Manaus 30º • Nublado
Quinta, 01 Dezembro 2022

Quanto custa conservar a Amazônia brasileira

amazonia-para-foto-bruno-cecim

Estima-se que para proteger 83% da Amazônia brasileira, equivalente a cerca de 3,5 milhões de km2, poderá custar entre 1,7 bilhão e 2,8 bilhões de dólares anuais. Comparativamente, o valor por hectare é sete vezes menor do que o necessário para manter áreas de conservação na União Europeia, em que países investem cerca de 5,3 bilhões por ano para manter cerca de 1 milhão de hectares. Em estudo publicado na revista "Perspectives in Ecology and Conservation" , pesquisadores da Universidade de Miami, Museu Paraense Emílio Goeldi, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e Conservação Internacional do Brasil estimam, pela primeira vez, os custos mínimos para a conservação do bioma. O documento, de março deste ano, é assinado pelos pesquisadores José Maria Cardoso da Silva, Luís Claudio Fernandes Barbosa, Julie Topf, Ima Célia G. Vieira e Fabio R. Scarano.

A pesquisa também preconiza serem necessários de 1 a 1,6 bilhão de dólares em investimentos iniciais para criar e estabelecer 1,3 milhão de km2 de novas áreas protegidas. "Estes valores são bastante modestos quando se compara com os valores potenciais dos serviços ambientais que os ecossistemas da Amazônia brasileira prestam para o Brasil e para o mundo", comenta José Maria Cardoso da Silva, professor da Universidade de Miami e um dos autores do artigo. Segundo os pesquisadores, esses investimentos são viáveis, tendo em vista o tamanho do orçamento federal, equivalente a 910 bilhões de dólares.

Foto: Bruno Cecim

Através de dados georreferenciados de fontes oficiais, os autores realizaram o mapeamento e o cálculo de manutenção das unidades de conservação, terras indígenas, terras públicas não designadas e outras áreas prioritárias de conservação. O cálculo é baseado na estimativa dos custos de manutenção das áreas de conservação já existentes, como infraestrutura local e salário de funcionários, dos custos de criação das novas áreas de conservação, como inventários biológicos e demarcação, além dos custos de manutenção do sistema de conservação, como atividades de coordenação regional e nacional. Segundo os autores, há uma falta de entendimento da sociedade em relação à relevância ambiental e importância econômica das áreas protegidas.

Ima Vieira, pesquisadora titular do Museu Paraense Emílio Goeldi, sustenta, a propósito, que "muitas pessoas não sabem que a legislação brasileira prevê vários tipos de áreas protegidas, incluindo reservas de desenvolvimento sustentável e reservas privadas, e que áreas protegidas, caso sejam bem implementadas, podem servir de pólos de desenvolvimento em áreas mais remotas e carentes da Amazônia". Por outro lado, segundo Fábio Scarano, professor da UFRJ, co autor do estudo, "no momento em que todos os setores da sociedade brasileira discutem um novo modelo para o desenvolvimento da Amazônia, é importante enfatizar que sem um sistema de áreas protegidas bem manejadas não pode haver bioeconomia". E acrescenta: "conservação e manejo irão sempre funcionar melhor com a participação das pessoas que vivem na região".

Para Cardoso da Silva, "embora existam muitas iniciativas para conservar a Amazônia, todas, porém, insuficientes para garantir a quantidade de recursos necessários para conservação a longo prazo da região. Para isso, segundo Vieira, seria preciso "mobilizar forças políticas, estratégia e liderança em um grande esforço global para fazer com que tais recursos cheguem realmente às áreas protegidas". Em síntese, ao que aponta o estudo, para proteger cerca de 83% da Amazônia brasileira dentro de áreas de conservação será necessário incorporar em torno de 594,924 km2 de áreas públicas não destinadas e 780,416 km2 de áreas prioritárias não destinadas, tendo em vista adequar-se à legislação ambiental vigente. Gigantesco esforço necessariamente terá de contar com investimentos massivos do governo brasileiro e de organismos multilaterais empenhados em promover a preservação ambiental do Planeta.

Sobre o autor

Osíris M. Araújo da Silva é economista, escritor, membro do Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas (IGHA), da Academia de Letras, Ciências e Artes do Amazonas (ALCEAR), do Grupo de Estudos Estratégicos Amazônicos (GEEA/INPA) e do Conselho Regional de Economia do Amazonas (CORECON-AM).

*O conteúdo é de responsabilidade do colunista 


Veja mais notícias sobre Economia na Amazonia.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quinta, 01 Dezembro 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/