Governo do Acre assina pacto de prevenção a incêndios e desmatamentos na Amazônia

O objetivo principal é de implementar "ações colaborativas e integradas de prevenção, preparação e combate aos incêndios florestais e demais formas de vegetação nativa”.

Em alusão ao Dia Mundial do Meio Ambiente, o governador do Acre, Gladson Cameli assinou um pacto com o governo federal que dispõe sobre o controle e prevenção de incêndios na Amazônia. O ato ocorreu no Palácio do Planalto, em Brasília (DF) e contou com a presença do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da ministra do Meio Ambiente, a acreana Marina Silva.

O pacto com o governo federal também inclui regiões como o Pantanal, que é impactado com queimadas e desmatamentos. Além disto, segundo o documento, o objetivo principal é de implementar “ações colaborativas e integradas de prevenção, preparação e combate aos incêndios florestais e demais formas de vegetação nativa”, uma vez que as mudanças climáticas estão impactando diretamente e, principalmente, nas regiões amazônicas.

Inclusive, no Acre, pouco mais de dois meses após o principal afluente do estado alcançar a segunda maior cota histórica e atingir mais de 70 mil pessoas com uma enchente devastadora, o manancial chegou a marca de 2,52 metros em maio, menor marca para o mês nos últimos cinco anos. A situação alerta para a possibilidade de um período de seca que, segundo especialistas, pode se antecipar e se tornar cada vez mais frequente em um menor espaço de tempo.

De acordo com Cameli, o Acre está preparado para contribuir na redução destes impactos e diz que “reafirma o compromisso do Acre com a agenda ambiental do governo federal, uma vez que temos a consciência da necessidade urgente de integrar nossas políticas públicas, garantindo, assim, a conservação da biodiversidade e a manutenção dos serviços dos ecossistemas”.

“Diante das crises climáticas já apresentadas na região amazônica e lamentavelmente vivenciadas pela população acreana, consideramos que a união entre todos nós é fundamental para prevenir e controlar o sistema ecológico da Amazônia e do Pantanal”, complementou.

Assinatura do pacto pela Amazônia contou com a presença dos governadores, da ministra Marina Silva e do presidente Lula. Foto: Pedro Devani/Secom AC

O governador destacou também a elaboração e implementação do Plano Estadual de Prevenção e Controle do Desmatamento e Queimadas no Acre (PPCDQ-AC), que está na terceira fase de publicação, aprovada pelo Decreto nº 11.372/23, bem como a assinatura do contrato de colaboração no âmbito do Fundo Amazônia, envolvendo o BNDES e o Ministério do Meio Ambiente, e que visa o desmatamento ilegal zero no estado.

Desmatamentos

Em 5 de julho do ano passado, considerando os dados de desmatamento ilegal, queimadas, incêndios florestais e degradação florestal nos últimos anos, o governo do Acre declarou situação de emergência ambiental em dez cidades do estado.

Naquele período, conforme o decreto publicado, a emergência declarada ficou em vigor entre os meses de julho a dezembro de 2023. Para a medida, o governo considerou os dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) que, segundo a publicação, apontam um aumento de 127% no desmatamento no Acre entre os anos 2018 e 2021, comparado com o quadriênio anterior.

O governo também levou em consideração as condições climáticas adversas, tais como estiagens prolongadas, altas temperaturas, ondas de calor, baixa umidade relativa do ar e intensos ventos, que favorecem as ocorrências de incêndios florestais.

Segundo um levantamento do MapBiomas Amazônia, apresentado na COP 28 em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, em dezembro do ano passado, o Acre é um dos locais que compreendem o “Arco do Desmatamento”, que se estende, além do estado, entre Pará, Mato Grosso e Rondônia, apontada como região de maior desmatamento na Amazônia Legal, e que teve avanço na conversão de florestas em pasto. O território compreende cerca de 14% do território explorado pela pecuária.

Conforme o mapeamento, a pecuária é o principal vetor do desmatamento em metade da América do Sul nos últimos 37 anos.

Uso da terra para pecuária cresceu em 442% entre 1985 e 2022 no Acre — Foto: Reprodução

*Com informações de G1 Acre

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Camu-camu é usado para enriquecer farinha de mandioca

Desidratados sob diferentes métodos tecnológicos, os resíduos agroindustriais de frutos de camu-camu, adicionados à farinha de mandioca, incrementaram significativamente os produtos finais.

Leia também

Publicidade