Sidebar Menu

Manaus 30º • Nublado
Sexta, 10 Julho 2020
chatbot-health-tech

Espécie de serpente rara é registrada pela primeira vez no Acre

Espécie de serpente rara é registrada pela primeira vez no Acre
Foto da espécie de serpente Ninia hudsoni. Foto: Divulgação/ICMBio
Uma espécie de serpente rara foi registrada pela primeira vez no Acre. O animal identificado como Ninia hudsoni foi descoberto na Estação Ecológica Rio Acre, unidade de conservação (UC) administrada pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). Esta é a sétima vez que a espécie é localizada no Brasil. Outros 19 exemplares já foram encontrados em territórios da Amazônia Internacional no Peru, Equador e Colômbia.

A descoberta é resultado da pesquisa intitulada 'Inventário da Herpetofauna – Anfíbios e Répteis – da Estação Ecológica Rio Acre', que envolveu seis investigadores, entre analistas ambientais do ICMBio e pesquisadores de universidades parcerias. Com formação em geografia e zoologia, o analista ambiental Marco Antônio Freitas foi um dos integrantes da equipe. “Fizemos duas expedições, uma em abril de 2015 e outra em fevereiro de 2016, totalizando 37 dias em campo”, lembra.

Após o término da segunda expedição, os pesquisadores se voltaram para a análise e compilação dos dados coletados. A descoberta da serpente Ninia hudsoni foi transformada em artigo científico, publicado no final do ano de 2016. “Tendo como base as informações georreferenciadas resultantes da pesquisa, o artigo traz um mapa com a distribuição potencial da espécie, isto é, os locais onde há mais possibilidade de encontrá-la”, explica Freitas.
Pesquisa científica e educação ambiental

Ainda de acordo com o pesquisador, a rara serpente negra de cabeça branca é um animal noturno e terrestre, vivendo entre as folhas secas que caem no chão da floresta. “A Ninia hudsoni se alimenta de pequenos animais e atinge um comprimento de 40 a 50 centímetros quando adulta”, explica.

Para Marco Antônio, a pesquisa científica precisa ser cada vez mais valorizada e incentivada. Segundo ele, o conhecimento da biodiversidade nas UCs da Amazônia é fundamental para compreensão básica da biota local, além de ser útil na elaboração dos planos de manejo (documentos técnicos que orientam a gestão das áreas protegidas).

O próximo passo será a publicação de um livro que abarque as informações coletadas na pesquisa. “O plano da equipe gestora da unidade é publicar um livro sobre a fauna da Estação Ecológica Rio Acre. A linguagem será bastante acessível, voltada para o público leigo, com o objetivo de fomentar a educação ambiental”, destaca Freitas.

Veja mais notícias sobre Ciência e Tecnologia.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sexta, 10 Julho 2020

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/

No Internet Connection