‘Meetup Acelera’ aborda Pescado de Manejo e Psicultura em momento crítico na Amazônia

Tema foi escolhido por conta de eventos climáticos extremos. Encontro prevê a participação de startups e organizações, como o Instituto Mamirauá, que compartilharão experiências e desafios atuais.

Diante do cenário de seca que assola a Amazônia, como trabalhar a Piscicultura e o Pescado de Manejo enquanto cadeias de valor sustentável para a região, levando em consideração os novos desafios climáticos que se apresentam? 

Este é um dos temas que serão abordados no terceiro encontro do ‘Meetup Acelera – edição Bioeconomia‘ que acontece nesta quinta-feira (19), das 14h às 17h30, no Impact Hub em Manaus (AM). O evento reúne representantes de startups, organizações comunitárias, instituições de pesquisa e fomento à inovação, além de empreendedores para promover uma imersão e debate de soluções voltadas à bioeconomia a partir desses territórios.

Para debater o tema principal, ‘Unidades de Conservação como ambiente de inovação’, participam como convidados: Laurindo Rodrigues, pesquisador da Embrapa Meio-Norte; e Dione Torquato, secretário-geral do Conselho nacional das Populações Extrativistas (CNS).

Foto: Divulgação/FRAM

Atuando desde 2008 como pesquisador na Empresa Brasileira Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Laurindo Rodrigues tem experiência em aquicultura, atuando com nutrição e reprodução de peixes e camarões; cultivo de peixes ornamentais; manejo viveiros para aquicultura; análise de viabilidade técnica e econômica; sistemas de produção aquícola e sustentabilidade na aquicultura.

Já Dione Torquato traz a experiência de ativista socioambiental à frente do CNS, articulando, propondo e reivindicando políticas que garantam a sustentabilidade das populações extrativistas. Residindo atualmente em Brasília, é bacharelando em Direito pela faculdade Anhanguera.

O canal Amazon Sat transmite ao vivo o encontro à partir das 14h30 (horário de Manaus). 

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Abelhas são fonte de renda extra para agricultores familiares no Mato Grosso

Projeto Semêa, realizado pela Fundação Bunge, incentiva o uso de abelhas para fomentar agricultura regenerativa e de baixo carbono.

Leia também

Publicidade