Sidebar Menu

Manaus 30º • Nublado
Sexta, 27 Novembro 2020

Em busca da prevenção à doença de Chagas no consumo de açaí, Uepa desenvolve projeto, em Cametá

Em Cametá, na microrregião do Baixo Tocantins, cidade que se destaca em volume de produção do açaí, a falta de atenção aos critérios de higiene e de boas práticas, bem como a capacitação dos batedores do fruto, estimulou a professora da Universidade do Estado do Pará (Uepa), Natácia Silva, a desenvolver o projeto Prevenção da doença de Chagas: manipulação higiênico-sanitária e branqueamento do açaí, garantindo a segurança alimentar da população da região. O projeto é financiado pela Justiça do Estado do Pará – Comarca de Cametá, e realizado em parceria com a Vigilância Sanitária.

Foto: Reprodução/Internet

Doutora em Tecnologia de Alimentos, Natácia Silva, que também coordena o Campus da Uepa em Cametá, define como principal objetivo do projeto "capacitar os manipuladores de açaí da Cidade de Cametá em relação ao branqueamento", técnica para a retirada das impurezas, insetos e outros resíduos que ficam na superfície do fruto.

"O projeto pretende contribuir também com a melhoria da gestão dos empreendimentos dos produtores locais e com a qualidade do produto ofertado, visando a saúde pública", explica a doutora, que na primeira etapa do projeto, coordenou uma equipe de 15 bolsistas de cursos de graduação e pós-graduação.

Eles avaliaram os locais de armazenamento e beneficiamento do açaí em 47 pontos de venda, aplicando uma lista de verificação, baseada em resolução da Agência Nacional da Vigilância Sanitária (Anivsa), que dispõe sobre as Boas Práticas de Fabricação e sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados, ambos aplicados aos estabelecimentos produtores ou industrializadores de alimentos.

Em visitas aos pontos de venda na área urbana de Cametá, a equipe conta com o apoio da Vigilância Sanitária, para facilitar a entrada dos pesquisadores aos locais. Desde janeiro de 2012, o órgão estadual estabeleceu, por meio do Decreto nº 326, "regras para cadastramento dos batedores artesanais de açaí e bacaba; padrões para instalações, materiais, máquinas e equipamentos; condições higiênico-sanitárias e boas práticas de processamento".

As medidas citadas visam garantir a segurança alimentar dos consumidores, para evitar contaminações microbiológicas causadoras de doenças como a Tripanossomíase americana, conhecida como doença de Chagas, causada por um inseto que pode estar presente entre os grãos do açaí, o barbeiro. Por essa razão, em sua segunda etapa, o projeto coordenado pela professora Natácia Silva, ofertou um curso de capacitação para 40 batedores de açaí da área urbana do município.

Natácia Silva esclarece que a parceria com a Vigilância Sanitária é essencial, porque "embora os alunos estejam identificados, os batedores ainda têm muito receio, em razão da fiscalização já ter fechado estabelecimentos que não estavam em condições sanitárias adequadas, no ano passado".

Em novembro de 2019, uma ação conjunta entre a Promotoria de Cametá, Vigilância Sanitária, Secretaria Municipal de Agricultura, Procon e Polícia Militar interditou 21 estabelecimentos, após a Secretaria Municipal de Saúde ter identificado dez casos confirmados da doença de Chagas, causados por ingestão de açaí contaminado.

FISCALIZAÇÃO, CONSCIÊNCIA E SUCESSO

Proprietários do Açaí do Alho, no bairro Novo, Aline da Silva e Izaias Alho receberam a visita da equipe de fiscalização, na operação do chamado Dia D. "Naquela ocasião, o nosso ponto foi o único que ficou aberto no bairro. A fiscalização até usou o nosso estabelecimento como exemplo para os outros", orgulha-se Aline.

Quando a fiscalização chegou ao Açaí do Alho, Aline e Izaías já tinham participado do curso de capacitação para manipulação higiênico-sanitária e branqueamento do açaí, realizado na Uepa em Cametá, no âmbito do projeto coordenado pela professora Natácia Silva.

Na avaliação da batedora de açaí, "ter participado dessa capacitação ajudou bastante", porque antes não faziam o branqueamento. "Depois do curso, nós tivemos aumento das vendas, porque ganhamos mais confiança dos clientes e conseguimos a legalização do ponto", explica Aline. Mas, a professora Natácia Silva explica que a realidade do "Açaí do Alho", não corresponde à da maioria dos pontos de venda da cidade.

A coordenadora do projeto Prevenção da doença de Chagas: Manipulação higiênico-sanitária e branqueamento afirma que, de acordo com os dados da Vigilância Sanitária, há 186 pontos cadastrados na cidade de Cametá, "mas, no período da safra esse número aumenta muito, porque muitas pessoas abrem pontos informais e nesses casos, os cuidados também diminuem".

Por essa razão, na fase atual do projeto, a equipe tem aproveitado o período mais alto da safra do açaí na região tocantina, entre agosto e novembro, para intensificar as atividades de coleta nos pontos de venda e realizar a avaliação físico-química e nutricional do açaí comercializado em Cametá, além da análise microbiológica e microscópica do produto.

A intenção da professora Natácia Silva é que o projeto consiga alcançar todos os batedores de açaí da área urbana do município. "A ideia é que depois de concluir as etapas de análises em laboratório, a gente retorne com os resultados para os batedores de açaí e preste consultorias a eles, quando for necessário, para que eles tenham condições de obter o selo de qualidade conferido pelo serviço de Vigilância Sanitária", enfatiza Natácia.

Para evitar a proliferação da doença de Chagas em seres humanos e garantir a eliminação de microrganismos deterioradores e patogênicos é necessário realizar o tratamento térmico, denominado branqueamento ou pasteurização. Sobre esse processo, a batedora Aline Alho afirma que durante o curso de capacitação promovido pelo projeto realizado na Uepa, aprendeu como realizar o branqueamento de forma artesanal.

"Como muitos pontos não teriam como fazer o investimento em máquinas, eles ensinaram a fazer de modo artesanal. A gente usa balde de plástico; basquetas, esteira artesanal e água quente. A falta de maquinário não é impedimento", garante a dona do "Açaí do Alho", Aline da Silva.

O projeto também demonstra que além da segurança alimentar e do cuidado com a saúde da população, as boas práticas também geram benefícios econômicos. O "Açaí do Alho" é dado como um caso de sucesso.

Izaias Alho compra o açaí às 5h, em seguida cuida da limpeza, e enquanto Aline bate o fruto, ele parte para as entregas em domicílio, atividade que aumentou por causa da pandemia. Ele informou que realiza entregas até às 12h e nesse intervalo de tempo, o casal vende entre 80 e 100 litros de açaí por dia. "O movimento tem sido tão bom, que nós tivemos até de contratar um ajudante", comemora Aline.

Veja mais notícias sobre Pará.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sexta, 27 Novembro 2020

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/