Sínodo Amazônico pode ser um divisor histórico para a região, afirma Pe. Vilson

Além de identificar os pontos centrais do Instrumentum Laboris, a preparação em vista do Sínodo Amazônico de outubro, no Vaticano, também propicia análises mais profundas e de conscientização por parte de brasileiros, consagrados ou não, e às vezes distantes geograficamente da região Amazônica.

Olhar o Sul do Brasil e escutar a Amazônia


O Pe. Vilson Groh, presidente de um instituto que leva o seu nome em Florianópolis, Santa Catarina, ao trabalhar com assessoria pedagógica, jurídica e de captação de recursos de organizações da sociedade civil, abre esse espaço de reflexão e convida o Sul do Brasil a olhar e a escutar diversamente a realidade vivida no norte do país.

“Tenho impressão que nós, olhando o Sul, deveríamos ter um grande ouvido para escutar a Amazônia. A escuta é importante, na dimensão de escuta de uma população que eu não conheço. A Amazônia, por exemplo, tem 400 línguas diversas. Imagina a cultura, a etnia, a medicina e o modo de olhar o mundo por trás dessas línguas! E na cultura da diversidade devemos entender que a questão não é só terra, mas também de entendimento da problemática mundial em olhar essa realidade em termos do que significa a Amazônia para o resto do mundo em termos, por exemplo, das populações indígenas que são verdadeiras cuidadoras da Mãe Terra. E aí rediscutir o desenvolvimento através da cosmovisão indígena e num modo de produção capitalista. O Papa quando fala da terra diz que é a mais pobre das pobres, porque é a mais sucateada, do ponto de vista do processo da exploração. E a cosmovisão indígena traz a sociedade do bem viver que é uma integração entre as pessoas, com a Mãe Terra e com o uso dos bens da Mãe Terra”, pontua.

Foto:Divulgação

Não é apenas assembleia e documento final


O evento pastoral de defesa da vida na Amazônia também deverá oferecer uma nova perspectiva de compreensão do trabalho eclesial, afirma o articulista, Pe. Vilson. O tema do Sínodo, “Amazônia: novos caminhos para a Igreja e para uma ecologia integral”, vai ajudar o evento a não se limitar a uma assembleia e a um documento final mas, segundo o sacerdote, será um divisor histórico.

“Eu penso que o próprio título do Sínodo é a construção de novos caminhos. Construir novos caminhos significa que talvez a gente deva fazer um grande exercício de saída de si, daquilo que o Papa Francisco fala de uma Igreja em saída. Acho que esse deve ser um pouco o método do caminho: como é que a gente sai de estruturas prontas, dadas, que não dão resposta a contextos tão profundos quanto às problemáticas que a gente vive na Amazônia: a da biodiversidade, da terra, indígena, da água. É entender o contexto da Amazônia pro mundo, tanto quanto entender o contexto da Amazônia pro Sul do Brasil. Penso que requer de todos nós a abertura pra um conhecimento, pra um entendimento e pra pensar uma Igreja, como diz o Papa Francisco, que possa brotar deste chão com características próprias de uma população que, se a gente olha, no contexto do que é a Amazônia, do que significa os rios da Amazônia, como artérias, do ponto de vista da vida e do valor da vida, tem que ter um outro entendimento. Entender, por exemplo, a partir da cosmovisão indígena, o mundo. Acho que a gente só tem a ganhar! Mas tem que se dispor a fazer esse processo. E talvez são grandes desafios e impasses. Mas eu penso sempre que, com o Sínodo, vamos ganhar muito numa linha de horizonte, de abertura e de necessidade de empenho, de reconstrução, ou de desconstrução do que está construído para abrir-se a novas construções – que é o grande caminho, é a dinâmica. A dinâmica da vida não pode ser uma dinâmica estática. A dinâmica do Sínodo também não pode só ser construído do ponto de vista de uma assembleia e de um documento. É um Sínodo que talvez fundamentalmente vai marcar um divisor histórico, eu diria, do ponto de vista político, econômico, social e eclesial, mas também um gancho do Sínodo para o mundo inteiro é a questão da ecologia integral. Esse conceito de uma ecologia que perpassa a compreensão também da espiritualidade”, conta.

Sopro do Espírito é denúncia e anúncio para Amazônia


O Pe. Vilson Groh está confiante para os resultados que o Sínodo Amazônico trará, seja para denunciar o que precisa ser denunciado, seja para elevar a beleza e a importância daquela região ao mundo.

“Como nós vamos escutar a voz do Espírito que vem do grito da Amazônia, do ventre da Amazônia. Precisamos nos colocar na leitura desse Espírito, porque o Espírito sopra, mas também é necessário discernir essa dimensão. E as questões políticas, econômicas, sociais e culturais elas vêm no bojo da escuta desse grande grito. O sopro do Espírito é uma denúncia e anúncio: vai denunciar o que destrói, mas vai anunciar a beleza de uma cosmovisão e de uma sociedade do bem viver”, disse o padre.

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Você sabia que o Acre teve governador deposto durante o período do Golpe Militar?

José Augusto de Araújo, primeiro governador do Acre eleito democraticamente, teve de renunciar para evitar conflitos. Seringueiros foram oprimidos pelas políticas de ocupação da Amazônia.

Leia também

Publicidade