CETEM segue com pesquisa e monitoramento de mercúrio em rios da TI Yanomami

As atividades fazem parte do Projeto Monitora Y, que compõe a Rede de Monitoramento Ambiental em Terras Indígenas Yanomami e Alto Amazonas.

Um grupo de pesquisadores do Centro de Tecnologia Mineral (CETEM), unidade de pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), esteve nas Terras Indígenas Yanomami, em Roraima, entre mamio e junho, para estudar o nível de exposição de mercúrio das comunidades.

Durante o trabalho, foram coletadas águas fluviais e de consumo, sedimentos e peixes em Unidades de Conservação (UCs) Federais do Estado de Roraima. Segundo o grupo, o objetivo do estudo é monitorar a qualidade ambiental e dos teores de mercúrio nos peixes.

Segundo a pesquisadora do CETEM, Zuleica Castilhos, esta é a terceira visita para coleta de amostras. A primeira foi em novembro de 2023 e a segunda em março deste ano. Nas duas primeiras, foram coletadas amostras de águas de consumo, águas fluviais e sedimentos de rio dentro do território. 

“Nos estudos nós estamos analisando diversas amostras que contêm metais (incluindo mercúrio), agrotóxicos, HPAs, BTEX, entre outros, dependendo da matriz, águas de consumo, águas fluviais e sedimentos”, explica a pesquisadora do CETEM que é responsável pela expedição.

As atividades fazem parte do Projeto Monitora Y, que compõe a Rede de Monitoramento Ambiental em Terras Indígenas Yanomami e Alto Amazonas. “A região é amplamente atingida pela atividade de garimpo de ouro ilegal com consequências ainda não avaliadas criteriosamente quanto aos seus potenciais impactos ao meio ambiente e efeitos à saúde das populações locais, indígenas ou não”, diz Castilhos.

Além dos pesquisadores do CETEM, o trabalho também contou com a colaboração de pesquisadores do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama).

De acordo com o Censo Demográfico de 2023 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a etnia Yanomami é a maior do país e conta mais de 27 mil indígenas vivendo principalmente em Roraima e Amazonas.

*Com informações do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI)

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Camu-camu é usado para enriquecer farinha de mandioca

Desidratados sob diferentes métodos tecnológicos, os resíduos agroindustriais de frutos de camu-camu, adicionados à farinha de mandioca, incrementaram significativamente os produtos finais.

Leia também

Publicidade