Sidebar Menu

Manaus 30º • Nublado
Segunda, 10 Mai 2021

Fórum sobre contabilidade e tecnologia digital é realizado em Manaus

MANAUS - O Fórum  'Sped:  A contabilidade na Amazônia  conectada à tecnologia digital' será realizado nesta quinta-feira (1º) e na sexta (2), em um auditório  da  Universidade Nilton Lins, no Parque das Laranjeiras, em Manaus. O evento de, iniciativa do Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas do Estado do Amazonas (Sescon-AM), é voltado a empresários, estudantes e profissionais da contabilidade.

Verão mantém setor de condicionadores de ar em alta no Polo Industrial de Manaus



MANAUS
- Na contramão da crise que vem, mês após mês, derrubando a produção de diversos setores do Polo Industrial de Manaus (PIM) a fabricação de condicionadores de ar vem registrando alta ano após ano. De acordo com os Indicadores Industriais da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa), de janeiro até julho de 2015, por exemplo, foram produzidas 463,4 mil unidades do modelo janela nas unidades fabris do Amazonas, contra 346,2 mil no mesmo período de 2014, números que representam um incremento de 33,84% na produção.Seguindo a tendência de alta, a produção de aparelhos Split também cresceu, saltando de 1,86 milhão nos sete primeiros meses de 2014 para 1,99 milhão até julho de 2015. Mas apesar dos números positivos, os empresários do setor, assim como todo o setor industrial do país, estão apreensivos em relação à crise política e econômica do país. De acordo com Lourival Kiçula, presidente da Eletros (Associação Nacional dos Fabricantes de Eletrodomésticos e Eletrônicos), apesar das temperaturas recordes registradas no país, o aumento na produção dos condicionadores de ar não reflete um incremento nas vendas destes produtos. Segundo ele, a alta é consequência do acúmulo de estoques de matéria-prima. Agora, após o escoamento dos produtos finais acabados, a previsão é de diminuição no ritmo de produção. “Temos que cumprir os PPBs, então temos prazos a cumprir. Tínhamos grandes estoques de matérias-primas e, por isso, fomos fazendo os produtos. Parte deste estoque se acumulou por conta da crise e parte foram previsões feitas. Agora vamos ficar parados até o verão chegar novamente aqui (no sudeste)”, explicou.
Setor em queda Diante deste cenário, e com a crise econômica do país, o presidente da Eletros admite que mesmo após as boas vendas no início do ano, a projeção do setor é fechar em queda em relação ao ano passado tanto na produção como na venda de aparelhos de ar-condicionado. Para ele, nem mesmo a chegada do verão poderá alavancar os números. “Se houver um calor bastante considerável podemos fechar o ano com um volume de vendas superior ao ano passado. Já os fabricantes da nossa indústria não estão pensando em aumento de produção. Estamos com demissões, diminuição de pessoal. Como em todos os outros setores da indústria estamos vivendo um momento complicado. Seria bom se houvesse uma mudança. Com a alta do dólar, alguns componentes dobraram de preço. Por isso há que se ter preocupação com o futuro. Outubro, novembro e dezembro são meses de boas vendas. Espero que a gente consiga vender”, afirmou.
AM não é comprador
Mesmo com o tempo quente durante todo o ano, Manaus não representa um grande volume de vendas de condicionadores de ar. Lourival Kiçula explica que os principais destinos dos produtos fabricados no PIM são os Estados do Rio de Janeiro e São Paulo. “O Amazonas, evidentemente usa muito o arcondicionado, mas o restante do Brasil é responsável por mais de 90% das vendas”, justificou.
Em 2014, foram fabricadas 869.730 unidades de condicionador de ar de janela ou de parede de corpo, o que representou um faturamento de R$ 598,31 milhões (US$ 250,11 milhões), segundo dados da Suframa. Já os modelos Split faturaram no ano passado R$ 3,82 bilhões (US$ 1,60 bilhão) com 4,63 milhões de unidades produzidas.

