Manaus 30º • Nublado
Terça, 31 Janeiro 2023

Saiba quais vagas de emprego tem sobrado mesmo em crise

Soa estranho falar que vagas estão sobrando em épocas de crise e que muitos profissionais não conseguem sequer um trabalho básico, não é? Entretanto, é a mais pura verdade. Enquanto muitas áreas estão abarrotadas de concorrentes e poucas vagas sendo ofertadas, outras estão em pleno aquecimento num efeito contrário: muitas vagas e poucos concorrentes.

O momento que vivemos, de tantas novidades e inovações, é solo fértil para avaliarmos as possibilidades de migrarmos de área e setor, considerando todo o aparato tecnológico que vem sendo evoluído. Independente da área que você atua nesse momento, sempre há uma alternativa tecnológica para ela e que deve ser um ponto de destaque para o presente e futuro.

Nesse artigo vou falar sobre as principais áreas com destaques direcionados para as vagas que estão sobrando no mercado de trabalho.

Foto: Pexels/Pixabay

Motorista carreteiro - CNH E 

Por mais que seja uma função popularmente conhecida, o déficit para preenchê-la é bem significativo. Na região norte, por exemplo, a cada 10 vagas anunciadas, apenas três são preenchidas e efetivadas. Isso se dá por vários motivos, sendo os dois principais deles o fato de muitos profissionais não terem disponibilidade para viagens longas e a CNH E sem restrições perante órgãos de trânsito. Além disso, o que impossibilita, em alguns casos, que motoristas tenham a categoria de habilitação é o alto valor de auto escola para passar da habilitação D para a E.

O salário médio da função gira entre R$ 2.600,00 a R$ 5.000,00. Sendo assim, para motoristas de categorias anteriores da E, pode ser uma alternativa interessante para o fator empregabilidade.

Vendedores de lojas

Essa é mais uma função tradicional que sempre vemos sendo anunciada em jornais, classificados e internet. Apesar de ter muitos profissionais disponíveis no mercado que possuem esse perfil, o preenchimento das vagas é um fator bem crítico. Isso se dá porque, mesmo que possuam experiências anteriores, muitos profissionais não conseguem passar nas entrevistas por falta de entusiasmo, demonstrações práticas comerciais ou traquejo em si de negociações e vendas.

Além disso, há um índice bem alto de rotatividade para essa função. A cada 10 profissionais, somente dois são efetivados depois dos três meses de experiência. Isso acaba criando um ciclo contínuo de buscas de recrutamento e seleção por parte das empresas.

Desenvolvedores de tecnologias 

Essa tem sido uma área que, de cinco anos para cá, tem mostrado um grande déficit de mercado na oferta de profissionais. O desenvolvimento de softwares, sites, tecnologias e P&D são as principais linhas dessa categoria, não esquecendo dos dois nichos Front-End e Fullstack, que também são críticos por falta de pessoas tecnicamente qualificadas.

Muitas empresas, por terem dificuldade de contratarem profissionais com esses perfis, estão recorrendo a outros países para que assim as contratações sejam feitas como prestações de serviços. E a peso de ouro.

Ao mesmo tempo que isso vem ocorrendo, muitos profissionais estão migrando para essas áreas, o que vai fazer que, em médio prazo, não seja mais um segmento com garantia de recolocação rápida, caso tenha a habilitação necessária. Havendo o aumento de profissionais especialistas, a concorrência terá um aumento robusto em processos seletivos. A hora é agora.

As médias salariais de profissionais de desenvolvimento, envolvendo todas as sub-áreas citadas acima, estão entre R$ 4.200,00 e R$ 15.000,00.

Profissionais de infraestrutura de TI e desenvolvimento, juntos

Essa é uma área que também possui muitos profissionais disponíveis nesse momento. Entretanto, há uma particularidade nela: normalmente, quem conhece muito de infraestrutura de TI, conhece pouco ou nada de desenvolvimento. E vice versa. É claro que isso não é uma generalização, mas sim uma constatação técnica proporcional à realidade de mercado.

Com o advento de toda a crise que temos passado, as empresas estão optando por buscar profissionais com conhecimentos duplos dentro de uma área. Com a dificuldade de achar o perfil exato, muitas desistem de suas vagas ou contratam empresas de outras regiões para a execução de projetos.

A média salarial para profissionais com o conhecimento nas duas áreas ao mesmo, está em aproximadamente R$ 5.200,00 para cargos júniores. Os de nível sênior está medianamente em R$ 16.500,00.

E então? Para onde vamos?

Sobre o autor

Flávio Guimarães é diretor da Guimarães Consultoria, Administrador de Empresas, Especializado em Negócios, Comportamento e Recursos Humanos, Comentarista de Carreira, Emprego e Oportunidade dos Jornais Bom Dia Amazônia e Jornal do Amazonas 1ª Edição, CBN Amazônia, Portal Amazônia e Consultor em Avaliação/Reelaboração Curricular.

*O conteúdo é de responsabilidade do colunista


Veja mais notícias sobre Eu Profissional.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quarta, 01 Fevereiro 2023

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/