Sidebar Menu

Manaus 30º • Nublado
Segunda, 06 Julho 2020
chatbot-health-tech

No Pará, morre líder indígena Paulinho Paiakan, vítima da Covid-19

Paulinho-Payakan--Foto_-Mdia-NINJA

O líder indígena Paulinho Paiakan morreu nesta quarta-feira (17), vítima da Covid-19.

A Secretaria de Saúde do Pará informou que o indígena, de 67 anos, estava internado no Hospital Regional do Araguaia, em Redenção, desde 9 de junho, onde recebeu os cuidados necessários para o tratamento contra o coronavírus, mas Paiakan não resistiu e morreu às 6h50 desta quarta-feira.

Liderança do povo Kayapó, Paulinho, juntamente com outros caciques como Raoni, ganhou destaque durante a atuação para garantir direitos dos povos indígenas na Constituição de 1988. Defensor da floresta, Paulinho teve papel importante em movimentos contra o desmatamento e garimpos em áreas indígenas.

Fez parte dos protestos contra a construção da usina hidrelétrica de Belo Monte, em Altamira, no Pará.

Paiakan na TI Capoto Jarina. (Foto:Kamikia Kisedje/ISA)


Paiakan chegou a fazer viagens internacionais para denunciar ameaças aos povos indígenas.

Em 1992 foi condenado a seis anos de reclusão pelo estupro de uma estudante de 18 anos. Cumpriu dois anos e quatro meses em regime domiciliar.

Em janeiro desde ano, era uma das 600 lideranças que participaram, em Mato Grosso, do Encontro dos Povos Mebengokrê – nome no qual os kayapó se autodenominam. A reunião resultou em um manifesto em defesa dos territórios indígenas, além da reivindicação por medidas de proteção à vida, à terra e à saúde.

Paulinho Paiakan morava na aldeia Aukre, na região do Xingu, a cerca de 300 quilômetros do município de Redenção, no sul do Pará. É lá onde seu corpo será sepultado.

A Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) afirmou que Paiakan era uma fonte de inspiração na luta indígena, e que seu legado deixa na história e na vida dos povos uma construção de muita força.

A Apib lembrou que Paiakan se foi como as centenas de vidas indígenas perdidas para pandemia da Covid-19.

Em nota de pesar, a Funai lamentou a perda e ressaltou que Paulinho Paiakan deixa um legado de intensa dedicação à defesa dos direitos indígenas.

De acordo com o Ministério da Saúde, 103 indígenas morreram e mais 3 mil foram confirmados com o novo coronavírus.

Veja mais notícias sobre CidadesAmazôniaPará.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Segunda, 06 Julho 2020

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/

No Internet Connection