Sistema de transporte hidroviário no Amazonas é discutido em seminário

MANAUS - Durante três dias, o 9º Seminário de Transportes e Desenvolvimento Hidroviário Interior vai discutir assuntos como: eficiência energética em embarcações fluviais e aspectos ecológicos e ambientais relacionados ao desenvolvimento do setor. Além disso, a formação de mão-de-obra também será discutida. O evento está marcado para acontecer de 6 e 8 de outubro.Com o patrocínio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (FAPEAM), a Sociedade Brasileira de Engenharia Naval (Sobena), o evento  visa promover um debate acerca da engenharia naval brasileira, contribuindo assim para o desenvolvimento de um transporte hidroviário de cargas e passageiros eficiente e seguro, respeitando o meio ambiente, por meio do estímulo e da disseminação de estudos tecnológicos do setor. As inscrições encerram nesta quarta-feira (30).
Foto: Reprodução/Poder Naval
A organização do Seminário pretende alcançar cerca de 400 participantes. A discussão é voltada para armadores, estaleiros, companhias de navegação, empresas de logística, pesquisadores, órgãos governamentais da área de transporte hidroviário e de fomento, Marinha do Brasil, sociedades classificadoras, universidades e estudantes.
Durante os três dias de evento serão expostos painéis sobre o tema e haverá sessões técnicas abordando assuntos como: Eficiência Energética em Embarcações Fluviais; Aspectos ecológicos e ambientais relacionados ao desenvolvimento hidroviário; Formação de mão-de-obra; dentre outros. As sessões técnicas ocorrerão sempre pelo turno da manhã. A programação ainda contará com 12 palestras.
Inscrições
As inscrições para o 9º Seminário terminam nesta quarta-feira (30). Para participar, o interessado deve acessar o site da Sobena, preencher o formulário e emitir o boleto para a efetuação da taxa de pagamento da inscrição que varia entre R$ 50 e R$ 350. Para associados, o evento não cobrará quaisquer taxas. O Seminário acontece no Hotel Intercity Premium Manaus.
Sobena
A Sociedade Brasileira de Engenharia Naval (Sobena) é uma sociedade técnica sem fins lucrativos, atuando há 53 anos no setor naval, marítimo e aquaviário brasileiro, com reconhecida independência e excelência técnica. A Sobena realiza congressos, seminários e reuniões técnicas, entre outras atividades, sempre visando o desenvolvimento da engenharia naval brasileira, comprometida com a preservação ambiental e com o marcos legais.

Empreendedores de Manaus recebem capacitação para Movimento Compre do Pequeno



MANAUS -
 Preparar os empreendedores das galerias populares de Manaus, através de ações promocionais e palestras gratuitas sobre vendas e atendimento, está na agenda do Serviço Brasileiro de Apoio as Micros e Pequenas Empresas no Amazonas (Sebrae-AM) em parceria com a Subsemch (Subsecretaria Municipal do Centro Histórico). Na próxima quarta-feira (30), acontece o acompanhamento aos comerciantes dos shoppings populares Espírito Santo e Galeria dos Remédios, ambos no Centro da cidade, mais os empreendedores do Mercado Municipal Adolpho Lisboa, Praça de Artesanato Tenreiro Aranha, camelódromo da rua Floriano Peixoto e Feira do Artesanato da Ponta Negra.
As ações visam convocar e conscientizar a sociedade e os comerciantes para o Dia Nacional da Micro e Pequena Empresa que acontece no dia 5 de outubro, explica o diretor superintendente do Sebrae no Amazonas, Aécio Flávio. “É um dia para valorizar, incentivar, priorizar e comprar os serviços e produtos das micros e pequenas empresas e dos empreendedores individuais, segmentos da economia que empregam mais de 50% da população”, ressalta o diretor.

