa ao Polo Industrial de Manaus, que já está consolidado. Não é que vá deixar de existir o Polo, mas esses são segmentos de grande potencial aqui na região que precisam ser desenvolvidos", avalia.

CBA

Uma das peças que podem ajudar a concretização dos planos de bioindústria é o Centro de Biotecnologia da Amazônia (CBA). Após tantas indefinições, Rebecca informou que em reunião com o Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) algumas providências já estão preparadas. "[O Inmetro entrou] Porque um dos grandes problemas do CBA não ter avançado, isso na compreensão do Ministério da Indústria e Comércio, que é o grande gestor, é que a Suframa administra incentivos fiscais e o CBA precisa de alguém que administre laboratório. O Inmetro administra laboratórios. Dessa maneira hoje nós temos a entidade certa para administrar aquele lugar", afirmou.

"O CBA Não tinha razão social, não tinha personalidade jurídica. Por que não tinha? Porque não tinha um programa de trabalho. Você não pode constituir uma personalidade jurídica se você não sabe o que aquilo vai fazer. Hoje está muito bem descrito que o CBA veio não somente para fazer pesquisa, a missão é transformar essa pesquisa em produto. Esse é o link do CBA com a indústria", alegou.

A superintendente informou ainda essa personalidade jurídica está sendo finalizada e que "até o segundo semestre de 2017" o CBA estará pronto para funcionar. 

Zona
Franca

Em 2017, a Zona Franca de Manaus completa 50 anos e um dos principais incentivos é a informática. "Deixando de existir a Lei de informática só quem tem incentivos para essa área somos nós. A Zona Franca é protegida legalmente. O caminho natural dessas empresas para continuar produzindo com vantagem competitiva seria a Zona Franca de Manaus", destacou.

Outro ponto que Rebecca acredita ser um benefício para o formato econômico é a Zona Franca Verde, que já está em processo de consolidação, de acordo com a superintendente. "Já foi feita a qualificação dos servidores das Suframas dos Estados de livre comércio, já foi feita a qualificação dos empresários que já tiveram nesse primeiro momento interesse em aderir e ainda está acontecendo. De positivo nós já conseguimos aumentar o número de indústrias nas áreas de livre comércio", concluiu. 

Veja mais notícias sobre Economia.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sábado, 31 Julho 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/