Manaus 30º • Nublado
Segunda, 06 Dezembro 2021

Estudo revela superpopulação de três espécies de aves em Parque Zoobotânico da Ufac

tabelas

Um estudo iniciado em 2017 durante o mestrado de Diego Pedroza na Universidade Federal do Acre (Ufac) gerou um artigo sobre a superpopulação de aves no Parque Zoobotânico e também a diversidade de espécies em florestas com ou sem bambus.

As pesquisas duraram cerca de sete meses e ocorrem em três fragmentos florestais: Parque Zoobotânico, em Rio Branco; Fazenda Experimental Catuaba, em Senador Guiomard; e Reserva Florestal Humaitá, em Porto Acre.

O artigo, publicado na revista "Community Ecology" ainda em julho,também teve como co-autor o professor do Centro de Ciências Biológicas e da Natureza, Edson Guilherme.

O primeiro ponto constatado no estudo foi que há pelo menos três espécies que ocupam o Parque Zoobotânico da Ufac e que não conseguem se dispersar. São elas:


  • O uirapuru-laranja (Pipra fasciicauda);
  • O garrinchão-pai-avô (Pheugopedius genibarbis);
  • O bico-chato-grande (Rhynchocyclus olivaceus).

Essa constatação pôde ser feita através de observações e também comparando a quantidade de espécies capturadas nos locais estudados. Pelos números, percebe-se que o bico-chato-grande, por exemplo, só foi visto dentro do parque. 

 "O parque possui três espécies com populações muito grandes, isso significa que tem muitos indivíduos dessas espécies lá e achamos que essas espécies estão isoladas dentro do fragmento do Parque Zoobotânico e não conseguem sair de lá e ir para outros locais. Então, o Parque Zoobotânico acaba se tornando um local isolado para algumas aves, porque elas não conseguem sair de lá", explica Pedroza.

Alguns fatores podem ter contribuído para isso, segundo o pesquisador, que atualmente faz doutorado no Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA). Um desses fatores é o fato de o PZ estar localizado no meio da cidade.

"A matriz do Parque Zoobotânico é urbana, ou seja, está dentro da cidade e os passarinhos não estão conseguindo sair de lá. Eles estão presos dentro do fragmento, então algo que sugerimos no artigo é a criação de corredores ecológicos para ligar os fragmentos", explica.

Esses corredores seriam áreas arborizadas que ligariam fragmentos de florestas próximos, facilitando a locomoção dos pássaros e ampliando o território disponível para habitat, alimentação e procriação.

Criado em 1983, o Parque Zoobotânico da Ufac reúne em uma área de 144 hectares com espécies animais e vegetais, constituindo a maior área verde dentro do perímetro urbano de Rio Branco — Foto: Asscom/Ufac

"Isso por si só não resolve o problema, mas seria uma boa iniciativa para amenizar a superpopulação de passarinhos no PZ", pontua.

Outra informação que consta na pesquisa é a de que, dentro das áreas estudadas, o Parque Zoobotânico foi o fragmento que apresentou composição de espécies bem diferentes dos outros.

"Quando você vai para o Parque Zoobotânico, os passarinhos que você encontra lá, são quase totalmente diferentes dos outros dois fragmentos. É uma composição de espécies diferentes." 

Cantador-galego (Hypocnemis subflava) é uma espécie que só ocorre em florestas com bambus nativos — Foto: Diego Pedroza/Arquivo pessoal

Espécies dos bambuzais

Outro objetivo do trabalho de Pedroza era avaliar se a diversidade de aves era a mesma em florestas que possuem bambus e as que não possuem esse tipo de vegetação.

"A floresta com o bambu é tão diversa de passarinhos quanto a floresta sem o bambu. Geralmente quando a gente passa próximo ao tabocal (bambuzal), pensamos automaticamente que nessa floresta deve ter pouca diversidade de espécies porque nós seres humanos temos dificuldade de nos locomover pelo bambu, porque é difícil, então o que encontramos foi o oposto, o bambuzal é tão diverso em espécies de passarinhos quanto a floresta sem o bambu, portanto uma floresta de importante conservação, pelo menos para avifauna", destaca.

Tão importante que algumas espécies de passarinhos só podem ser encontradas em áreas com bambus. Como é o caso do cantador-galego (Hypocnemis subflava), que só pode ser visto em florestas de bambus nativos.

"Existem algumas espécies de passarinhos que para você encontrar você precisa ir para o bambuzal, porque é um passarinho especialista do bambu, não adianta querer encontrar o passarinho em qualquer lugar. Então, isso contribui para a maior diversidade de espécies no bambu, porque lá tem espécies específicas que ocorrem apenas no tabocal", finaliza. 

Observadores de pássaros durante encontro no Parque Zoobotânico da Ufac — Foto: Reprodução/Rede Amazônica Acre

Parque Zoobotânico

Criado em 1983, o Parque Zoobotânico da Universidade Federal do Acre (Ufac) reúne em uma área de 144 hectares com espécies animais e vegetais, constituindo a maior área verde dentro do perímetro urbano da capital.

O parque fica no campus da Universidade em Rio Branco e recebe todos os dias pesquisadores e alunos de diversas áreas como a biologia, engenharia florestal e geografia, sendo um dos maiores campos de estudo a céu aberto do país.

Embora a criação oficial do Parque tenha sido em 83 com a construção do primeiro prédio no local, as pesquisas começaram muito antes, em 1979. O local é inteiramente destinado à pesquisa, ensino e a preservação da biodiversidade no Acre. 

Veja mais notícias sobre Meio AmbienteAcre.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Segunda, 06 Dezembro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/