Os pequenos negócios representam 27% do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro e geram 52% dos empregos formais no Brasil. Foto: Karla Vieira/SemcomCom números expressivos e significantes para a economia brasileira, os pequenos negócios representam a entrada de muitos no mercado como geradores de emprego e renda. “Os 10 milhões de MEIs e MPEs representam 27% do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro e geram 52% dos empregos formais do país e muitas vezes primeiro emprego e empresa para muitos, é hora de valorizar esse segmento, mobilizando a sociedade para fortalecer a economia brasileira comprando de quem faz a economia girar”, conta o superintendente. Ainda no dia 5, o Sebrae aproveita a data para iniciar o Movimento Compre do Pequeno Negócio, campanha que desde o lançamento tem tido adesão de diversos comerciantes. “O Movimento Compre do Pequeno Negócio é uma iniciativa do Sebrae em todo o Brasil e queremos mobilizar todas as pessoas para incentivar o pequeno negócio, mostrando que esse ato vai beneficiar todas as pessoas e principalmente a nossa economia, que precisa retomar o rumo do crescimento”, destaca Aécio Flávio. A importância dos micros e pequenos é salientada pelo diretor. “Nós, do Sebrae, temos a convicção de que o pequeno negócio é uma das principais alternativas para combater momentos econômicos como este que estamos vivendo”, resume.
Adesão
As campanhas do movimento já estão em rádios, TVs, internet e outdoors desde agosto e vem ganhando adesão da sociedade e dos comerciantes que procuram cadastro junto ao Sebrae. “Até a semana passada tínhamos cerca de 510 cadastrados de uma meta de mil.
Marca que vamos ultrapassar com facilidade, já que, só com a parceira com a prefeitura serão mais 600, que até o dia 4 de outubro passarão pela capacitação”, comenta Aécio Flávio, que ressalta a parceria com a prefeitura. “Reforçamos a legitimidade e importância do Movimento, levando benefícios aos empreendedores que atuam no Centro de Manaus, favorecendo uma melhoria no ambiente de compras e comércio da cidade”, conclui.
A busca por mais visibilidade e capacitação foi o que levou a proprietária da microempresa Dona Pimenta Geleias Artesanais, Ana Rosa Fernandes, a aderir ao Movimento. “Soubemos do programa pela TV e o motivo pelo qual nos inscrevemos foi saber do grande incentivo que o Sebrae dá aos micros e pequenos empreendedores. Estar ligada ao Movimento ainda pode trazer visibilidade para os nosso produtos, uma coisa que precisamos por sermos novos e pequenos”, finaliza Ana Rosa.
Além do Centro da cidade Mais parcerias foram fechadas como Sebrae para levar o Movimento Compre do Pequeno Negócio a outros bairros da cidade. No shopping Manaus ViaNorte (no Nova Cidade, zona Norte), serão realizadas duas exposições vinculadas ao Movimento. De 5 a 11 de outubro ocorre a exposição e venda de produtos de artesanato e entre os dias 5 e 7 acontece o Empório do Agronegócio, onde o visitante poderá comprar diversos produtos alimentícios regionais. Aderindo ao Movimento também, a Associação dos Empresários do Vieiralves realiza nos dias 3 e 4 de outubro, o Espaço Gourmet, evento voltado ao público infantil, que objetiva divulgar as ações das PMEs e MEIs.
Mais informações
Todas as informações sobre o evento estão no site do Movimento Compre do Pequeno Negócio e as dúvidas podem ser retiradas através do telefone 0800 570 0800. No site o empreendedor pode cadastrar gratuitamente sua empresa e passar a receber informações e ter sua empresa divulgada em nível local e nacional.

Produção de café conilon cresce 15,7% em Rondônia


Foto: ShutterstockPORTO VELHO - O Brasil é o principal produtor e o maior exportador mundial de café e deverá colher 42,15 milhões de sacas de 60 quilos de café beneficiado este ano, de acordo com a estimativa para a safra 2015 das espécies arábica e conilon. Rondônia é o segundo maior produtor do País e apresenta ganho de produção de café conilon.O Estado é o quinto maior produtor de café do Brasil e o segundo maior produtor de robusta. Apesar da área de parque cafeeiro sofrer redução, cedendo espaços, principalmente para as pastagens, as condições climáticas se foram favoráveis durante todo o ciclo da cultura. A adoção de tecnologias, introdução de café clonal com material genético de melhor qualidade nas lavouras entre outros fatores também são apontados como responsáveis por estes bons resultados.A produção do café em Rondônia conta com a participação de 22 mil produtores, a maioria de base familiar. A estimativa de colheita é de 1.709,9 mil sacas de café do grupo conilon, ou seja, 15,7% acima da obtida em 2014 (1.477,3 mil sacas). Isto representa um incremento de 232,6 mil sacas. Nesse mesmo período, a produtividade passou de 17,18 para 19,51 sc/ha. Este aumento está relacionado à retomada de investimentos, maiores empregabilidades de tecnologia, insumos, tratos culturais, mudas clonais e assistência técnica. As potencialidades que a cultura do café apresenta vêm promovendo ações que buscam sustentabilidade frente aos mercados nacionais e internacionais, de forma que a retomada do aumento médio da produtividade contribui com a redução do custo de produção e melhora a competitividade de mercado. O café é a cultura mais difundida no Estado de Rondônia, uma das principais fontes de renda das famílias da zona rural. O cultivo do café robusta é feito em pequenas glebas. Cerca de 90% da área cafeeira é plantada com a espécie robusta, sendo a cultivar conilon utilizada em aproximadamente 95 % das propriedades.
Colheita brasileira Para o cenário brasileiro, o resultado, em período de baixa bienalidade da cultura, representa redução de 7% em relação à produção de 45,34 milhões de sacas obtidas em 2014. É o que indica o terceiro levantamento, divulgado nesta terça-feira (29) pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). O estudo foi realizado entre os dias 2 e 15 do mês passado.Em relação ao levantamento de 44,28 milhões de sacas, divulgado em maio, observa-se uma redução de 4,8%, o que corresponde a menos 2,1 milhões de sacas. Essa se deve, principalmente, à queda na carga produtiva de café em coco, mensurada por ocasião da colheita, além da redução no rendimento do café no beneficiamento.ÁreaCom relação à área total plantada no país (espécies arábica e conilon), o levantamento apura que totaliza 2.246,7 mil hectares, 0,4% inferior à da safra passada e corresponde à redução de 8.455,6 hectares. Desse total, 316,6 mil hectares (14,1%) estão em formação e 1.930,1 mil hectares (85,9%) estão em produção. 

