Mais de 50 segmentos são beneficiados por meio do turismo no Acre

Trilhas ecológicas, vivências indígenas, turismo histórico-cultural e de contemplação podem ser feitos no estado acreano.

A Secretaria de Turismo e Empreendedorismo (Sete) estima que essa movimentação no estado acreano estimula mais de 50 segmentos e fortalece a cultura, pela sua culinária, história, etnoturismo, turismo de observação e aventura. No coração da Amazônia, o Acre se destaca por sua história e, há alguns anos, hotéis também têm focado na estrutura regional para atrair mais visitantes.

Trilhas ecológicas, vivências indígenas, turismo histórico-cultural e de contemplação podem ser feitos no estado acreano. Tanta riqueza tem atraído os olhares de muita gente. No final de março, o ator espanhol Miguel Bernardeau, o Guzmán da série Elite da Netflix, foi flagrado em Cruzeiro do Sul. Segundo alguns fãs, o artista estava na região para conhecer a cultura e as tradições do local.  Já no começo de agosto, ele compartilhou a experiência na Reserva Indígena Rio Gregório, do Povo Yawanawá.

Na mesma época, Fernando Fernandes, apresentador do programa No Limite, esteve por alguns dias na Aldeia Yawarãni também no Rio Gregório, na Terra Indígena Yawanawá. Fez diversas postagens em redes sociais e explicou o motivo de ter escolhido o Acre para a passagem de seu aniversário.

Foto: Reprodução/Instagram-Fernando Fernandes

“Não sou muito de comemorar aniversário, mas nesse novo ciclo senti a vontade e necessidade de buscar uma forma de comemorar que realmente fizesse sentido pro momento que estou vivendo, de renascimento. Depois de longos dois meses de recuperação do braço, onde a dúvida e o medo insistiram em me rondar, vim em busca da força da floresta para me restabelecer e confesso que estou encontrando muito mais do que vim procurar”, escreveu, aos seus mais de um milhão de seguidores.

O crescimento dessa atividade no Acre também se revela em números. Uma pesquisa do Conselho de Turismo da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), divulgada no início de abril, mostrou que o Acre foi o estado com maior variação no faturamento com turismo do país. Os dados mostram que o estado acreano registrou um faturamento de R$12.677, o que representa um aumento de 22,7% com relação a janeiro do ano passado. O índice ficou acima, inclusive, da média nacional, que foi de 1,5%.

Oportunidade de negócio

Incentivar as atividades de turismo é impulsionar a economia local, abrindo um leque de oportunidades. Foi pensando nisso que a servidora pública Thaly Figueiredo decidiu empreender nesse segmento e criou o Destino Acre, com o intuito de divulgar o estado acreano e facilitar o acesso aos pontos turísticos da região.

Foto: Reprodução/Instagram-Miguel Bernardeau

Para ela, os conhecimentos ancestrais constituem um dos principais pilares dessa atividade. Thaly avalia também que o avanço da tecnologia nesses locais fortalece a cadeia de informação. “O turismo é uma ferramenta de conhecimento e as tecnologias também estão nos permitindo conhecer melhor nossos povos, através da juventude que está usando a internet como microfone e dando voz a todos os povos originários, em toda a Amazônia”, destaca.

Em julho do ano passado, o governo comemorou um importante passo: a chegada da internet na comunidade do Croa, em Cruzeiro do Sul, o que faz com que as pessoas postem mais sobre o local nas redes e ajuda as pousadas e restaurantes em sua divulgação.

Todo esse material divulgado pelos próprios turistas faz com que os olhares se voltem para o Acre. Thaly destaca ainda que esses passeios movimentam não apenas a economia nas comunidades, mas também nos centros urbanos. 

“Desde o ano passado tenho buscado parcerias para que a gente una as possibilidades de integrar nossas ações. Importante destacar que esses viajantes, antes de seguirem aos seus destinos ficam nas cidades e também fomentam a economia durante essa estadia. E a gente está construindo nossa referência local no turismo, com o turismo histórico, ambiental, e até mesmo lá na fronteira, tudo depende da disponibilidade do visitante”, explica. 

Expedição

Na Serra do Divisor, uma das referências é o fotógrafo Marcos Vicentti, que já chegou a levar um grupo de mais de 20 pessoas de todos os cantos do país. Regularmente, Vicentti organiza expedições para que os turistas possam conhecer um dos locais que mais atraem os turistas, que é o Parque Nacional da Serra do Divisor. Ele foi um dos primeiros a explorar turisticamente o local e até hoje divulga e estimula as visitas à região.

