Ilha do Bananal, no Tocantins, é a maior ilha genuinamente fluvial do mundo

A Ilha é uma reserva ambiental desde 1959 e, em 1993, também foi considerada Reserva da Biosfera pela UNESCO.

Com cerca de 20 mil quilômetros quadrados, a Ilha do Bananal, no Tocantins, é considerada a maior ilha genuinamente fluvial do mundo. Ela possui 1.916.225 hectares, cercados pelos rios Araguaia e Javaés.

Foto: Divulgação/Governo do Tocantins

A Ilha do Bananal é uma reserva ambiental brasileira desde 1959. Em 1993, o local também foi considerado Reserva da Biosfera pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), sendo também uma das zonas úmidas de importância internacional, classificadas pela Convenção de Ramsar.

A área da ilha está subdividida entre os municípios de Sandolândia, Formoso do Araguaia, Lagoa da Confusão e Pium. Bananal também está na divisa de Tocantins com os estados do Mato Grosso (no rio Araguaia) e de Goiás (na porção sul do rio Javaés). 

No mês de julho (temporada de praia), os turistas lotam as areias brancas e quentinhas da ilha. Eles aproveitam para desbravar a região, que além dos rios para banho, conta também com visitação a cachoeira, passeio de canoa, shows, competições esportivas e uma extensa área de camping.

Foto: Divulgação/Governo do Tocantins

Indígenas 

Parte da ilha é ocupada pela Terra Indígena Parque do Araguaia, a qual abrange toda a porção sul e boa parte da porção oeste de Bananal até a latitude da cidade de Santa Terezinha (MT); pelo Parque Nacional do Araguaia, que abrange as porções norte e nordeste da ilha; pela Terra Indígena Inãwébohona, que se sobrepõe ao Parque Nacional do Araguaia, estando localizada na porção nordeste da ilha; e pela Terra Indígena Utaria Wyhyna/Iròdu Iràna, que também se sobrepõe ao Parque Nacional do Araguaia e está localizada na porção norte da ilha.

Deste modo, toda a Ilha do Bananal é considerada pela constituição federal como terra da união, sendo o maior complexo de reservas existente no Estado do Tocantins. Os povos indígenas que vivem na Ilha do Bananal são: os Carajás, os Javaés, os Tapirapés, os Tuxás e os Avá-Canoeiros (mais conhecidos na região pelo apelido de Cara-Preta). 

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Camu-camu é usado para enriquecer farinha de mandioca

Desidratados sob diferentes métodos tecnológicos, os resíduos agroindustriais de frutos de camu-camu, adicionados à farinha de mandioca, incrementaram significativamente os produtos finais.

Leia também

Publicidade