Manaus 30º • Nublado
Domingo, 23 Janeiro 2022

Barco Dominique: Relembre o maior naufrágio de Codajás, no Rio Solimões, no Amazonas

A década de 1980 não foi uma década fácil para quem navegou ou viajou pelos rios da Amazônia. Tragédias como o  Sobral Santos II, ocorrida no Pará, e a tragédia do  Novo Amapá, no Amapá, marcaram para sempre a vida de familiares e amigos, assim como a história fluvial da Amazônia.

O Amazonas também tem em sua história momentos de sufoco em decorrência de naufrágios. Um deles é o do barco Dominique, ocorrido nas proximidades de Codajás, localizado na calha do Rio Solimões e distante 240 km da capital Manaus, em linha reta.

O Portal Amazônia relembra esta tragédia, considerada a maior do município.

Foto: Reprodução/Cultura Coariense

O naufrágio

Quase um mês depois da tragédia do Novo Amapá, na noite de 14 de fevereiro de 1980, o barco Dominique, com destino a Tabatinga, afundou no 'rebojo do Botafogo', também conhecido como 'Ponto do Vapor', acima da sede do município de Codajás, no Amazonas.

Leia também: Rebojo: conheça o fenômeno natural que assusta os navegantes da Amazônia

Dos 60 tripulantes da embarcação, 30 passageiros desapareceram, a maioria eram crianças. A outra metade, conseguiu se salvar. Entre cinco a dez minutos, o barco naufragou completamente, o que foi mais prejudicial para quem estava dormindo na hora da tragédia e quem estava nos camarotes.

No dia seguinte, o fato já se espalhava pelos municípios próximos e foi noticiado pelos principais jornais e emissoras de rádio da época:

A Notícia (jornal amazonense). Manaus, 15 fevereiro 1980.
A Notícia (jornal amazonense). Manaus, 15 fevereiro 1980.

Sem superlotação

O barco saiu de Manaus, com destino à cidade fronteiriça de Tabatinga, com apenas 19 passageiros. No percurso, foi realizando 'escalas' nas cidades banhadas pelo Rio Solimões.

De acordo com registros da época, o comandante Antônio Carlos Martins Sepúlveda conduzia o barco abaixo da capacidade de lotação. Antônio afirmava que o 'Dominique' era conhecido por cumprir com as regras e determinações estabelecidas pela Capitania dos Portos.

 Homens-rã

Ao saber do ocorrido, a Capitania dos Portos logo providenciou a ida de 'homens-rã', os bombeiros especializados em mergulho e resgate naqueles anos. Além deles, foram mandados oficiais 'das duas Armas' para ajudar os sobreviventes e resgatar as vítimas que ainda se encontram nas profundezas do Rio Solimões.

O trabalho das equipes de resgate e de ribeirinhos que estavam ajudando foi essencial para que não houvessem mais vítimas do naufrágio. Até hoje, moradores de Codajás lembram com pesar da tragédia.

Veja mais notícias sobre Amazonas.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Domingo, 23 Janeiro 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/