Hetohoky: festa tradicional do povo karajá é rito de passagem dos adolescentes para a vida adulta

Festa é celebrada na Ilha do Bananal, em Tocantins, e reúne cerca de 3 mil indígenas.

Momento de luta corporal entre os guerreiros das aldeias, durante Hetohoky. Foto: Mazim Aguiar/Governo do Tocantins

Indígenas da Ilha do Bananal se reuniram para realizar um dos eventos mais tradicionais do povo Karajá, o Hetohoky, nos dias 9 e 10 de março. A festa aconteceu na aldeia Santa Isabel do Morro, no sudoeste do Tocantins, próximo à divisa com o Estado do Mato Grosso, e contou com o apoio do Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado dos Povos Originários e Tradicionais (Sepot) e da Secretaria de Estado do Turismo (Setur). A comunidade é a maior do povo Karajá com mais de mil indígenas.

O Hetohoky é um rito de passagem dos adolescentes indígenas Iny para a vida adulta. Moradores de várias aldeias chegaram ao local em barcos de madeira e voadeiras atravessando o rio Araguaia.

Este é um dos momentos mais aguardados da festa, em que os guerreiros vizinhos chegam e já começam as provocações com cantorias e gritos que marca a rivalidade sadia entre as comunidades para o início das lutas e jogos. 

A anfitriã, aldeia de Santa Isabel recebe os visitantes com cânticos e danças. Em seguida, todos se deslocam para a Casa Grande, Hetohoky, para o ritual da passagem. Neste momento, seguindo a tradição, as mulheres não podem se aproximar. Por sete dias os garotos ficam reclusos na Casa Grande e só saem para praticar a pesca ou caça.

Durante toda a madrugada, os guerreiros lutam e tentam derrubar o mastro erguido próximo à Casa Grande. A aldeia Santa Isabel defende o mastro para que os vizinhos não o derrubem, o que seria motivo de vergonha para a aldeia anfitriã.

A comemoração reuniu cerca de três mil indígenas da região do entorno da Ilha e contou com a presença de cerca de 300 visitantes.

A empresária, Katharina Brazil, veio de São Paulo, rodou mais de 2 mil km para chegar até a ilha para vivenciar a cultura do povo Karajá.

“Os indígenas vivem o momento, nós que vivemos na cidade não sabemos mais fazer isso. Sempre fazemos as coisas pensando no amanhã, mas o indígena vive o momento, e isso pra mim é muito interessante”, 

comentou a visitante ao enaltecer a cultura e o modo de vida dos indígenas.

Toda a preparação para a festa exige muito esforço, trabalho e dedicação da aldeia anfitriã para que possam receber as comunidades. O Cacique tradicional da aldeia Santa Isabel, Sokrowe Karajá, falou da valorização da cultura e de receber um evento de grande porte como esse. “A gente se prepara e se organiza antes. É muito trabalho para que tudo dê certo. Exige muito de nós , mas a gente gosta de fazer”, comentou o Cacique.

Foto: Mazim Aguiar/Governo do Tocantins

Hetohoky

No Hetohoky, a Casa Grande, venerada pelos povos Iny (Karajá, Karajá-Xambioá e Javaé), os garotos a partir de 12 anos passam por uma cerimônia de transição para a vida adulta. Durante o ritual, os espíritos da mata, conhecidos como aruanãs, cercam a casa, entoando cânticos, vestidos com indumentárias feitas de palha de palmeira, decorados com adereços coloridos e penas, que representam os animais.

Os aruanãs orientam os adolescentes a participar das atividades e os ensinam sobre tradições e valores da cultura Iny. Ao longo da cerimônia, recebem lições de disciplina e respeito. No encerramento, participam de rituais simbólicos, como banho no rio, remoção de penas, cuidado com os cabelos e pintura corporal, simbolizando a transformação em adultos guerreiros.

“É muito importante manter essa tradição. A gente luta para não acabar. Eu sou um dos defensores da cultura dos Iny. As lutas, a dança, o canto, a pintura, toda a cultura é importante manter”, disse o Cacique Iwraru Karajá, ao mostrar sua pintura corporal específica de guerreiro.

Ilha do Bananal

A maior ilha fluvial do mundo está no Tocantins. Com quase 20 mil quilômetros quadrados de extensão, a Ilha do Bananal é cercada pelos rios Araguaia e Javaés, e é considerada um dos santuários ecológicos mais importantes do país e do mundo. Seu território preserva rara diversidade de animais e plantas típicas dos ecossistemas Cerrado e Floresta Amazônica.

A maior parte da Ilha do Bananal está dividida em duas áreas de reserva ambiental. Ao norte, o Parque Nacional do Araguaia, ao sul, a Terra Indígena do Araguaia, que abriga povos originários das etnias Karajá e Javaé, reconhecidas como Povo Iny, além dos Avá-Canoeiro (Cara Preta).

Vale destacar ainda que as indígenas da Ilha são exímias artesãs e produzem peças como as bonecas Ritxokó, que reproduzem o modo de vida Iny e os animais do cerrado, e são certificadas pelo IPHAN como patrimônio cultural do Brasil. 

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Saiba quais são as 9 construções mais antigas da Amazônia

Em cada cidade da Amazônia Legal existe ao menos uma construção que exala a história local a partir da colonização.

Leia também

Publicidade