Saiba qual é o beija-flor emblemático do Peru que só vive em uma área da Amazônia

A espécie conhecida como colibri-de-cauda-espátula habita o Vale do Alto Utcubamba, na região do Amazonas peruano.

Os beija-flores são muito admirados pelos humanos por seu rápido bater de asas, pela beleza e pela contribuição à natureza. No Peru existem diversas variedades desta espécie, mas uma destaca-se pela sua beleza incomparável, pelo seu estatuto endêmico e por ser um dos símbolos da vasta riqueza natural da Amazônia peruana.

Trata-se do colibri-de-cauda-espátula, também conhecido como “colibri maravilhoso” ou “colibri admirável”, uma espécie endêmica do Peru que cativa quem tem a sorte de vê-la.


O colibri com cauda em espátula é um símbolo da riqueza natural do Peru. Foto: Divulgação/Agência Andina

Esta pequena “joia alada”, como é considerada no país vizinho, habita a floresta amazônica, especificamente no Vale do Alto Utcubamba, na região do Amazonas, a mais de 1.200 quilômetros da movimentada Lima.

Com sua minúscula envergadura de 15 centímetros, mais da metade ocupada pela cauda e pelo bico característico, este beija-flor pesa entre 40 e 70 gramas e consegue até 70 batidas das asas por segundo.

Foto: Divulgação/Agência Andina

Mas seu papel no ecossistema vai além do seu encanto visual. Este beija-flor atua como embaixador da reprodução das plantas, transportando o pólen de flor em flor enquanto se delicia com o néctar, garantindo assim a diversidade e vitalidade das florestas tropicais.

Sua cabeça azul e garganta verde, juntamente com seu bico longo e língua fina, são ferramentas especializadas para sua dieta de néctar, ocasionalmente complementada com insetos e pequenas aranhas. No entanto, é sua cauda que rouba a cena.

Foto: Divulgação/Agência Andina

Os machos dessa espécie possuem quatro penas distintas, exibindo um leque de cores vibrantes, terminando em um disco violeta-azulado que podem se mover de forma independente, uma estratégia tanto para cortejar as fêmeas quanto para enfrentar predadores, como a cobra.

Em contraste, as fêmeas, embora igualmente impressionantes, não possuem as cores vivas dos machos e as duas penas da cauda mais longas. 

Foto: Divulgação/Agência Andina

Beija-flores em Lima  

Em vários cantos da América Latina, avistar um beija-flor é considerado um presságio de sorte. Portanto, não é incomum que quem tem o privilégio de testemunhar essas minúsculas criaturas faça imediatamente um pedido. 

No coração da região metropolitana de Lima, capital do Peru, vivem quatro espécies de beija-flores. Do beija-flor Amazilia, o mais comum e territorial, ao beija-flor-oásis, de bico curvo e cauda bifurcada, essas belas aves enfeitam as paisagens com sua presença.

Foto: Divulgação/Agência Andina

Apesar da diversidade destas aves na região, surpreendentemente são poucas as áreas verdes onde podem ser avistadas. Contudo, atrair estes visitantes alados para jardins, hotéis ou reservas não é difícil. Plantar flores vistosas e com cores vivas não só embeleza o ambiente, mas também fornece uma fonte vital de alimento para essas criaturas. Além disso, uma vez que os beija-flores descobrem um local rico em néctar, eles tendem a retornar todos os anos em busca de sustento, deixando um rastro de alegria e vitalidade.

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Riqueza botânica do Parque Estadual da Serra dos Martírios é registrada em livro 

O livro é fruto do trabalho de sete pesquisadores do Ideflor-Bio, da Embrapa Amazônia Oriental e da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

Leia também

Publicidade