A próxima expedição está marcada para o período de 24 a 29 de junho, quando os turistas vão poder conhecer e contemplar as belezas do lugar. “Fui um dos primeiros organizadores de expedições para o Parque Nacional da Serra do Divisor e já fiz 16 viagens levando turistas para aquele lugar. Quando comecei esse trabalho, existia apenas a pousada do Miro e hoje já temos lá três pousadas”, conta.

Foto: Tácita Muniz/Secom AC

Nessas 16 viagens, foram cerca de 800 pessoas levadas pelo fotógrafo e guia da expedição: “Essa história começou com as saídas fotográficas que fazíamos em torno de Rio Branco, que iniciei com os cursos de fotografia. Além da Serra, também já levamos turistas para o Croa e também algumas aldeias. Inclusive, fizemos uma expedição diferente no ano passado, que foi o Banho de Floresta, em que reunimos vários indígenas e fizemos todo um ritual, participamos de tudo lá no Parque Nacional da Serra do Divisor.”

Os planos são cada vez mais expandir o turismo no estado e também fora dele. Marcos pretende fazer também algumas viagens para o Monte Roraima, fortalecendo o turismo na região amazônica como um todo. Já as programações no Acre servem não apenas para turistas, mas também para o acreano que quer conhecer e entender melhor suas raízes.

“O turismo anda em crescimento, na parte do etnoturismo, turismo religioso, de aventura e de contemplação, que está sempre lado a lado com a fotografia, e nós aliamos esse produto à fotografia”, esclarece.

Para as viagens, a agência do fotógrafo, que é certificada pelo Ministério do Turismo, faz seguro viagem por segurança, caso ocorra algum incidente durante a viagem.

‘O mundo precisa conhecer o Acre’

O geógrafo e guia regional Judeilson Trindande, do Amazonas, esteve no Acre pela primeira vez em março. O destino escolhido foi justamente o Parque Nacional da Serra do Divisor. Além disso, conheceu as cidades de Rio Branco, Cruzeiro do Sul e Mâncio Lima.

Judeilson conta que tem como meta conhecer todos os estados do país, mas, como é dono de agência, pretende fazer expedições a um local especial, que o encantou. 

“O que mais me chamou atenção no Acre foi sua geografia, em especial a Serra do Divisor, com suas belas cachoeiras, a força do Rio Moa e as pessoas, com sua energia”, pontua. E finaliza seu relato dizendo que conhecer o estado acreano foi a realização de um sonho: “O mundo precisa conhecer o Acre.”

Quem embarcou nessa aventura também foi o casal Dennis Hyde e Letícia Alves. O economista e a psicóloga paulistanos têm um projeto de conhecer os 75 parques nacionais e, claro, a Serra do Divisor entrou em seu cronograma.

Viajando de carro, os dois saíram de Porto Velho até Rio Branco, onde seguiram pela BR-364 até Mâncio Lima, no interior do estado. De lá, são ainda cerca de nove horas de barco até chegar ao pé da Serra.

“Há algum tempo, a gente tem se comunicado com o pessoal do Destino Acre e também com o da Pousada do Miro, que a gente tomou conhecimento por outros viajantes que já tinham vindo visitar a Serra do Divisor. A gente então foi conversando com eles para entender como seriam os guias e como eram as pousadas e achamos tudo muito organizado, porque eles já têm tudo”, diz Dennis.

Sobre as impressões da Serra, o economista fala que ficaram as melhores possíveis. “O Parque Nacional da Serra do Divisor é um lugar muito completo em termos de um destino na Amazônia, principalmente. É um destino aonde você pode ir e fazer trilhas mais longas ou ir simplesmente às cachoeiras sem ter que caminhar muito; existem essas possibilidades. Você pode subir o mirante e ter a vista ali da floresta, você navega também pelos rios, tem bastante observação de fauna, principalmente de primatas”, pontua.

Foto: Pedro Devani/Secom AC

Eles também chegaram a ver a ave rara, choca-do-acre, que é uma espécie endêmica do Parque Nacional da Serra do Divisor. Além disso, Dennis destacou que pôde conhecer um pouco da história do Acre, o que enriqueceu ainda mais a viagem. “Foi muito bacana saber que os acreanos lutaram, batalharam para se tornar brasileiros. Ter o conhecimento disso foi extremamente positivo.”

O casal ainda tem outros 12 parques para conhecer, mas já planeja voltar ao Acre. “Foi muito gostoso, é um lugar maravilhoso para você estar, relaxar, conhecer as histórias e se relacionar com a natureza. Com certeza é um lugar aonde a gente quer voltar. E sim, a gente vai indicar muito, é um parque que tem muita estrutura, já pronta para que os visitantes possam vir e ficar com conforto, isso não é uma característica que tem em todos os parques nacionais, então os acreanos são privilegiados de ter essa infraestrutura pronta”, reforça.

