Confira a receita do “quibe acreano”, uma das principais iguarias do Acre

Conhecido por outros nomes à depender do Estado, essa receita é popular na região amazônica. 

Originário do Oriente Médio, o quibe é um prato típico da região dos países árabes. O seu preparo mais comum é uma massa de carne moída e trigo tabule, recheada originalmente com carne de carneiro e ervas. O quibe é um prato popular também na América do Sul onde foi introduzido pelos imigrantes sírio-libaneses. O quitute foi incorporado à gastronomia acreana com mudanças bastante significativas no seu preparo, como a massa de macaxeira, raiz bastante consumida em toda a Amazônia.

Mas a criatividade e paladar do acreano foi além: o arroz também pode substituir a tradicional massa do quibe. Em outros Estados o quibe de macaxeira é conhecido como croquete de carne, mas em qualquer lanchonete e restaurantes do Acre os quibes de macaxeira e de arroz são sempre uma ótima pedida.

Foto: Reprodução/Rede Amazônica AC

Quer saber mais sobre essa iguaria da culinária acreana? Confira a receita dos quibes de macaxeira e de arroz da Dona Marilda, que faz essas delícias há 20 anos em uma lanchonete no Centro de Rio Branco.

Massa 

1 ½ kg de macaxeira

manteiga ou três colheres de óleo

sal a gosto

*recheio de sua preferência

Modo de preparo

Para o preparo é necessário cozinhar a macaxeira e adicionar sal a gosto. Depois de escorridas e ainda quente, deve-se amassá-las com um garfo ou moedor, adicionando manteiga ou óleo para dar consistência. Depois de bem amassada, faça bolinhos com as mãos e um furo no meio para colocar o recheio de sua preferência.

Depois de fechados, pode empaná-los na farinha de rosca ou trigo. Uma dica antes de fritar os quibes é levá-los ao congelador durante 15 minutos e depois fritá-los em óleo bem quente até dourar.

Outra dica importante é para quem quer levar os tradicionais quibes de macaxeira do Acre para outros lugares. A dica da Dona Marilda é enrolar os quibes ainda crus, um a um, em papel laminado e congelar. Os quitutes podem durar até sete dias quando bem acondicionados.

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Abelhas são fonte de renda extra para agricultores familiares no Mato Grosso

Projeto Semêa, realizado pela Fundação Bunge, incentiva o uso de abelhas para fomentar agricultura regenerativa e de baixo carbono.

Leia também

Publicidade