Medidas de prevenção e controle de pragas contribuem para qualidade do cacau em Rondônia

O cacau produzido em terras rondonienses possui sabor inconfundível e gordura de qualidade diferenciada para a produção de alimentos achocolatados.

Com adoção de técnicas inovadoras, Rondônia tem evoluído nos últimos anos na produção do cacau, resultando em maior rendimento e qualidade das amêndoas produzidas. Em novembro de 2023, o cacau do Estado recebeu o selo de Indicação Geográfica (IG), na espécie Indicação de Procedência (IP). O registro foi publicado pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Inpi). 

De acordo com o Inpi, o cacau produzido em terras rondonienses possui sabor inconfundível e gordura de qualidade diferenciada para a produção de alimentos achocolatados de consistências e sabores diversos.
Servidores da Idaron mantêm fiscalização contínua em propriedades produtoras de cacau e cupuaçu, em todo o Estado. Foto: Divulgação

Para o governador de Rondônia, Marcos Rocha, as ações de prevenção e segurança garantem o resultado satisfatório. “O Estado vai continuar crescendo na produção agrícola, ganhando cada vez mais destaque no cenário nacional. O comprometimento dos produtores em trabalhar para ter o melhor produto e as ações desenvolvidas pelo Governo contribuem para o fortalecimento da lavoura e melhor desempenho da economia”, pontuou.

Segundo o presidente da Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril do Estado, Julio Peres por trás de toda essa evolução, além dos produtores e entidades de pesquisas, fomento e extensão rural, há os profissionais técnicos da Idaron, devotados à prevenção e controle de pragas importantes, como a monilíase do cacaueiro. “A condição de Rondônia como área livre da monilíase, resulta tanto das ações de prevenção e vigilância quanto de atividades educativas que nos últimos meses, foram concentradas em regiões consideradas polos produtores da cultura”, destacou. 

 Atividades educativas

Com atividades realizadas em Buritis, na região de Vale do Jamari, a Caravana da Monilíase, ocorrida em novembro e dezembro de 2023, contou com o apoio do Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa), Entidade Autárquica de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Rondônia (Emater-RO), Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), Secretaria de Estado do Desenvolvimento Ambiental (Sedam), e outras entidades públicas e privadas ligadas ao setor agrícola do Estado. 

No decorrer de 2023, as ações de prevenção, também foram ampliadas, com ênfase na vigilância fitossanitária. Um total de 1.872 propriedades, entre rurais e urbanas, foram inspecionadas de janeiro a outubro, representando um aumento em relação aos anos anteriores. O feito representou um marco à Idaron, com o maior número de propriedades inspecionadas em um único ano. Os resultados dessas inspeções confirmaram a ausência da monilíase do cacaueiro, em Rondônia.

Além da vigilância fitossanitária, a fiscalização do trânsito de veículos foi intensificada. Durante as ações no ano passado, a Idaron realizou mais de 11 mil abordagens a veículos que adentravam o Estado, orientando sobre medidas preventivas e fiscalizando cargas.

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Portal Amazônia responde: qual a função de uma ‘área de preservação permanente’?

As APP são consideradas um instrumento essencial à política de preservação ambiental.

Leia também

Publicidade