O economista destacou ainda que os atrativos do parque são completos, desde as trilhas, até a subida no mirante e também o caminho até a Cachoeira Formosa, que fica a quatro horas de distância das pousadas. Nesse passeio em específico, orienta-se os visitantes a dormir em acampamento para aproveitar melhor o local.

“Ali a gente teve oportunidade não só de dormir na Pousada do Miro, que já traz essa visão, você já tem uma outra vibração, silêncio, sons da natureza, mas a gente também ficou num acampamento selvagem perto da Cachoeira Formosa, que é muito bacana”, conta Dennis.

Sobre a culinária, diz que aprovou todos os pratos, mas que pôde conhecer o verdadeiro sabor do açaí. Isso, segundo ele, foi o que mais marcou no quesito alimentação. Bem-humorado, ele revela que mudou sua relação com o açaí de São Paulo.

“Quando a gente estava lá na comunidade, a gente comeu açaí, bacaba e patuá. Nós, vindos de São Paulo, temos uma outra visão do que é o açaí. A gente já tinha aprendido aqui na Região Norte que o açaí é uma outra coisa. O açaí é servido como polpa, é comido de uma outra forma, uma delícia. A gente não sabe como é que a gente vai fazer quando a gente voltar pra São Paulo e servirem pra gente aquilo que a gente costumava chamar de açaí. Então, esses sabores da mata não são só incríveis, mas eles são super-ricos em nutrientes”, analisa.

Todas as impressões da viagem serão postadas nas redes sociais do casal, que mantém um e-book com os destinos e a particularidade de cada parque.

Dez vezes na Serra

Mas não são apenas os de fora que se encantam com as belezas do estado. Ana Paula Jansen é servidora pública e fotógrafa e já esteve dez vezes no Parque Nacional da Serra do Divisor, acompanhando as expedições lideradas por Marcos Vicentti. Ela diz que é costume descobrir e conhecer rotas turísticas do estado e que essa curiosidade partiu do seu seio familiar.

“Quando criança, meus avós maternos e meus pais costumavam passar finais de semana em áreas fora da cidade. Eram vilas, fazendas, colônias, sítios e até margens de estradas onde se pudesse acampar, pescar, se banhar em rios, açudes e igarapés. A cada final de semana, nós, crianças, íamos descobrindo as belezas e encantos dos lugares ao redor de Rio Branco. A cada lugar visitado, eu descobria coisas novas e diferentes daquilo que tínhamos na cidade. Eram os hábitos dos locais, as belezas naturais, a comida e tantas outras coisas que, aliadas a outro hábito familiar, que era a leitura, me fizeram ver que mesmo dentro de nosso estado havia belezas e experiências que poderiam ser aproveitadas”, conta.

Com 18 anos, Ana passou a ser servidora pública e aos 19 começou a trabalhar na área ambiental, o que a fez conhecer todo o estado. “Conheci não apenas os municípios, mas também seringais e aldeias, desbravando florestas, navegando nossos rios e conhecendo pessoas e modos de vida encantadores. E assim nasceu meu gosto pelo turismo. Acredito que o Acre tem muito a ser conhecido e entendido, não só por pessoas de fora do estado e do Brasil, mas também pelo próprio acreano que, em grande medida, não acredita no potencial turístico que temos”, disse.

Entre os anos de 2016 e 2023, Ana Paula foi dez vezes ao Parque Nacional da Serra do Divisor. E revela que esse é seu destino preferido, não só pela energia que sente da floresta, mas também das pessoas.

“É um lugar de uma beleza sem igual. Uma natureza exuberante, cheia de magia e encantos. Sem contar que encontramos pessoas maravilhosas. Gente simples, porém, de grande sabedoria. Dentre tantas experiências maravilhosas que eu já vivi na Serra do Divisor, umas das coisas mais marcantes é ter presenciado a superação de limitações de condições físicas de alguns visitantes, na caminhada de 15 km dentro floresta, para conhecer umas da cachoeiras mais lindas da Serra, que é a Formosa.”

Guia e incentivos

Diante de tantos pontos turísticos que uma iniciativa do setor de Produção Cultural da Diretoria de Arte, Cultura e Integração Comunitária (Dacic), que integra a Pró-reitoria de Extensão e Cultura (Proex) da Universidade Federal do Acre (Ufac), produziu um guia de turismo e cultural do Acre, que pode ser baixado gratuitamente na internet. O documento traz informações importantes de hotelaria, pontos turísticos e outros detalhes para que as pessoas possam conhecer mais o estado.

As áreas de turismo, mesmo sendo de responsabilidade federal, recebem apoio do Estado, por meio da Secretaria de Turismo e Empreendedorismo (Sete), que nos últimos anos tem focado em ações de fomentação dessa atividade na região.