Comércio de Manaus dever ofertar 3 mil vagas de emprego no fim do ano

MANAUS - O setor comercial deve ofertar cerca de 3 mil vagas de emprego temporário, no final deste ano, na capital amazonense. De acordo com o presidente da Câmara de Dirigentes Lojista de Manaus (CDL Manaus), Ralph Baraúna Assayag, as vagas são referentes ao número extra de emprego. Ainda de acordo com ele, as contratações vão depender do aquecimento das vendas.

Prazo para pagar última taxa do Alvará 2015 termina nesta quarta em Manaus

MANAUS - Os empreendedores da capital amazonense têm até quarta-feira (30) para pagar a quinta e última parcela da Taxa de Verificação de Funcionamento Regular, o Alvará 2015, sem juros e multa de mora. Para ter acesso às guias de pagamento do Alvará, o contribuinte deve acessar a página da Semef Atende na internet (https://semefatende.manaus.am.gov.br). Outras informações podem ser obtidas por meio do Call Center, discando 156.
Foto: Robervaldo Rocha/Semef

Faturamento do Polo Industrial de Manaus cai 8% em sete meses



MANAUS
- O Polo Industrial de Manaus (PIM) iniciou o segundo semestre com queda de 7% no faturamento em relação ao mesmo período de 2014. Segundo informações divulgadas da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa), no mês de julho, o faturamento das indústrias incentivadas pelo modelo ZFM somou um total de R$ 6,051 bilhões (US$ 1.877 bilhão). Já na comparação em dólar a queda foi ainda maior: 35,81%.No acumulado dos sete primeiros meses de 2015, o faturamento do PIM foi de R$ 43,883 bilhões (US$ 14.675 bilhões), o que indica uma queda de 8,21% (29,81% nos valores em dólar) na comparação com o período de janeiro a julho de 2014.
De acordo com a autarquia, a queda no faturamento global do PIM está ligada principalmente ao desempenho do setor Eletroeletrônico (inclusive Bens de Informática), o qual responde, tradicionalmente, por cerca de 40% dos níveis de faturamento, investimento e empregos no Polo. Entre janeiro e julho de 2015, o segmento eletrônico registrou faturamento de R$ 20,146 bilhões, o que representa diminuição de 16,9% em relação ao mesmo período de 2014 (R$ 24,246 bilhões). Na comparação do acumulado dos sete primeiros meses deste ano com o mesmo período do ano passado, o Polo Eletroeletrônico também apresentou diminuição na produção de seus itens mais representativos, como tablets (queda de 74,42%), telefones celulares (queda de 32,72%) e televisores com tela de cristal líquido (queda de 28,14%). Para o presidente Sindicato da Indústria de Aparelhos Elétricos, Eletrônicos e Similares de Manaus (Sinaees) e presidente do Centro das Indústrias do Estado do Amazonas (Cieam), Wilson Périco, o decréscimo nas vendas de eletrônicos no semestre já era esperado. A crise e a Copa do Mundo do ano passado seriam os motivos. “Não é novidade. (A queda) é reflexo da situação que o país atravessa, da falta de confiança do consumidor. Ninguém está comprando. Além disso, o comparativo também ajuda ainda mais a derrubar os números. Ano passado tivemos Copa do Mundo, quando boa parte das compras foi feita durante este período do ano. Por isso, a comparação com este ano, que não tivemos este advento, fica ainda mais dramática”, explicou.
Ainda segundo a Suframa, em 2014, como com R$ 42,8 bilhões (US$ 18.2 bilhões) em faturamento, o setor Eletroeletrônico (incluindo os Bens de Informática) representou quase metade (49,26%) do faturamento total do PIM em 2014, que foi de R$ 87,2 bilhões (US$ 37 bilhões). Isolado, o setor de Informática representou 16,51% do total faturado no Polo Industrial, desempenho nunca registrados nos Indicadores, superando inclusive o setor de Duas Rodas, que faturou R$ 13,6 bilhões (US$ 5.8 bilhões) ou 15,71% do total. Para o presidente do Sinaees a tendência de queda deverá se manter até o fim de 2015, derrubando o desempenho anual do setor em relação ao ano passado. “A expectativa para o ano é de queda. Teremos um 2015 pior que 2014. Não há nenhum indicativo que nos faça acreditar que haverá uma melhoria”, justificou Périco. Outros setores registram alta Outros setores representativos do PIM, no entanto, apresentaram resultados positivos no acumulado de janeiro a julho de 2015. Casos do Polo de Duas Rodas (faturamento de R$ 7,815 bilhões e crescimento de 0,85%), Relojoeiro (faturamento de R$ 714,758 milhões e crescimento de 4,93%) e Químico (faturamento de 5,88 bilhões e crescimento de 5,01%). Entre os principais produtos fabricados no PIM, o maior destaque no acumulado dos sete primeiros meses de 2015 foram os aparelhos condicionadores de ar. A produção de 1.991.404 unidades de condicionadores do tipo split system e de 463.468 unidades de condicionadores do tipo janela representou crescimentos de 6,95% e 33,84%, respectivamente, em relação ao mesmo período de 2014.
Empregos
De acordo com os números da Suframa, a mão de obra empregada do PIM totalizou, em julho, 101.593 trabalhadores, entre temporários, terceirizados e efetivos. O indicador apresenta queda de 2,76% em relação ao mês imediatamente anterior (104.473 trabalhadores) e de 15,26% em relação a julho de 2014 (119.891 trabalhadores). Com os resultados apurados em julho, a média mensal de mão de obra do PIM em 2015 ficou ajustada em 110.513 trabalhadores, o que representa queda de 10,79% em relação à média mensal de trabalhadores em igual período do ano passado (123.886 trabalhadores).

