Venda de pirarucu gera mais de R$ 116 mil em faturamento para ribeirinhos da Amazônia

O projeto visa fortalecer a cadeia produtiva do pirarucu com infraestrutura produtiva em unidades de conservação onde a FAS atua.

Manejadores da comunidade Jussara, localizada no município de Juruá, no interior do Amazonas, receberam um faturamento bruto de mais de R$ 116 mil com a venda de pirarucu em feira apoiada pela Fundação Amazônia Sustentável (FAS), em Manaus. Ao todo, foram comercializadas 11,6 toneladas de pirarucu fresco, beneficiando diretamente 19 famílias que atuam com o manejo sustentável por meio do acordo de pesca do setor Macopani, na Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) Mamirauá.

A feira recebeu, em março, a visita de mais de 970 pessoas que adquiriram, direto das mãos do manejador, um produto saudável e de qualidade, resultado da cadeia sustentável que contribui para a conservação da floresta.

Foto: Divulgação

Segundo o gerente do Programa Prosperidade na Floresta da FAS e coordenador da Feira do Pirarucu, Edvaldo Corrêa, a ação faz parte do projeto Cadeia Produtiva do Pirarucu Manejado 2024, realizado em parceria com FAS e Bradesco. O projeto visa fortalecer a cadeia produtiva do pirarucu com infraestrutura produtiva em unidades de conservação onde a FAS atua.

“A Feira do Pirarucu representa a valorização da floresta em pé e o compromisso que os ribeirinhos têm com a sustentabilidade. Ela é um ponto de encontro entre os manejadores e consumidores, que estão cada vez mais conscientes sobre os impactos de seus hábitos de consumo, e entendem a importância de apoiar iniciativas como essa, gerando renda para famílias ribeirinhas”,

afirma Corrêa.

Romilcia Alves Lima é uma das manejadoras que participaram da Feira do Pirarucu. Ela descreve a valorização que a feira promove a venda do pescado. “Toda feira traz uma experiência nova e um aprendizado novo. Um exemplo é o aproveitamento de todas as partes do pirarucu, pele, carcaça, aproveitamos tudo. Se vendermos para o atravessador, não aproveitamos nada e o nosso trabalho não é valorizado. A feira em Manaus traz tudo isso de benefícios para nós”, relata.

Para a manejadora, a venda do pirarucu proporcionou avanços para sua comunidade:

“O pirarucu tem trazido uma renda muito boa para a minha família. Depois que comecei a trabalhar no manejo do pirarucu, já melhorou, posso dizer, 99% da minha vida financeira. Não só a minha, mas dos colegas, dos parceiros. Em nossa comunidade, já tivemos a conquista de ter o nosso próprio barco para fazer o manejo, a despesca, sem depender de aluguel ou frete, tudo graças à venda do pirarucu. Hoje, vendemos o peixe a um preço bom e conseguimos uma renda maravilhosa”.

A Feira do Pirarucu é promovida pela Associação dos Moradores e Usuários da RDS Mamirauá Antônio Martins (Amurman), com apoio da FAS, que é responsável pela infraestrutura, transporte, logística e divulgação. Além do Bradesco, a venda do pirarucu e do tambaqui manejado também têm apoio do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), da Secretaria de Estado de Meio Ambiente do Amazonas (Sema) e da Secretaria de Estado da Produção Rural (Sepror).

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

‘Aurora Luzitana’: livro revela história dos portugueses maçônicos no Amazonas

Em mais de 400 páginas, com um exclusivo acervo de imagens, Abrahim Baze revela grande parte da história dos maçons lusitanos no Amazonas.

Leia também

Publicidade