Venda de pirarucu gera mais de R$ 116 mil em faturamento para ribeirinhos da Amazônia

O projeto visa fortalecer a cadeia produtiva do pirarucu com infraestrutura produtiva em unidades de conservação onde a FAS atua.

Manejadores da comunidade Jussara, localizada no município de Juruá, no interior do Amazonas, receberam um faturamento bruto de mais de R$ 116 mil com a venda de pirarucu em feira apoiada pela Fundação Amazônia Sustentável (FAS), em Manaus. Ao todo, foram comercializadas 11,6 toneladas de pirarucu fresco, beneficiando diretamente 19 famílias que atuam com o manejo sustentável por meio do acordo de pesca do setor Macopani, na Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) Mamirauá.

A feira recebeu, em março, a visita de mais de 970 pessoas que adquiriram, direto das mãos do manejador, um produto saudável e de qualidade, resultado da cadeia sustentável que contribui para a conservação da floresta.

Foto: Divulgação

Segundo o gerente do Programa Prosperidade na Floresta da FAS e coordenador da Feira do Pirarucu, Edvaldo Corrêa, a ação faz parte do projeto Cadeia Produtiva do Pirarucu Manejado 2024, realizado em parceria com FAS e Bradesco. O projeto visa fortalecer a cadeia produtiva do pirarucu com infraestrutura produtiva em unidades de conservação onde a FAS atua.

“A Feira do Pirarucu representa a valorização da floresta em pé e o compromisso que os ribeirinhos têm com a sustentabilidade. Ela é um ponto de encontro entre os manejadores e consumidores, que estão cada vez mais conscientes sobre os impactos de seus hábitos de consumo, e entendem a importância de apoiar iniciativas como essa, gerando renda para famílias ribeirinhas”,

afirma Corrêa.

Romilcia Alves Lima é uma das manejadoras que participaram da Feira do Pirarucu. Ela descreve a valorização que a feira promove a venda do pescado. “Toda feira traz uma experiência nova e um aprendizado novo. Um exemplo é o aproveitamento de todas as partes do pirarucu, pele, carcaça, aproveitamos tudo. Se vendermos para o atravessador, não aproveitamos nada e o nosso trabalho não é valorizado. A feira em Manaus traz tudo isso de benefícios para nós”, relata.

Para a manejadora, a venda do pirarucu proporcionou avanços para sua comunidade:

“O pirarucu tem trazido uma renda muito boa para a minha família. Depois que comecei a trabalhar no manejo do pirarucu, já melhorou, posso dizer, 99% da minha vida financeira. Não só a minha, mas dos colegas, dos parceiros. Em nossa comunidade, já tivemos a conquista de ter o nosso próprio barco para fazer o manejo, a despesca, sem depender de aluguel ou frete, tudo graças à venda do pirarucu. Hoje, vendemos o peixe a um preço bom e conseguimos uma renda maravilhosa”.

A Feira do Pirarucu é promovida pela Associação dos Moradores e Usuários da RDS Mamirauá Antônio Martins (Amurman), com apoio da FAS, que é responsável pela infraestrutura, transporte, logística e divulgação. Além do Bradesco, a venda do pirarucu e do tambaqui manejado também têm apoio do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), da Secretaria de Estado de Meio Ambiente do Amazonas (Sema) e da Secretaria de Estado da Produção Rural (Sepror).

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

‘Mulheres que Benzem’: benzedeiras de Santarém são protagonistas em vídeo clipe 

A equipe de direção e assistência é toda composta por santarenas. No total, estão a frente do projeto cerca de 30 mulheres. O lançamento do clipe está programado para o final de agosto.

Leia também

Publicidade