Preço do açaí registra alta de 20% na Grande Belém

BELÉM - O preço do litro do açaí registrou alta acumulada de cerca de 20% na Grande Belém nos oito meses de 2015, de acordo com o Dieese/PA. Mesmo com o recuo de preço registrado em agosto, a alta no valor do açaí é superior a inflação. No mês de agosto, o açaí comercializado em feiras e supermercados da cidade apresentou queda de 4,72% em relação aos preços praticados no mês de julho. Esta foi a terceira vez este ano que este tipo de açaí apresentou recuo de preços.Segundo o Dieese/PA, a trajetória no preço do litro de açaí comercializado na Grande Belém nos últimos 12 meses não foi uniforme. O açaí do tipo médio foi comercializado, em dezembro de 2014, em média a R$ 14,70; o produto iniciou o ano de 2015 sendo vendido a R$ 16,32; em fevereiro custou R$ 17,61; em março foi vendido em média a R$ 19,32; em abril alcançou R$ 20,09; em maio manteve alta e foi comercializado a R$ 20,36; já em junho era encontrado a R$19,79; em julho o preço estava R$ 18,44 e no mês passado, agosto, foi comercializado em média a R$ 17,57.Os preços do litro de açaí são muitos diferenciados em função dos vários locais de vendas. Existem diferenças de preços entre as várias feiras e pontos de vendas espalhados pela cidade, bem como também entre os supermercados que comercializam o produto.Na última semana do mês de agosto, o litro do açaí do médio foi encontrado pelo Dieese/PA com os seguintes preços: nas feiras o menor preço praticado foi de R$ 12 e o maior R$ 14. Já nos supermercados, o menor preço encontrado foi de R$ 15 e o maior R$ 23.O açaí do tipo grosso também apresentou recuo de preços de 0,09% no mês passado em relação ao mês de julho. Em 2015, o reajuste acumulado neste tipo de açaí alcança quase 23%. O litro do açaí do grosso foi encontrado na última semana do mês de agosto nas feiras livres com o menor preço de R$ 18 e o maior a R$ 20.Já o açaí do tipo papa também apresentou uma queda de 0,43% no mês passado em relação a julho, sendo comercializado, em média, a R$ 23,25 o litro. No entanto, no ano de 2015, este tipo de açaí apresenta um reajuste acumulado de quase 25%.

Prazo para declarar Imposto Territorial Rural termina nesta quarta-feira

MANAUS - O prazo para declarar o Imposto Territorial Rural (ITR) 2015 termina nesta quarta-feira (30). Quem omitir declaração ou perder o prazo pode ser multado. A declaração deve ser enviada pelo site da Receita Federal. Neste ano, são esperadas 5,2 milhões declarações no país.Foto: Divulgação