Portal Amazônia responde: por que 12 municípios de Rondônia possuem ‘do Oeste’ no nome?

A divisão territorial de Rondônia foi realizada por meio do desbravamento dos rios, importantes vias de transporte do Estado.

Sendo um dos últimos Estados a ser colonizado, Rondônia possuía um grande fluxo de invasões de forças estrangeiras, que originou a assinatura do ‘Tratado de Madrid’ (1750), entre Portugal e Espanha. O acordo assegurou o território rondoniense, compreendido pelas terras localizadas na margem direita do rio Guaporé.

A divisão territorial de Rondônia foi realizada por meio do desbravamento dos rios, importantes vias de transporte do Estado. Em 1781, as fronteiras terrestres foram oficialmente marcadas. Desde a sua formação geográfica, Rondônia foi projetada a partir de dois outros Estados, partes do Amazonas e do Mato Grosso. Além disso, sua história é marcada pela exploração de borracha e minérios.

Em meados de 1970, foram criados os municípios e, como Rondônia já pertencia ao território federal, as divisões do Estado foram formadas a partir de projetos de colonização organizados pelo próprio governo. Possuindo 52 municípios, atualmente é considerado o terceiro Estado mais populoso do Norte brasileiro.

Mas você já reparou que dos 52 municípios, 12 possuem o sufixo ‘do Oeste’ presentes no nome?

 São eles: Alta Floresta d’Oeste, Alvorada d’Oeste, Colorado do Oeste, Espigão d’Oeste, Itapuã do Oeste, Machadinho d’Oeste, Nova Brasilândia d’Oeste, Novo Horizonte do Oeste, Ouro Preto do Oeste,Pimenteiras do Oeste,Santa Luzia d’Oeste e São Felipe d’Oeste.

Nesse contexto surgem perguntas como “qual a história por trás desses nomes?”, “por que os outros municípios não possuem a mesma característica?”, “existe alguma curiosidade por trás desses sufixos?”. 

Para esclarecer essas dúvidas, o Portal Amazônia conversou com o professor do Curso de Jornalismo da Universidade Federal de Rondônia (UNIR) e doutor em Sociedade e Cultura na Amazônia, Sandro Colferai. 

Foto: Reprodução/ IBGE

Origem dos municípios

Os dois primeiros municípios do Estado, foram Porto Velho e Guajará-Mirim. Em 1977 foram criados outros cinco municípios, que hoje são as maiores cidades de Rondônia. Sandro explica: “A nova leva de criação de municípios aconteceu nas décadas de 1980, quando surgiram oito dos 12 municípios com o sufixo “d’Oeste”, e em 1990, quando os outros quatro foram oficializados. Via de regra eram distritos que acabaram sendo elevados à condição de municípios e já eram nomeados com os nomes atuais, mas sem o sufixo ‘d’Oeste'”.

A origem do sufixo presente nos municípios Alta Floresta e Colorado foi em cumprimento a lei de 1967 que proíbe a criação de novos municípios com nomes de outros já existentes, de acordo com o professor. 

“Como já existiam Alta Floresta no Estado do Mato Grosso e Colorado no Paraná e outro no Rio Grande do Sul, a opção, ao invés de mudar o nome, foi por acrescentar o sufixo “d’ Oeste”. E assim foi também com Ouro Preto do Oeste com uma cidade com mesmo nome em Minas Gerais, Santa Luzia do Oeste homônimas na Bahia, Paraíba, Maranhão e Minas Gerais, Alvorada do Oeste homônima no Rio Grande do Sul”, exemplifica.

As cidades homônimas, são cidades que possuem o mesmo nome. Em determinação a lei de 1976, foram proibidas cidades homônimas. Assim, com exceção de Espigão do Oeste e Itapuã do Oeste, os outros 10 municípios possuem sufixo “do Oeste” por que nas regiões Sul, Sudeste e Nordeste do Brasil já existem cidades com os mesmos nomes.

Sandro ressalta:

“Em suma, durante o processo de ocupação agrícola de Rondônia os nomes foram sendo dados às localidades, algumas vezes em função de uma propriedade existente no local, ou o nome de um acidente geográfico, como um rio, ou mesmo em homenagem à localidade onde partiram os colonos migrantes. Quando foi o momento de oficializar o nome dos municípios, para não descaracterizar e ao mesmo tempo cumprir uma lei, foi feita a adaptação e acrescentado o sufixo “d’ Oeste”,

esclarece. 

Foto: Reprodução/ IBGE

Curiosidades

Existe um grupo de municípios em Rondônia, com nomes que fazem homenagem a figuras ligadas ao Regime Militar (1964-1985), dentre eles estão os municípios de Presidente Médici, em homenagem ao ex-presidente do Brasil; a cidade de Ministro Andreazza, que foi ministro dos Transportes nos governos de Costa e Silva e Médici; e os municípios de Governador Jorge Teixeira e Teixeirópolis, em homenagem ao coronel Jorge Teixeira, primeiro governador de Rondônia.  

Por que os outros municípios não possuem essa mesma característica de nomes?

Os outros municípios do Estado receberam nomes originais, não existindo a necessidade de adaptação. Quanto a isso, Sandro explica: “A ocupação agrícola foi absolutamente determinante e a nomeação das sedes municipais teve as mais diferentes motivações, desde a homenagem a membros da Comissão Rondon, como é o caso de Vilhena, passando por referências a termos e grupos indígenas, como Ariquemes, Cabixi e Chupinguaia, ou a culturas agrícolas, como o cacau, lembrando nos nomes dos municípios de Cacoal, Cacaulânida e Theobroma”.

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Portal Amazônia responde: o que é comida ‘remosa’?

Um estudo buscou promover uma revisão bibliográfica sobre o tema e propor uma hipótese teórica para o fenômeno.

Leia também

Publicidade