Sidebar Menu

Manaus 30º • Nublado
Sábado, 12 Junho 2021

Com florestas transformadas em pastagens, Belterra registra aumento histórico de temperatura

Estudo da Embrapa Amazônia Oriental, em colaboração com vários centros de pesquisa brasileiros, entre eles, a Universidade Estadual Paulista e a Universidade Federal de Viçosa mostra que temperaturas mínimas do município de Belterra, no Pará, foram as mais altas dos últimos 30 anos. A mudança no clima da região pode estar relacionada à transformação de áreas florestais em pastagens, segundo explica o artigo publicado na Revista Brasileira de Meteorologia.

Os pesquisadores queriam avaliar o impacto do ecossistema da Floresta Nacional de Tapajós na temperatura do ar do município de Belterra, que fica próximo a essa unidade de conservação. 

Para isso, eles analisaram os dados meteorológicos disponibilizados pelo Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), focando-se na temperatura média de dois períodos: de 1961 a 1990, quando a Floresta Nacional de Tapajós já existia, e de 1981 a 2010, momento de instalação do polo de grãos no município. A análise permitiu aos pesquisadores estabelecer tendências meteorológicas desses 30 anos, além de apontar anomalias e possíveis relações com eventos climáticos extremos.

Foto: Unsplash

De 1981 a 2010, os valores da temperatura média subiram 0,8ºC durante os meses de agosto a dezembro, passando de 25,2ºC para 26ºC. As temperaturas mínimas, registradas nas primeiras horas da manhã, passaram de 20,4º, no começo deste período, para 21,2ºC. As manhãs dos meses de outubro e novembro de 1981 a 2010 foram as mais quentes dos últimos 30 anos, segundo as análises.

Ao registrar aumentos de temperatura na região, os pesquisadores chamam atenção para a diminuição de efeitos de serviços do ecossistema da Floresta Nacional de Tapajós. 

Os benefícios obtidos da natureza, como alimentos, água potável, formação de solo e regulação do clima não estão conseguindo chegar a municípios próximos, como é o caso de Belterra.

Uma das explicações para essa mudança no microclima da região está na implantação do polo produtor de grãos no oeste do Pará, em 2000. 

"Os processos de preparo do solo, por exemplo, dispersam partículas para a atmosfera, contribuindo para a formação de nuvens e impedindo a condução do calor para a atmosfera. Isso possivelmente contribui para o aumento das temperaturas mínimas nas madrugadas em Belterra", explica Lucas Eduardo de Oliveira Aparecido, coautor do estudo.

A perda de área florestal, com a sua transformação em pastagens, também favorece esse aumento de temperatura, já que as árvores são responsáveis por atuar no ciclo de resfriamento do ar. 

O desmatamento, que atingiu um de seus piores índices na região, segundo dados do Instituto de Pesquisas Espaciais (Inpe) com perda de área equivalente a 58 mil campos de futebol somente em abril de 2021, provoca a liberação de carbono para a atmosfera, contribuindo também para o aumento das temperaturas.

A pesquisa chama atenção para o valor das unidades de conservação como a Floresta Nacional de Tapajós e da necessidade de se fazer políticas públicas para preservá-las. Para Lucieta Guerreiro Martorano, uma das autoras do estudo, essa atuação passa por conscientizar gestores para o uso adequado de recursos naturais, com base em indicadores de sustentabilidade, e incentivo a produtores que adotam práticas de manejo sustentáveis, como plantio direto na palha ou roça sem queima.

"Se os produtores rurais na Amazônia não receberem apoio de políticas públicas que incentivem a mudança desse paradigma – de que áreas com floresta não prestam bens e serviços à sociedade – os problemas relacionados à perda dessas áreas se perpetuarão", conclui a pesquisadora.

Veja mais notícias sobre AmazôniaMeio AmbientePará.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Domingo, 13 Junho 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/