Sidebar Menu

Manaus 30º • Nublado
Sábado, 24 Outubro 2020

Agroextrativistas do Marajó garantem renda com frutos da floresta

up_ag_21742_cc526d1d-f244-f75c-ebf8-55ad344ed93f

Extrativistas do município de Afuá, no arquipélago do Marajó, assistidos pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater) há uma década, e que moram as margens do rio Araramã, distante pouco mais de 1h do centro da cidade, coletaram mais de 25 toneladas de murumuru e ucuuba, frutos comuns na região, de onde se extrai amêndoas que são muito utilizadas por empresas de cosméticos. Ao todo, são 35 famílias e todas fazem parte da Associação Agroextrativista do Rio Araramã, com orientação direta da Emater.

Murumuru e ucuuba. (Foto:Ascom/Emater)

Há quatro anos, toda a produção coletada pelos extrativistas é comercializada para uma grande empresa que atua no setor de produtos cosméticos, o que gera uma renda extra entre R$ 4 e R$ 7 mil para cada uma das 35 famílias atendidas. A produção deste ano será comercializada na próxima semana.

Alfredo Rosas Netto, engenheiro agrônomo e chefe local da Emater no município, explica que o período da coleta e secagem dos frutos dura em média seis meses e que todos os extrativistas assistidos trabalham também com as culturas do açaí, mandioca, melancia, banana e milho. "Tanto o murumuru quanto a ucuuba complementam a renda dessas famílias, com a venda direta dos frutos para empresas de beneficiamento, que extraem as amêndoas para coleta de óleos. Em alguns casos, é a única renda, portanto, a atividade tem sido de fundamental importância", explicou.

A Associação Agroextrativista do Rio Araramã está em processo de mudança para se tornar, até final de setembro, uma cooperativa – a Ouro Verde do Rio Araraman. Os extrativistas recebem também apoio direto da Emater na comercialização dos seus produtos para o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae).


Crédito

Patauá. (Foto:Ascom/Emater)

Alguns extrativistas já foram beneficiados com financiamentos de projetos de crédito como o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) nas linhas "B" e "Floresta".

Ainda em relação aos frutos colhidos pelos extrativistas na floresta, o escritório local da Emater no município iniciará conversa com a empresa de cosméticos para que seja feito o mapeamento das árvores que dão origem a outro fruto, o patauá. Até dezembro, segundo dados da Emater, os associados devem comercializar mais de 85 toneladas, para a mesma rede parceira.

"O objetivo é mapear a quantidade de árvores de patauá no município e também as que estão localizadas na propriedade de cada um dos extrativistas da comunidade Araramã", diz Alfredo Rosas Netto.

A extrativista Meriana Costa, que mora há 29 anos na comunidade Araramã, explica que o trabalho com as sementes está sendo significativo e que a renda extra gerada pela comercialização tem mudado a realidade dos que moram na localidade. "São quatro anos trabalhando com a atividade e posso dizer que a vida da família está mudando aos poucos, para melhor: é mais qualidade de vida".

Sobre o apoio da Emater, Meriana comenta que "a instituição cumpre seu papel no município e na comunidade com maestria, sempre ao lado dos extrativistas, seja na internalização de projetos de créditos e também no apoio de comercialização de produtos", explica.

Veja mais notícias sobre Meio AmbienteParáSustentabilidade.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Domingo, 25 Outubro 2020

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/