Manaus 30º • Nublado
Segunda, 27 Junho 2022

Loja virtual é criada por Ashaninkas para venda direta do artesanato feito nas aldeias no Acre

Mais do que um adereço, o artesanato indígena é uma peça carregada de significados, ancestralidade e história. É assim que o povo Ashaninka define seu artesanato, que agora está exposto em uma vitrine virtual. É que os indígenas lançaram recentemente a loja virtual Ayõpare, que possibilita venda de artesanatos, objetos de decoração e roupa, tudo feito pelas mãos dos indígenas.

O projeto, segundo a Associação Ashaninka do Rio Amônia (Apiwtxa), nasceu da vontade de se tornar independente e reforçar ainda mais a cultura ashaninka, conhecida pela sua arte e luta pela liberdade. Cerca de 800 pessoas vivem na terra indígena, que fica no rio Amônia, município de Marechal Thaumaturgo, no interior do Estado.

A Terra Indígena Kampa do Rio Amônia foi demarcada e homologada em 1992 e abrange 87.205 hectares. Ela faz fronteira com o Peru, com a Reserva Extrativista do Alto Juruá e com a Terra Indígena Arara do Rio Amônia, todos no município de Marechal Thaumaturgo.

Indígenas acreditam que o site também ajuda a expandir o conhecimento sobre o povo indígena. Foto: Arison Jardim

São cerca de 2,5 mil ashaninkas que vivem em cinco terras indígenas demarcadas e homologadas no estado. Conhecidos pela organização, a iniciativa de criar um site partiu em comum acordo entre as lideranças indígenas e a comunidade.

O site foi criado por meio da Cooperativa Agroextrativista Ashaninka do Rio Amônia (Ayõpare), que existe desde 1980 como uma alternativa econômica à exploração predatória de madeira, quando muitos indígenas passavam a ser contratados para esse trabalho.

A presidente da cooperativa, Dora Piyãko, diz que a venda do artesanato surge para reforçar a alternativa de uma renda sustentável e também como forma de propagar o conhecimento do povo Ashaninka.

O site, além do artesanato, também vai ser o local de venda das sementes para reflorestamento que a associação coleta, também com o apoio do Programa de Desenvolvimento Sustentável do Estado do Acre (PDSA) II.

"A cooperativa foi um meio de a gente sair da mão dos brancos, porque antes a gente trabalhava para os patrões. O artesanato é muito importante para nós, porque é nossa cultura, nossa força. No artesanato a gente trabalha, tem o nosso mundo espiritual, as nossas medicinas sagradas, tudo vem do artesanato", 

diz Dora.
Site reúne produtos indígenas e se torna uma vitrine da arte Ashaninka. Foto: Reprodução

O nome da loja Ayõpare vem justamente do sistema que os indígenas usam, que é o de troca. Eles apostam na venda dessas peças, porque o comprador leva mais do que um simples acessório, mas participa ativamente da preservação da floresta e também conhece mais sobre os indígenas e sua sabedoria. 

"Tudo que usamos é muito sagrado, a tinta é sagrada, a argila é sagrada e há momentos que não podemos mexer nesses produtos. Para mim e para o nosso povo, vender isso hoje e ver até outros povos usando o que fazemos é muito forte. Pra quem sabe o significado dessa roupa, os desenhos, os materiais que a gente usa no tecido, sabe que é um trabalho sagrado. Dentro da cooperativa, os artesanatos são feitos de forma tradicional, manual, desde o tempo dos antigos"

explica.

É esse o diferencial do artesanato indígena. Cada peça vem carregada de simbologia e mensagens espirituais. Além de tudo, é a extensão da identidade desse povo - uma forma de fortalecer a tradição, além de garantir a independência econômica deles.

"A cooperativa ganhou esse nome porque nosso povo sempre trabalhou em troca com outros povos. Muitas pessoas compram porque querem usar e sabem a importância do artesanato, perguntam muito os significados dos artesanatos, a importância pro povo, e focam muito na nossa cultura", pontua a presidente.

Já com o uso do urucum, ela diz que é a forma de expressar o que a pessoa é. Através dos símbolos, esse povo sabe se uma mulher é solteira, casada, ou seja, é usada como uma forma de identidade.

Leia também: Ancestralidade indígena: conheça as diversas utilidades do urucum

Ter agora todo esse material e essas informações em um site, para Dora, é a forma de expandir conhecimento e, paralelo a isso, conseguir manter uma renda sustentável para a aldeia, já que os produtos são feitos por indígenas e todo o valor arrecadado por eles volta para essa comunidade.

"Agora o mundo inteiro vai conhecer nossa arte, de qual povo pertence, porque muita gente está usando as artes e não sabe os significados, não sabe de onde veio e de que povo veio. Muitas pessoas agora vão saber da importância, porque vamos ter como falar, explicar o que é isso para nós", finaliza. 

Tudo tem um significado 

Francisco Piyãko, liderança do povo Ashaninka, explica que, apesar de a venda se dar por meio de cooperativa - um formato tradicional - há muito a essência da cultura ashaninka: a troca.

"A cooperativa era um instrumento formal dentro da cultura do branco, mas também se aproximava daquilo que a gente queria: ter liberdade e o poder de trabalhar produtos que fossem definidos e escolhidos por nós mesmos. A cooperativa veio com essa função de tirar a gente dos patrões, dos comércios locais e se mostrou eficiente para nós. Deixamos de trabalhar com madeira, de produzir carne de caça, tudo aquilo que o comércio pedia a gente deixou de fazer, fomos colocar no mercado aquilo que vinha da nossa própria vontade, então o artesanato foi um produto bem importante que a gente conseguiu trabalhar, valorizando, agregando valor", destaca.

Todas as peças produzidas têm um significado, segundo os indígenas. Foto: Yara Piyãko

O objetivo também é explorar produtos naturais respeitando os limites da floresta e, nada melhor do que os protetores dela para conhecê-la. Francisco Piyãko diz que hoje o desafio é conseguir manter a economia da comunidade atrelada a ações de preservação ambiental.

"Daqui alguns anos você vai ter produtos da floresta, vão ser essências, óleos, coisas de valor agregado, tanto do ponto de vista ambiental, como cultural. Esse é o nosso desafio; fazer com que nossa floresta produza condições de conviver aqui trabalhando a manutenção dela que a gente faz, sem faltar aquilo que a gente precisa de fora e ter isso como moeda de troca também", comenta.

A ideia de fazer o site é justamente fazer com que esse trabalho chegue ao maior número de pessoas, de acordo com a liderança. "Quando estamos divulgando, mostrando, muita gente vai querer conhecer nosso artesanato, então é mais gente que começa a se interessar e querer entender. O artesanato não é só uma peça de fazer e vender, ela significa muito e tem um público que quer isso, quer conhecer, quer ter na sua casa uma coleção de artes diferentes e que quer comprar, ter contato com a gente, por isso procuramos colocar no nosso artesanato uma mensagem, não tem nada que seja feito aqui que não tenha um significado", enfatiza.

Por isso, a exigência é que o site, além de trazer produtos, revelasse também a história do povo indígena e seus significados. Falando em simbologias, essa autonomia também representa muito à comunidade. Para Dora, conseguir negociar seus próprios produtos é libertação.

"Me sinto feliz, mais segura, vendo que meu povo está em um espaço. Ver o dia a dia como sempre fizeram, hoje tem a liberdade deles de ficar na comunidade, fazer seus artesanatos, troca. Ver meu povo tranquilo é muito importante," finaliza.

Por Tácita Muniz, g1 Acre


Veja mais notícias sobre Acre.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Segunda, 27 Junho 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/