Manaus 30º • Nublado
Quinta, 01 Dezembro 2022

Brasileiro produz mural inédito na sede da ONU com reflexão sobre a Amazônia

Captura-de-tela-2022-09-19-150433

"Que futuro queremos deixar para as próximas gerações?" Essa é a reflexão que o artista brasileiro Eduardo Kobra mostra em sua mais recente obraem um espaço na Organização das Nações Unidas (ONU). A ação inédita aprovada pelo Comitê de Artes da organização surge antes da Semana de Alto Nível da 77ª Assembleia Geral, que reúne líderes de todo o mundo em Nova Iorque (EUA) esta semana.

Com a América do Sul de plano de fundo e a Amazônia Internacional evidente na obra, o artista busca mostrar a responsabilidade e importância que todos devem ter em cuidar e preservar a Floresta Amazônica. 

Mural de Eduardo Kobra na fachada da ONU. Foto: Ben Lao

A obra

 Com 24 metros de comprimento e 14 metros de altura (336 quilômetros quadrados), o mural mostra um pai que entrega o Planeta Terra à filha, com o intuito de provocar a reflexão sobre o futuro dos jovens.

Após receber o convite da ONU, o artista de rua Eduardo Kobra, de 47 anos, começou a pesquisar sobre a temática da assembleia - "Um Momento Divisor De Águas: Soluções Transformadoras Para Desafios Interligados" - e percebeu que convergia com seus trabalhos relacionados com sustentabilidade.

A partir daí, construiu um mural alinhado com os ideais da organização, no qual um pai, um brasileiro comum, como destaca o artista, 'carregando' o planeta Terra, entrega-o à uma criança, sua filha. Na obra, o planeta está centralizado na região da América do Sul, onde está localizada a Amazônia Internacional.

Para o artista, todos devem se perguntar como é que estamos cuidando do planeta e justamente por isso, colocou o continente sul-americano, para reforçar a mensagem do cuidado com a natureza, a exemplo da Floresta Amazônica.

Foto: Acervo pessoal

A arte de Kobra e a crise de oxigênio no Amazonas

O novo mural apresentado em Nova Iorque segue a linha temática utilizada há anos pelo artista: paz, tolerância, diversidade, desenvolvimento sustentável, refugiados e direitos humanos.

Durante a pandemia da Covid-19, ele também produziu algumas obras promovendo reflexões na sociedade.

No início de fevereiro de 2021, após a criação do Instituto Kobra, que utiliza a arte como instrumento de transformação, o artista paulistano transformou um cilindro de oxigênio, em desuso, de um metro e meio, em uma obra de arte, exemplar único, chamada "Respirar".

Foto: Alan Teixeira/Divulgação

"Que o sopro da minha arte ajude a levar um pouco de oxigênio para os hospitais mais necessitados e, ao mesmo tempo, provoque a reflexão sobre a importância de usar máscaras, lavar as mãos constantemente, manter o isolamento social e, claro, de preservar a natureza, que é um patrimônio de toda a humanidade", disse o artista na época em entrevista.

A obra foi adquirida por 700 mil reais. Os recursos obtidos com a venda da peça foram aplicados integralmente na construção de duas usinas de oxigênio no Amazonas. Na prática, isso significou que 20 leitos de UTI's foram beneficiados 24h por dia. 


Veja mais notícias sobre Amazônia Internacional.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quinta, 01 Dezembro 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/