Manaus 30º • Nublado
Terça, 31 Janeiro 2023

Saiba tudo sobre o Festival de Parintins

Após dois anos sem acontecer, o Festival de Parintins retornou ao calendário festivo dos brasileiros em 2022. A tradicional festa acontece na cidade de Parintins, nos estado do Amazonas e atrai milhares de turistas -- não só de outros estados, mas do mundo todo, e alguns deles fazem até aulas de português para poder aproveitar ao máximo o evento.

As expectativas para a edição do próximo ano, em 2023, já são grandes. Afinal, depois de dois anos paralisado em decorrência da pandemia do novo coronavírus, não deu tempo de matar toda a saudades da festança apenas em 2022. E se você quiser conhecer mais sobre o maior festival folclórico do mundo, continue neste artigo para saber tudo sobre ele!

As origens da festa

O nome vem do lugar onde ela acontece, na ilha de Parintins, às margens do rio Amazonas. A festa, que acontece durante o último fim de semana de junho, é baseada na disputa de dois grupos de bois-bumbá, o Garantido e o Caprichoso.

Todos os anos, as associações representadas pelos folclóricos bois se apresentam em um desfile que se assemelha ao carnaval, mas não se engane: o Festival de Parintins é algo único.

A rivalidade remonta ao início do século 20, quando as agremiações foram criadas. No entanto, existiram outros bois, precedentes ou contemporâneos, como Ramalhete, Diamantino, Mina de Ouro, Galante e Campineiro.

Neste período, a disputa entre os bois-bumbá acontecia no centro da cidade de Parintins, de forma informal e popular. Isso mudaria cerca de 40 anos depois.

Em 1965 acontece o primeiro Festival Folclórico de Parintins. O evento foi criado por um grupo de amigos ligados à Juventude Alegre Católica. A primeira edição tinha como objetivo arrecadar fundos para a construção da Catedral de Nossa Senhora do Carmo, a padroeira da cidade. Neste ano, vinte e duas quadrilhas se apresentaram, mas, curiosamente, a festa não contou com a presença dos bois Caprichoso e Garantido.

Foto: Divulgação/Amazonastur

A estreia dos bois-bumbá

Os bois apareceriam no ano seguinte, em 1966, quando foram convidados a participar do festival. Nesse período inicial, o critério estabelecido para definir o campeão era pelos aplausos da multidão: o boi que recebesse mais palmas, levava o título. O primeiro campeão foi o boi Garantido.

Em 1975, a organização do festival foi assumida pela prefeitura de Parintins. Com mais estrutura e divulgação, o evento ganhou relevância nacional e tornou-se atração turística. O Festival, então, passou a contar com uma superprodução, especialmente depois da construção do Bumbódromo de Parintins, uma arena especialmente criada para a disputa.

Atualmente, as três noites de disputa chegam a atrair mais de 100 mil pessoas, sem contar os telespectadores que assistem por meios digitais.

O Boi Garantido

A Associação Folclórica Boi-Bumbá Garantido foi fundada em 1913. Ostentando o vermelho e branco como suas cores, é o boi com mais títulos do festival, com 32 troféus. Nos desfiles, o boi desfila com um coração vermelho na testa, e suas canções são mais tradicionais, utilizando elementos de ritmos típicos da Região Norte.

O nome Garantido foi dado pelo fundador da associação, Lindolfo Monteverde. Era um lembrete aos rivais de que, em confrontos entre bois rivais nos desfiles de rua, a cabeça de seu boi nunca quebrava ou ficava avariada. "Isso era garantido", dizia ele.

O Boi Caprichoso

Do outro lado, o rival do Garantido é a Associação Cultural Boi-Bumbá Caprichoso. Com 24 títulos, Esse boi é tido como revolucionário e transgressor, tendo nascido, segundo as histórias, das mãos de pescadores, lavadeiras e seringueiros.

Existe, no entanto, uma grande controvérsia sobre seus verdadeiros fundadores. Há quem diga que essas pessoas foram lideradas por Roque Cid, um migrante nordestino que foi trabalhar na extração da borracha, para a criação da agremiação.

Mestre Roque, como também era chamado, era natural de Crato, no Ceará. Ao tentar a vida na extração da seringa na floresta, deparou-se com um cenário de decadência. Decidiu então fixar-se na ilha de Parintins. Como forma de manter as tradições de sua terra natal, criou uma brincadeira na qual a figura principal era um boi de pano preto, o qual decidiu chamar de Boi Caprichoso.

Registros orais indicam 1913 também como ano de fundação deste boi-bumbá. Suas cores são o azul e o branco. Sobre o nome, o grupo afirma que é auto explicativo: as pessoas e, consequentemente o boi, são caprichosas, trabalhadoras e honestas.

Componentes do festival

O Festival Folclórico de Parintins possui um total de 21 quesitos (critérios a serem avaliados). A maioria deles não possui uma ordem predeterminada de apresentação, exceto os três primeiros itens (apresentador, levantador de toadas, e marujadas e batucadas) e o último (encenação).

Ao todo os 21 quesitos são:


  • Apresentador;
  • Levantador de toadas;
  • Marujada e batucada;
  • Ritual;
  • Porta-estandarte;
  • Amo do boi;
  • Sinhazinha da fazenda;
  • Rainha do folclore;
  • Cunhã poranga;
  • Boi bumbá (evolução);
  • Toada (letra e música);
  • Pajé;
  • Tribos indígenas;
  • Tuxauas;
  • Figuras típicas regionais;
  • Alegorias;
  • Lenda amazônica;
  • Vaqueirada;
  • Galera;
  • Coreografia;
  • Organização do conjunto folclórico.

Os jurados

Para decidir o boi vencedor do festival, são selecionados 6 jurados, sorteados na véspera do evento. Todos os integrantes devem vir de estados que não façam parte da Região Norte do país.

Como forma de garantir imparcialidade e boa avaliação de cada quesito, os jurados escolhidos devem ser estudiosos da arte, da cultura e do folclore brasileiro, tendo grande familiaridade com a festa.

Festival de Parintins: patrimônio cultural do Brasil

Em 2018, o Complexo Cultural do Boi Bumbá do Médio Amazonas e Parintins foi reconhecido como Patrimônio Cultural do Brasil. A decisão foi tomada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), após uma extensa análise.

Na cerimônia, Luiz Phelipe de Carvalho Castro Andrês, Conselheiro do Conselho Consultivo do IPHAN explicou o status dado ao festival:

"Concluímos finalmente que, acervos como o Complexo Cultural do Boi-Bumbá do Médio Amazonas e Parintins, por se constituírem em importante foco de resistência da cultura legitimamente nacional, não só tem relevância para o estado do Amazonas e para o país, mas se revestem de um valor universal como lição de liberdade e humanidade. E ratificando os demais pareceres constantes do processo, somos de parecer favorável à sua inscrição, no Livro de Registro das Celebrações, como Patrimônio Cultural do Brasil".

Luiz Phelipe de Carvalho Castro Andrês, Conselheiro do Conselho Consultivo do IPHAN

Veja mais notícias sobre Notícias.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Terça, 31 Janeiro 2023

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/