Foto: Marcos Vicenti/Secom AC

Para 2024, o Planejamento Plurianual (PPA) contempla diversas ações, como capacitação para aprimorar a prestação dos serviços turísticos do trade (bares, restaurantes, meios de hospedagem, agências de viagens e receptivo, guias e condutores, entre outros) e das comunidades indígenas que atuam com festivais e vivências consolidadas. “Faremos aquisição de equipamento de proteção individual [EPI], como coletes salva-vidas e perneiras, para uso dos turistas, bem como de uniformes com proteção UVA para barqueiros e condutores que prestam serviços turísticos e passam o dia ao sol. Esses equipamentos promovem a segurança da atividade, reduzindo o risco de acidentes e doenças oriundas de insolação”, explica o secretário da pasta, Marcelo Messias.

Outra medida importante da Sete foi a criação e divulgação, de forma inédita, do calendário de atividades do estado, que é atualizado anualmente. Este ano, 23 festivais indígenas foram listados, o que deve fortalecer ainda mais o número de visitantes e criar um ambiente de negócios mais atrativo.

“Pretendemos melhorar a infraestrutura básica dos atrativos turísticos das comunidades e em aldeias indígenas. Já temos alguns projetos em andamento nesse sentido, como, por exemplo, a ampliação de todas as cozinhas das pousadas localizadas na Serra do Divisor e no Croa, o projeto de reforma do Mirante da Serra, a substituição, aos barqueiros que levam os turistas no Croa, de motores a diesel por motores elétricos, fazendo com que diminua o impacto ambiental que esse combustível causa sendo jogado no rio”, planeja.

O secretário também relata que tem trabalhado com o incentivo e apoio aos 12 municípios que integram o Mapa do Turismo Brasileiro na renovação do cadastro e para implantar o Programa de Regionalização do Turismo nos demais municípios acreanos que ainda não fazem parte do catálogo e que têm produtos turísticos para oferecer ao mercado.

Foto: Marcos Vicentti/Secom AC

“Todas essas iniciativas estão voltadas para melhorar a qualidade da oferta dos produtos e serviços turísticos, aumentar o fluxo de visitantes e incentivar a geração de emprego e renda para a população. Temos feito esforços com esse objetivo. Sabemos que qualquer forma de desenvolvimento econômico requer um trabalho consistente e dinâmico para trazer benefícios para toda a população, e esse é um setor capaz de promover a aceleração econômica e incremento nas áreas social, cultural e ambiental em nosso estado. Estamos trabalhando para que o Acre seja um destino autêntico e de qualidade no cenário nacional e internacional.”

A diretora de Turismo e Empreendedorismo da Sete, Sirlânia Venturin, esclarece que a atividade turística possibilita estimular mais de 52 segmentos e toda uma cadeia produtiva, com destaque para os segmentos de hospedagem, alimentos, agências de viagens, promoção de eventos, operadoras turísticas, entretenimentos e outros, como o de transportes.

“Ao promover o Acre como destino turístico, o governo estimula o desenvolvimento de diversos setores econômicos no estado. Por meio da Sete, o governo tem atuado na promoção de feiras e eventos, divulgação em meios de comunicação, melhoria da infraestrutura turística, capacitação dos prestadores de serviços turísticos, apoio a festivais indígenas, entrega de EPIs e criação do calendário de eventos turísticos, entre outras ações voltadas a melhorar a qualidade da oferta dos produtos e serviços turísticos”, diz.

Sirlânia lembra ainda que esse fluxo faz com que gire dinheiro no mercado local e, consequentemente, impacta diretamente a economia do estado:

“Os visitantes e turistas contribuem significativamente para a economia local, gerando receita por meio do turismo, incluindo gastos em hospedagem, alimentação, transporte e compras de souvenirs, entre outros. Além disso, o turismo ajuda a promover a cultura e os recursos naturais únicos do Acre, incentivando a preservação ambiental e a valorização do patrimônio histórico da região. Também pode impulsionar o desenvolvimento de infraestrutura turística e criar oportunidades de emprego para os residentes locais”.

Quer conhecer o Acre?

Para quem ficou curioso, alguns perfis podem ajudar a conhecer e programar diversos tours pelas belezas acreanas. Confira a lista:

Destino Acre

Trilha Turismo Aventura 

Vivacre

Canindé Pousada

Pousada do Miro

Entre Parques

*Com informações da Agência de Notícias do Acre

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Você sabia que o Acre teve governador deposto durante o período do Golpe Militar?

José Augusto de Araújo, primeiro governador do Acre eleito democraticamente, teve de renunciar para evitar conflitos. Seringueiros foram oprimidos pelas políticas de ocupação da Amazônia.

Leia também

Publicidade