Delicias inusitadas: culinarista prepara panetones de açaí com tapioca, tucumã, pirarucu e tacacá

O panetone mais popular é o recheado com frutas secas, porém, outros sabores podem te surpreender 

De origem italiana, o panetone se tornou um alimento famoso na época de Natal. O mais popular é o recheado com frutas secas e você pode encontrá-lo em qualquer mercado da cidade, mas com o passar do tempo, o panetone ganhou várias versões, como por exemplo, o chocotone. Em Manaus, a culinarista Inês Monteiro aproveita a fama da iguaria e o reinventa com sabores amazônicos.

Ainda na infância, Inês teve o primeiro contato com o universo dos doces. Aos 12 anos, ela começou a fazer as próprias receitas e decidiu comercializar na escola. Só que para alcançar um nível alto na cozinha, a culinarista se especializou. “O primeiro brigadeiro que fiz queimou e, infelizmente, precisei jogar fora, só que eu não desisti e fui criando minhas receitas”, contou. 

Foto: Diego Oliveira/Portal Amazônia

Para ganhar espaço no mercado de trabalho, Inês buscou inspiração nos sabores da Amazônia. “A nossa região tem uma infinidade de frutas que precisam ser exploradas. Eu sou paraense, mas não tive a oportunidade de criar as receitas lá, foi no Amazonas que dei meus primeiros passos, logo, todas as minhas referências gastronômicas estão aqui”, destacou Inês. 

Cupuaçu, açaí com tapioca, castanha, banana pacovã, tucumã, pirarucu e tacacá, esses são alguns dos sabores regionais que a culinarista misturou com o tradicional panetone. “Existem opções salgadas e doces das deliciais regionais. As pessoas adoram esses sabores diferentes, ou seja, querem conhecer e presentear seus entes queridos na época do Natal”, disse.

“Nunca julguem um livro pela capa”, alerta Inês. Ela contou ao Portal Amazônia que a maioria das pessoas tem contato apenas com o panetone industrializado, mas que existem processos que deixam o alimento mais suculento. “O segredo é o modo de preparo, por isso, que alguns panetones levam um maior tempo para ficarem prontos”, explicou.

Ficou curioso e quer conhecer o trabalho de Inês? Você pode acessar a página dela no Instagram ou entrar em contato através do número (92) 99312-8796.

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Portal Amazônia responde: qual a função de uma ‘área de preservação permanente’?

As APP são consideradas um instrumento essencial à política de preservação ambiental.

Leia também

Publicidade