Manaus 30º • Nublado
Sábado, 02 Março 2024

Inseto de um milímetro encontrado apenas em caverna do Pará já está em extinção

Um inseto de um milímetro, sem olhos e com seis pernas, é encontrado dentro de uma única caverna no interior do Pará. Longe do senso comum, pesquisadores brasileiros estão mobilizados para a preservação do Troglobius brasiliensis, ainda sem nome popular, que está criticamente ameaçado de extinção.

A ação para manter o inseto (inofensivo ao ser humano) em uma rocha na Caverna do Limoeiro (o único registro em todo o mundo), em Medicilândia (PA), vai além das paredes da caverna e tem potencial de sensibilizar comunidades para o respeito ao meio ambiente. Nas expedições, os cientistas ficaram agachados por horas em busca de encontrar o inseto.

"O animal existe, tem direito de continuar existindo e está intimamente associado ao processo de ciclagem de nutrientes no solo (da caverna)",

afirma o professor Douglas Zeppelini, da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB).
Foto: Reprodução/ Acervo IDEFLOR-Bio
Ele explica que o bichinho, registrado pela primeira vez há 25 anos, alimenta-se de detritos e transforma a matéria orgânica em decomposição, mantendo o ciclo natural para a riqueza do solo.

O trabalho de preservação do Troglobius brasiliensis é do Plano de Ação Territorial para Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção do Território Xingu (PAT Xingu), com o trabalho de pesquisadores do projeto 'Pró-Espécies: Todos contra a Extinção'.

A ação é coordenada pelo Ministério do Meio Ambiente e Mudança do Clima (MMA) e pretende gerar iniciativas para reduzir as ameaças e melhorar o estado de conservação de pelo menos 290 espécies categorizadas como Criticamente em Perigo.

"Com as expedições recentes, conseguimos coletar novos dados sobre essa espécie e observamos que o bicho está dentro de uma cadeia alimentar de organismos. Imagine que todos os indivíduos da espécie inteira habitam uma localidade em um único ponto",

explica.

Segundo os pesquisadores, a caverna está bem conservada e conta com a consciência dos donos da fazenda. "A gente se sente muito privilegiada depois dessas descobertas, já que a fazenda está bem conservada", diz a fazendeira Rosane Gotardo. 

Ela espera que as pessoas na região fiquem mais bem informadas sobre a novidade e que existam mais recursos para proteção do local. 

Políticas públicas 

O professor Douglas Zeppelini entende que seria necessária uma unidade de conservação, também levando em conta que os proprietários colaboram para preservação da região. "Nós coletamos o material de pesquisa em três expedições para fazer o levantamento". 

O pesquisador defende que existam políticas públicas para preservar os animais ameaçados de extinção. 

Foto: Reprodução/ Acervo IDEFLOR-Bio

Ele lembra que, além do Troglobius brasiliensis, os pesquisadores encontraram um pseudoescorpião predador. Uma mostra, segundo ele, de que o ecossistema da caverna está funcionando perfeitamente. "São duas espécies que ocupam diferentes níveis na cadeia alimentar", explica.

Sensibilização 

A coordenadora do PAT Xingu, Nívia Pereira, pesquisadora do Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Pará (Ideflor), também defende que é necessário garantir visibilidade para mudar a realidade de espécies ameaçadas, o que inclui levar as histórias para diferentes públicos, como é a escola, por exemplo. "Conscientizar ou sensibilizar a comunidade está entre os objetivos. Percebemos que a caverna do Limoeiro, entre todas que a gente visitou, tem o entorno mais conservado. Há uma fauna que entra e sai da caverna", comenta.

A área do plano tem contexto de dificuldades, incluindo incidência de desmatamento, avanço agrário e garimpo: "O plano contempla a preservação de oito espécies e já tivemos resultados muito interessantes". Além das expedições, os pesquisadores têm como prioridade a educação ambiental. É esse aprendizado que fascina os pesquisadoras que precisa chegar às crianças em uma aula prática de meio ambiente, saúde e educação. 

Foto: Reprodução/ Acervo IDEFLOR-Bio

A bióloga Tayane Accordi, da Secretaria de Meio Ambiente de Medicilândia, defende que é importante para a cidade a parceria com o plano Pat Xingu, a fim de promover a proteção das espécies na cidade, com ênfase no Troglobius, que é o mais sensível. A conscientização sobre a novidade é trabalhada na escola. "Promovemos campanhas de educação ambiental nas escolas e, em breve, vamos implementar com algumas das metas do plano", diz.

Potencial de cavernas 

Para o analista ambiental Daniel Mendonça, do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMbio), que atua na pesquisa e conservação de cavernas, pode haver interesse turístico em regiões como essa.

A lógica é simples: ao garantir visibilidade para os animais, maior seria o interesse de conservar. "Que mais cavernas possam ter planos para o turismo ocorrer de forma sustentável". As instalações têm custos como escadaria, rampa e outras estruturas, mas que devem ser feitas com planejamento.

Foto: Reprodução/ Acervo IDEFLOR-Bio
Mendonça explica que a Constituição Federal considera as cavernas como bem da União e que devem ter proteção máxima. Para ele, há um mundo de descobertas em estruturas naturais de fauna e flora. Hoje o Brasil tem, registradas e conhecidas, aproximadamente 23.500 cavernas.

Há estimativa de mais de 150 mil. A caverna do Limoeiro tem 1,5 mil metros de extensão.

"Quanto mais mapear, maior a chance de proteger também. Na verdade, é desaconselhável que se entre em uma caverna que não se conhece sozinho. Sempre é um ambiente de risco",

alerta.

Veja mais notícias sobre Meio AmbientePará.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sábado, 02 Março 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/