Manaus 30º • Nublado
Sábado, 21 Mai 2022

O centenário de um arauto

WhatsApp-Image-2022-01-17-at-14.16.45
O que dizer de Euro Tourinho? Sua trajetória longeva o justifica. Ele foi o dono do seu tempo e o viveu intensamente, com alegria e emoção. Caberia um filme. Por ora, há livros, trabalhos acadêmicos e outros textos apaixonados alusivos à saga do pantaneiro de Corumbá (MS) que se fez homem da Amazônia, enfronhado em Porto Velho.

Ah, além dos escritos sobre Euro, ele também inspirou nas belas artes. O pintor Mikeliton Alves, por exemplo, o pincelou num belíssimo e iconográfico óleo sobre tela presente em diversas exposições. Ainda bem que foi em vida, e Euro ficou feliz em ver-se estampado.

"Euro Tourinho, a Samaúma da Imprensa Amazônica" é o título do livro escrito pelo notável intelectual Silvio Persivo para festejar os 95 anos do mestre, em 2017. Uma ótima definição: samaúma. A árvore rainha caraterizada simbolicamente pela generosidade de guardar e distribuir água para outras espécies, além da sua grandeza e imponência. Euro era pequeno em estatura. Mas, o maior que houve em atitudes e ideais, jamais passou desapercebido e não ignorou a ninguém; foi amigo dos artistas, dos cidadãos comuns.
Foto: Reprodução
Viveu em seringal perto de Jaci-Paraná, no ápice do segundo Ciclo da Borracha, transferiu-se para a extinta cidade de Santo Antônio do Rio Madeira, incorporada a Porto Velho em 1945, ouvindo e vivendo histórias; presenciou até a chegada do primeiro aparelho de rádio a estas paragens. E confessou-se arrebatado pela comunicação que vinha chiada de longe.

Hoje, 17 de janeiro de 2022, ele comemoraria, literalmente — festeiro que era! —, o seu centenário natalício. Euro era boêmio, pé de valsa, carnavalesco, com suas roupas cheias de personalidade que encantavam os que têm olhos de bardo. Sua compleição física mirrada era o contraponto da sua grandeza existencial, pródigo em memórias afetivas e na arte de construir laços de amizades. Amou e foi muito amado em família e na sociedade.
Foto: Reprodução

Carismático, leal, culto e humilde são predicados bastante utilizados para definir aquele que definia a si mesmo como "apenas mais um", conforme seu depoimento ao Museu de Gente. Foi e catalisou muitas vidas, registrando-as nas páginas do seu jornal. Foram mais de seis décadas dadas ao jornalismo, testemunhando, interagindo, erguendo bandeiras e escrevendo histórias.

Não é possível traduzir em alguns parágrafos o que fora. Euro, afinal, tornou-se muitas poesias para caber em uma prosa. Transcendeu o papel de jornalista à medida em que se fez personagem, desde as suas indumentárias ao uso de objetos icônicos como a máquina de escrever verde que ele usou até o fim, alheio às modernidades. O clássico não morre e nem sai de moda.

Júlio Olivar
Foto: Reprodução

Falar do que Euro fez enquanto escriba é repetir-se. Todos que sabem a história da imprensa reiteram seus méritos. Foi ele um braço do que se fazia de mais ousado no jornalismo da América do Sul, considerando que o jornal Alto Madeira compunha a rede dos Diários Associados, presidida por Assis Chateaubriand, o famoso "Rei do Brasil" (definição de Fernando Muraes). Euro e Assis estiveram juntos. Cada qual com o seu código de ética. Nos últimos tempos, já nonagenário, continuou lúcido e afinado, extremamente bem informado, embora avesso à internet.

Euro começou como uma espécie de "foca". Fez coluna social e pequenas notas no jornal impresso com linotipos. Até tornar-se editor e dono do AM, já nos tempos do offset. É sabido que seu texto era elegante e que sua visão de editorialista e editor estava muito acima do tipo de jornalismo que se fazia nas províncias, mesmo com todas as dificuldades financeiras e logísticas para se concluir um jornal nos confins do mundo. Era bom porque resultava da soma da alma de quem nasceu nos seringais e a cultura que este adquiriu com a observação aguçada e a vivência amazônica. Foi, de fato, um desbravador, uma mente tenaz e um inteligente incontestável.

Euro esteve presente nos momentos cruciais da história, em epílogos interessantes como a inauguração da BR-364, em 1960, pelo então presidente JK. Esteve dentro do poder sem afetar-se por ele. Foi porta-voz da sociedade e de todas as suas contradições para que os governantes a entendessem fora do seus castelos imaginários. Não deixou de ser humano, não fazendo a mínima questão de adulações, cuidando bem do que lhe alimentava o corpo, a alma e o espírito. Sorriu sempre, abraçou a todos e foi capaz de manter suas opiniões sem ferir às dos outros. Viveu, pois, sendo um exemplo de vida-boa, ao som de chorinhos, bebericando na confraria Buraco do Candiru cercado de gente que lhe queria bem.

Euro Tourinho já é nome de rua. Merece estátua, merece odes, música e aplausos. Viva! As lendas não morrem.  


Sobre o autor

Às ordens em minhas redes sociais e no e-mail: . Todas às segundas-feiras no ar na Rádio CBN Amazônia, às 13h20.

*O conteúdo é de responsabilidade do colunista

Veja mais notícias sobre JotaÓ escreve.

Veja também:

 

Comentários: 1

Angella Schilling em Sábado, 29 Janeiro 2022 18:30

Parabéns, belo texto " o centenário de um arauto". Em poucas palavras descreve muito bem este homem pioneiro das comunicações em Rondônia !!!!

Parabéns, belo texto " o centenário de um arauto". Em poucas palavras descreve muito bem este homem pioneiro das comunicações em Rondônia !!!!
Visitante
Sábado, 21 Mai 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/