Acre reduziu desmatamento em janeiro, aponta Imazon

Dos 15 hectares do bosque, mais de 80% são compostos por áreas verdes e apenas 20% são caminhos para circulação de visitantes.

Dados do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) obtidos via Sistema de Alerta do Desmatamento (SAD) mostram que a área desmatada no Acre em janeiro reduziu em 63% na comparação com o mesmo período do ano passado. O estudo mostra que no primeiro mês do ano o Estado acreano desmatou uma área de três quilômetros quadrados. No mesmo mês no ano passado, essa área era de 8 km².

No acumulado de agosto de 2022 a janeiro de 2023, o Estado registrou 436 km² de desmatamento. O número é 2% maior que o registrado entre agosto de 2021 a janeiro de 2022, que foi de 426 km² de destruição.

A Amazônia Legal teve 198 quilômetros quadrados de seu território desmatado em janeiro, o que também representa uma redução de 24% em relação a janeiro de 2022, quando o desmatamento somou 261 quilômetros quadrados.

O desmatamento no Estado acreano representou 1% do total na Amazônia Legal. No ranking dos Estados com maior área desmatada, o Mato Grosso lidera a lista com a maior parte do percentual (43%), seguido por Rondônia (21%), Pará (12%) e Amazonas (10%), Rondônia (9%) e Maranhão (2%). Além do Acre, o Amapá e Tocantins representaram 1%.

Foto: Reprodução/Greenpeace

Área de floresta sob risco

O Acre tem o quarto maior índice de área sob risco de desmatamento em 2023 na Amazônia Legal, com 1.269,34 quilômetros quadrados. Os dados são de um levantamento do Imazon apresentados na plataforma PrevisIA. O Acre está atrás apenas dos três Estados com maior território, Pará, Amazonas e Mato Grosso.

O PrevisIA funciona por meio de inteligência artificial que se baseia no monitoramento que o Imazon faz da derrubada de árvores, e compõe a estimativa dos estados. Segundo o mapa, o município acreano sob maior risco é Feijó, e o território indígena em maior perigo é o Kulina do Médio Juruá. Em relação às regiões do estado, o Baixo Acre é a que aparece em maior risco.

Do território acreano, a maior parte tem médio risco, com 544,11 km² (43%). Em seguida, 497,35 km² (39%) com alto risco, 165,58 km² (13%) e 55,5 km² (4%) em baixo risco. A menor porção do território está em risco muito alto, com 6,78 km² (0,53%).

Na região, das 803 áreas de proteção, 653 estão sob risco de desmatamento em 2023. O índice equivale a 81% rios protegidos. No Acre, a Reserva Extrativista Chico Mendes é a mais ameaçada, com 120 km2, o segundo maior em toda a região.

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

‘Aurora Luzitana’: livro revela história dos portugueses maçônicos no Amazonas

Em mais de 400 páginas, com um exclusivo acervo de imagens, Abrahim Baze revela grande parte da história dos maçons lusitanos no Amazonas.

Leia também

Publicidade