Corveta Solimões: primeiro navio-museu da Região Norte vai voltar a receber visitação em Belém

A intenção é o navio estar pronto para receber visitantes na festa do Círio de Nazaré deste ano, e seja, ainda, uma atração especial para as milhares de pessoas que estarão no Pará durante a COP 30.

O Corveta-Museu ‘Solimões’ vai voltar a participar de exposições e receber visitação pública no Complexo Feliz Lusitânia, no bairro da Cidade Velha, em Belém (PA). O assunto de recuperação da embarcação foi pauta do encontro entre o Comandante do 4º Distrito Naval, Vice-Almirante Antônio Capistrano de Freitas Filho, e da Vice-Governadora do Pará, Hana Ghassan Tuma.

A Corveta-Museu Solimões é o primeiro navio-museu da Região Norte e passou a receber o público após um convênio firmado, em 2004, entre a Marinha do Brasil (MB) e a Secretaria de Estado de Cultura, recebendo cerca de 30 mil visitantes por ano.

Foto: Reprodução/Marinha do Brasil

Em dezembro de 2019, o navio foi transferido para a Base Naval de Val de Cães, onde passou por recuperação estrutural e restabelecimento das suas condições gerais, obras viabilizadas por recursos designados pelo Comando de Operações Navais e por emenda ao orçamento proposta pelo Senador Jader Barbalho.

Apesar das obras já realizadas, ainda há pendências e, por isso, a MB solicitou apoio à Vice-Governadora na realização das últimas reformas na área de exposição e convivência com visitantes, o que tornará a Corveta apta a receber o público.

O Vice-Almirante Capistrano ressaltou a importância de Belém contar com mais essa atração cultural:

“A Corveta-Museu “Solimões” completará 70 anos em novembro de 2024 e o retorno dela ao píer da Casa das Onze Janelas será um grande presente para os paraenses”.

Foto: Reprodução/Marinha do Brasil

Grandes cidades do mundo, como Nova Iorque, Rio de Janeiro e Baltimore, possuem navios de guerra requalificados para servirem de museus. Esses espaços culturais flutuantes representam suas histórias marítimas e a vocação do seu povo para a navegação.

A Marinha intenciona, com o apoio do Governo do Estado do Pará, prontificar o navio a tempo de receber visitantes na festa do Círio de Nazaré, em outubro deste ano, e seja, ainda, uma atração especial para as milhares de pessoas que estarão no Pará durante a COP 30.

Corveta-Museu Solimões 

A embarcação foi construída pelo estaleiro N.V. Werf Gust V/fa A.F. Smulders, de Roterdã, nos Países Baixos. Foi lançada ao mar em 24 de novembro de 1954. De 1955 a 1959, esteve subordinada ao Comando do 1º Distrito Naval, desempenhando missões de varredura, minagem, patrulha costeira e prestação de serviços de socorro marítimo.

Em dezembro de 1959, passou a ser subordinada ao Comando do 4º Distrito Naval, com sede em Belém do Pará, e, desde 23 de abril de 1974, integra o Comando do Grupamento Naval do Norte. Nessas fases, desempenhou diversas comissões, como o desencalhe e reboque de navios, patrulha (inclusive de fronteiras), socorro marítimo (busca e salvamento), transporte de tropas e ações de assistência cívico-social junto às populações ribeirinhas da Amazônia, transportando suprimentos e provendo assistência médica e odontológica. Sua Mostra de Desarmamento foi em 2003, quando deixou o serviço ativo da Marinha.  

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Trabalho sobre inseticidas feitos a partir de plantas da Amazônia no Acre é publicado em livro nacional

Estudos foram realizados com óleos essenciais produzidos a partir de plantas amazônicas, como o óleo essencial de pimenta-de-macaco.

Leia também

Publicidade