Ibama e Exército apreendem equipamentos para garimpo ilegal no Rio Jutaí

Foto:Divulgação/Ibama

Uma operação de combate ao garimpo ilegal de ouro no Rio Jutaí (AM), realizada pelo Ibama, em conjunto com o Exército, resultou na apreensão de seis dragas e bens avaliados em R$ 8 milhões. Os agentes ambientais também recolheram 80 mil litros de combustível, que foram doados ao Exército, e 1 quilo de mercúrio. Foram aplicados seis autos de infração, que totalizam R$ 603 mil.

Uma das dragas era colombiana e operava em território nacional sem documentação. A embarcação foi desativada pela equipe de fiscalização. As outras cinco estão sob guarda do Exército.

“Muitos garimpeiros afirmaram aguardar documentação da cooperativa para obtenção de licença, mas a atividade é ilegal. A lavra no Rio Jutaí se estende por Terras Indígenas e Unidades de Conservação federais, áreas em que qualquer empreendimento deve ser licenciado pelo Ibama”, afirma o chefe da Divisão Técnico-Ambiental do Instituto no Amazonas, Hugo Loss.

A região do Rio Jutaí e de seus afluentes, Bóia e Mutum, é alvo frequente de garimpo ilegal. A atividade provoca contaminação dos corpos hídricos por mercúrio, usado para separar o ouro.

O Exército contribui com logística e segurança para a realização de ações de fiscalização ambiental em áreas de difícil acesso na Amazônia.

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Trabalho sobre inseticidas feitos a partir de plantas da Amazônia no Acre é publicado em livro nacional

Estudos foram realizados com óleos essenciais produzidos a partir de plantas amazônicas, como o óleo essencial de pimenta-de-macaco.

Leia também

Publicidade