Manaus 30º • Nublado
Segunda, 27 Junho 2022

Em Boa Vista, Hospital da Criança conta com bloco exclusivo para atendimento às famílias indígenas

O Hospital da Criança Santo Antônio segue sua missão de oferecer um atendimento de qualidade a todos, de forma igualitária, inclusive respeitando a cultura e as tradições. E sendo o único do Estado de referência em saúde infantil, conta com uma ala especial (o Bloco G) dedicada a atender os povos indígenas, de uma maneira bastante distinta.

A unidade hospitalar é a única do estado de referência em saúde infantil, com uma ala especial de atendimento aos povos indígenas. Foto: Welika Matos/Semuc/PMBV

O bloco tem capacidade de internação de 28 pacientes e lugares para redário, contando com banheiros adaptados aos costumes das famílias indígenas, além de 4 leitos berço respiratório. Cerca de 60% da equipe médica desse espaço já trabalharam com a saúde indígena pelo DSEI Leste ou Yanomami, o que representa mais facilidade no atendimento.

A coordenadora do bloco e também enfermeira, Alexsandra Kisseloff sempre trabalhou com a saúde indígena e reconhece a importância desse espaço especial. "Ter um hospital que corresponde em atendimento de qualidade é maravilhoso. Pois a cultura e as tradições dos povos, como é o caso dos yanomami, são valorizadas e preservadas" disse.

O Hospital da Criança oferece alimentação diferenciada aos pacientes indígenas, de acordo com seus costumes. Foto: Welika Matos/Semuc/PMBV

Além disso, as crianças têm uma alimentação adaptada, sendo a maior parte do cardápio preparada de acordo com os costumes. "A alimentação deles é seca, com proteína peixe ou frango, farinha d'agua, arroz. Alguns até trazem a própria farinha e beiju. Eu autorizo essa entrada, pois eles aceitam repor vitaminas através de sucos e frutas. Conseguimos que as crianças também se alimentem de mingau", explica a nutricionista Thays Muniz.

Dentro do hospital, a cultura é tão importante que até é liberada a entrada de curandeiros das comunidades, como forma de ajudar na recuperação das crianças. "Esse espaço é um hospital, mas também sabemos respeitar tradições, culturas. Os indígenas podem sim ter essas pessoas cuidando de suas crianças, além da equipe médica disponível 24h", ressaltou Alexsandra Kisseloff.


Veja mais notícias sobre Especial Publicitário.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Segunda, 27 Junho 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/