Sidebar Menu

Manaus 30º • Nublado
Terça, 11 Agosto 2020

'Ficar em casa ainda é a medida mais eficaz contra transmissão comunitária do novo coronavírus', diz especialista

quarentena-em-casa-1

O isolamento social ainda é indicado como a forma mais eficaz de retardar o período de transmissão comunitária em estados onde já existem casos confirmados do novo coronavírus, segundo o sanitarista e diretor de Vigilância em Saúde da Secretaria de Saúde do Pará (Sespa), Amiraldo Pinheiro.

"Estamos prevendo que o pico de proliferação seja registrado nos próximos dias no Estado. Sabemos que este momento vai chegar e garantir que a população esteja em isolamento quando estivermos nessa fase nos dá uma chance maior de sucesso no combate à pandemia", explicou a mãe.

Ficar em casa é, neste momento, a melhor opção, garantem especialistas. (Foto:Divulgação/Casa)


A transmissão comunitária é definida quando os órgãos de saúde já não conseguem mais identificar a origem da contaminação. Até o momento, o Pará tem confirmados 20 casos de infecção por covid-19, que foram registrados entre os dias 18 e 29 de março. Destes, sete são característicos de transmissão local, quando o paciente adquire a doença após ser contaminado por alguém do seu convívio, e um segue em investigação.

"O Estado está apenas no início da proliferação, porque até o momento só temos casos importados (quando o paciente adquiriu o vírus fora do Estado) ou de transmissão local. É provável que a transmissão comunitária já esteja instalada nas cidades, principalmente na Região Metropolitana e que, nos próximos dias estejamos confirmando casos neste sentido. Por isso, mesmo que ainda não tenhamos este registro, o isolamento social reforça este processo de prevenção", complementou.

No último dia 16, a Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou como pandemia a contaminação mundial pelo novo coronavírus. De lá para cá, o Governo do Pará vem tomando medidas emergenciais de enfrentamento à doença, dentre elas a proibição de eventos com 100 ou mais pessoas, o fechamento parcial de restaurantes, a suspensão de serviços em shoppings centers, bares, casas de show ou similares, e de transportes interestaduais fluviais e rodoviários. As ações visam reduzir os casos de infecção pela doença e, com isso, minimizar o ciclo do vírus no Estado.

"Nós antecipamos os trabalhos de prevenção em, pelo menos, 15 dias do período de maior contaminação. É necessário se antecipar a este período de transmissão elevada. Verificamos que em outros países não houve essa antecipação e por isso foram surpreendidos por uma grande proliferação", ressaltou o diretor.

Contágio

Uma pessoa infectada com o novo coronavírus pode transmitir, em média, para outras cinco pessoas, sem que tenha sequer apresentado sintomas, de acordo com dados da Sespa. Esta estimativa indica que a covid-19 é um vírus além de silencioso, muito contagioso.

"A transmissão pode ser por gotículas de saliva ou espirro, assim também como por superfícies. Pessoas contaminadas que tenham secreção nas mãos e toquem em superfícies, talheres, copos podem contaminar outras pessoas. Ou seja, ela não só passa de pessoa pra pessoa, mas também se transmite de forma indireta".

Grupos de Risco

De acordo com Amiraldo Pinheiro, estão nos grupos de risco os cardiopatas, os renais crônicos, os diabéticos, pessoas em tratamento contra o câncer e aquelas que tenham alguma cormobidade (pacientes que tenham duas ou mais doenças relacionadas). "Essas pessoas têm o sistema imunológico naturalmente mais deprimido, com respostas mais difíceis a uma doença infecciosa e tudo isso faz com que o vírus se comporte de forma mais agressiva e se multiplique mais rápido dentro do organismo", complementou.

Segundo os dados do IBGE, o Pará possui atualmente 550 mil idosos. Destes, mais de 122 mil são também diabéticos. "Essas pessoas têm uma dificuldade maior em reagir ao tratamento e precisam de suporte médico de urgência para combater o vírus", disse Amiraldo.

Pedido de Mãe

A mãe de uma criança de 7 anos, que possui Leucemia Linfóide Aguda, está preocupada com a proliferação do novo coronavírus pois, de acordo com as características do seu tratamento, o filho é considerado como paciente do grupo de risco para a covid-19, e esta confirmação tem preocupado toda a família.

"Mesmo com todos os cuidados que temos com ele, é muito fácil termos intercorrências. Nossa principal preocupação, nesse sentido, é que o contágio da doença aumente, porque com isso os riscos para ele são ainda maiores. Tudo com ele evolui em uma velocidade absurda e a possibilidade dele pergar uma doença como essa nos deixa muito preocupados", disse a mãe, que terá sua identidade preservada, assim como a da criança.

O menino segue na fase de manutenção do tratamento e precisa fazer quimioterapia toda semana, ou seja, tem que sair de casa para ir ao hospital. Apesar de toda a rotina de prevenção e higiene dentro de casa, precisar sair, neste período, tem sido motivo de preocupação.

"Estamos muito aflitos vendo que muitas pessoas não estão seguindo a orientação de isolamento social e sabemos que esse é o único meio de diminuir o ritmo de proliferação da doença. Então, eu peço que essas pessoas reflitam e sigam as orientações senão por elas, mas por pessoas e crianças que realmente estão suscetíveis. O meu apelo é que, quem puder, fique em casa, para que a gente passe por essa tempestade com o menor dano possível", concluiu.

Veja mais notícias sobre SaúdePará.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Terça, 11 Agosto 2020

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/

No Internet Connection