Batedores de açaí paraenses adotam medidas de segurança no combate à transmissão da Doença de Chagas

Estabelecida pela OMS em 2019, o Dia Mundial de Combate à Doença de Chagas reforça as ações para fortalecer a vigilância a doença causada pelo protozoário Trypanosoma cruzi.

É de um pequeno ponto de venda de açaí, no bairro de Canudos, em Belém (PA), que há seis anos Dionísio Alves Filho tira o sustento da família. “A gente sobrevive daqui. E aquilo que eu não quero para a minha família, não quero para outras, então tomo todos os cuidados com a produção”, garante o manipulador artesanal de açaí.

Prevenção é a palavra de ordem no ponto de venda de Dionísio. O cuidado é redobrado especialmente por causa da Doença de Chagas, infecção causada por um parasita encontrado nas fezes do inseto barbeiro, Trypanosoma cruzi. Para evitar o risco de contaminação é recomendado seguir uma série procedimentos de higiene, entre eles o choque térmico. 

Foto: Marcelo Seabra/Agência Pará

Estabelecida pela OMS em 2019, o Dia Mundial de Combate à Doença de Chagas reforça as ações para fortalecer a vigilância da doença. O selo fixado no vidro do estabelecimento de Dionísio e o certificado de capacitação dão segurança aos clientes sobre a qualidade do produto. Os equipamentos do ponto são novos, um deles é a máquina de branqueamento, responsável pelo choque térmico que elimina o inseto causador da doença de Chagas.

“Aqui nós fazemos todas as etapas para garantir a venda segura do açaí. Os próprios clientes monitoram a qualidade. Com a chegada dos equipamentos, como a esteira e o branqueador, nos ajudou muito. Eu não teria condição de comprar sozinho, gastaria no mínimo 10 mil reais. E nós não gastamos nada porque o governo nos deu”, 

destaca Dionísio.

Foto: Marcelo Seabra/Agência Pará

Em 2022, o Governo do Pará, por meio da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca (Sedap) investiu R$ 5,4 milhões na aquisição de 2.400 equipamentos, destinados à melhoria da qualidade do açaí comercializado no estado. 

“O esforço faz parte do Programa Estadual de Qualidade do Açaí, coordenado pela Sedap. Todos estes equipamentos (tanques de branqueamento, despolpadeiras e mesas de seleção de frutos) fazem parte do processo de higienização e de boas práticas de produção do açaí”, explica Geraldo Tavares, gerente de fruticultura da Sedap.

Foto: Marcelo Seabra/Agência Pará

Além do repasse de equipamentos, destaca-se o curso de Qualificação Técnica de Manipulação de Alimentos. O treinamento foi realizado pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia (Sedeme), por meio da Diretoria de Feiras e Mercados (DFM). Este ano, foram concedidos mais de 300 certificados para trabalhadores dos bairros Jurunas, Condor, Pratinha e distrito de Outeiro.

“A gente vem capacitando e qualificando os batedores para que eles trabalhem de maneira adequada. Tudo o que nos compete fazer para zerar a transmissão da doença de Chagas, nós estamos fazendo”, ressalta Manoel Rendeiro, conhecido como Didi do Ver-o-Peso, diretor de Feiras e Mercados da Sedeme. 

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Portal Amazônia responde: qual a função de uma ‘área de preservação permanente’?

As APP são consideradas um instrumento essencial à política de preservação ambiental.

Leia também

Publicidade