Manaus 30º • Nublado
Quarta, 01 Fevereiro 2023

Biografia de Chico Mendes será lançada em Porto Velho

20190619075221-whatsapp-image-2019-05-07-at-224707-m

O jornalista e sociólogo Nilo Sérgio de Melo Diniz, de São Paulo (SP), atuou como técnico do Ministério do Meio Ambiente (MMA). Em 2019 lançou, pela editora Applis, a biografia "Chico Mendes — um grito no ouvido do mundo" em que mostra como a imprensa cobriu, na época dos fatos, a luta dos seringalistas. No próximo dia 19 o autor estará em Porto Velho, capital de Rondônia. Nilo Diniz oferecerá uma sessão de autógrafos e conversará com o público no Mercado Cultural (centro histórico), a partir das 18h.

Quase 34 anos após seu assassinato, Chico Mendes continua "rendendo" — e sua representatividade é atual. Seu nome divide opinião, a ponto de uma candidata à senadora por Rondônia ter defendido, durante a campanha deste ano, a extinção do ICM-Bio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade), autarquia vinculada ao MMA.

A capa da biografia. Foto: Divulgação
Segundo Nilo, "aquele tiro não calou o movimento". Pelo contrário, fez de Chico um mártir. Seu simbolismo modificou a realidade acriana, inclusive fazendo nascer a figura política de Marina Silva, sua discípula, ex-senadora pelo Acre, ex-ministra do meio ambiente e, hoje, deputada federal eleita por São Paulo.

Chico Mendes foi assassinado em 22 de dezembro de 1988. Três anos antes, em outubro de 1985, Chico e seus companheiros fundaram o Conselho Nacional dos Seringueiros (CNS), durante o I Encontro Nacional dos Seringueiros, em Brasília.

O livro de Nilo Diniz relata em detalhes como a informação restrita ou controlada, no período militar no Brasil (1964 a 1985), e mesmo anos depois, prejudicou o movimento em defesa da floresta e das comunidades extrativistas, tornando o Chico Mendes reconhecido e premiado fora do Brasil, um ilustre desconhecido — na época — no seu próprio país. Hoje, o nome dele está no livro de ouro os heróis da Pátria, no Panteão da Pátria e Liberdade, em Brasília (DF). 

O autor do livro, Nilo Diniz. Foto: Divulgação
Chico Mendes. Foto: Divulgação

O texto de Nilo demonstra como aquele crime contra o seringueiro significou, para a frustração de seus algozes, um verdadeiro "grito no ouvido do mundo". A notícia da morte de Chico Mendes, aos fundos de sua humilde casa de madeira nos arrabaldes da cidadezinha de Xapuri (AC), correu o mundo. O caso fez dele um ícone na defesa de suas ideologias e causas que se contrapõem ao discurso desenvolvementista na Amazônia defendido pelo seus opositores, hoje, em sua maioria, ligados ao agronegócio. 

Sobre o autor

Às ordens em minhas redes sociais e no e-mail: . Todas às segundas-feiras no ar na Rádio CBN Amazônia às 13h20.

*O conteúdo é de responsabilidade do colunista 



Veja mais notícias sobre JotaÓ escreve.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quarta, 01 Fevereiro 2023

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/