Amazônia+10 e Belmont Fórum cooperam em parceria em chamada sobre florestas tropicais

Iniciativa internacional busca soluções inovadoras para os desafios enfrentados nas regiões de florestas tropicais e sistemas naturais associados.

A Iniciativa Amazônia+10 está atuando em parceria com o Belmont Fórum na chamada de propostas ‘Florestas Tropicais: implicações globais e ações urgentes’, lançada no dia 14 de junho em evento na Finlândia.

O edital é endossado pelo G-20 e contará com recursos financeiros de 20 agências de fomento em 22 países: Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, China, Colômbia, Costa Rica, República Dominicana, Estados Unidos, Equador, França, Guatemala, Jamaica, Japão, Indonésia, México, Noruega, Suíça, Panamá, Paraguai, Peru e Uruguai.

No Brasil, a participação de agências estaduais de fomento foi articulada no âmbito da Iniciativa Amazônia+10. Já participam as Fundações de Amparo à Pesquisa (FAPs) de Alagoas, Paraná, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo e Ceará. Estão também em processo de adesão as FAPs do Amapá, Espírito Santo, Amazonas, Rio de Janeiro, Mato Grosso do Sul e Pará.

📲 Confira o canal do Portal Amazônia no WhatsApp

A chamada financiará projetos de pesquisa colaborativa com até três anos de duração que busquem coordenar ações e projetos com abordagem transdisciplinar para desenvolver soluções inovadoras para os desafios enfrentados nas regiões de florestas tropicais e sistemas naturais associados.

Reconhecendo as diferenças na governança, na diversidade social e cultural e na configuração territorial, a chamada abrange florestas tropicais em todo o mundo. As propostas de pesquisa e os consórcios devem incluir perspectivas das ciências sociais e humanas, assim como das ciências naturais e físicas. Devem também envolver efetivamente atores sociais, usando abordagens participativas, cocriação, codesenvolvimento e coimplementação.

As propostas devem atender pelo menos dois dos três temas a seguir, buscando conexões transversais entre eles:
– Reduzir o desmatamento, promover o desenvolvimento sustentável e o desenvolvimento econômico liderado localmente;
– Função do Ecossistema, Conectividade e Ciência das Mudanças Climáticas;
– Justiça e Governança Ambiental.

Incentiva-se o aproveitamento das redes e sínteses existentes, bem como a criação de novas atividades colaborativas. Recomenda-se o uso de plataformas virtuais e outras abordagens digitais de intercâmbio.

Proponentes que solicitem recursos às FAPs participantes deverão consultar as exigências e requisitos necessários para o financiamento nos anexos de sua respectiva fundação, disponíveis AQUI.

O pesquisador interessado no Estado de São Paulo deverá submeter à FAPESP uma consulta quanto à sua elegibilidade até 30 de setembro. Nesse mês, um curso virtual sobre transdisciplinaridade será oferecido pelo Inter-American Institute for Global Change Research (IAI) e pela Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc).

A lista completa de participantes pode ser encontrada em: belmontforum.org/cras#forests2024.

*O conteúdo foi originalmente publicado pela Agência Fapesp

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Camu-camu é usado para enriquecer farinha de mandioca

Desidratados sob diferentes métodos tecnológicos, os resíduos agroindustriais de frutos de camu-camu, adicionados à farinha de mandioca, incrementaram significativamente os produtos finais.

Leia também

Publicidade