Sidebar Menu

Manaus 30º • Nublado
Sexta, 10 Julho 2020
chatbot-health-tech

Projeto de estudantes amazonenses é finalista em Feira Brasileira de Jovens Cientistas

As alunas do terceiro ano do ensino médio no Colégio Martha Falcão, Maria Tereza Lobato Kauffman e Sofia Gabrielli Lopes Maricaua, são responsáveis por um estudo inédito que tem como objetivo desenvolver um filtro utilizando as fibras lignocelulósicas do açaí para realizar o controle da qualidade do ar no Amazonas. A pesquisa acaba de se tornar finalista da Feira Brasileira de Jovens Cientistas, primeira feira de ciências online para jovens do nosso país.

"Estamos muito felizes por termos conseguido chegar a essa etapa da Feira Brasileira de Jovens Cientistas, pois ela tem relevância internacional. O evento está previsto para acontecer no próximo mês, entre os dias 26 e 28", disse Maria Tereza.

A feira será totalmente virtual e foi criada por jovens que participaram das maiores feiras de ciências do Brasil e do mundo para democratizar ainda mais o acesso a eventos científicos para estudantes de todo o país. Palestras de cientistas brasileiros renomados, além de workshops e uma maratona de inovação fazem parte da programação do encontro.

Foto: Shutterstock/Portal Amazônia

Impacto positivo

O experimento surgiu com a preocupação das alunas com os impactos gerados com a poluição ambiental, levando em conta que, em Manaus, a concentração de poluentes é duas vezes maior que os níveis toleráveis pela Organização Mundial da Saúde (OMS). As queimadas e desmatamentos estão entre as principais causas da poluição do ar no Amazonas.

"A nossa idéia desde o início era desenvolver algo que trouxesse um impacto positivo na nossa região", comenta a aluna Maria Tereza. Desde o ano passado, as alunas já planejavam a produção do artigo científico sobre a utilização das fibras da fruta típica da amazônia.

Elas recebem orientação do professor de química do Martha Falcão, Denis de Freitas Castro, que possui mestrado em Engenharia de Recursos Naturais da Amazônia pela Universidade Federal do Amazonas (Ufam). .

"Durante uma pesquisa para a produção da tese, observei que haviam muitos trabalhos com água, mas de ar atmosférico quase nenhum", recorda o professor. Com as alunas, ele estuda a possibilidade de fechar parcerias com a universidades para o projeto.

Com a ajuda do professor, as jovens mostraram que, além do seu sabor exótico, amplamente utilizado no preparo de bebidas, sorvetes, geléias e doces, o açaí também é uma alternativa barata e biodegradável para criar um protótipo de um filtro utilizando as fibras do fruto, que resulta em um papel sustentável que servirá para avaliar os poluentes do ar.

"Lembrando que o consumo da fruta no Amazonas é elevadíssimo e, normalmente, essas fibras agregadas ao caroço do açaí são descartadas em lixo, então com a fabricação dos filtros, elas serão reaproveitadas para a produção dos filtros que serão utilizados ao longo da pesquisa", conta o professor Denis Castro.

Os testes com os protótipos devem iniciar após a pandemia do Covid-19, na área do Polo Industrial de Manaus (PIM), para realizar a medição da emissão de monóxido de carbono pelas empresas, e também em lixões que utilizam as queimadas como tratamento desses resíduos.

Veja mais notícias sobre AmazonasEducação.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sexta, 10 Julho 2020

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/

No Internet Connection