Pesquisa analisa espécies de açaí encontradas na Amazônia

A pesquisa buscou contribuir com a padronização e beneficiamento das espécies no Médio Solimões e melhoria da qualidade do produto comercializado.

Símbolo da Amazônia e conhecido em todo o mundo, o açaí foi analisado por estudo científico que possibilitou a identificação e diferenciação de duas espécies desse fruto. Com isso, a pesquisa abriu caminho para auxiliar produtores e comerciantes a diferenciar as características de cada classe, a fim de garantir a escolha e a qualidade do alimento produzido. 

A pesquisa, realizada em municípios do Médio Solimões, também elaborou uma cartilha com informações sobre a correta forma de realizar a colheita, manejo, produção, venda e consumo do açaí, visando, inclusive, minimizar os riscos de contaminação do produto por quaisquer microrganismos.

Foto: Acervo da doutora Klenicy Yamaguchi

Conforme destacou a coordenadora do estudo e doutora em química Klenicy Yamaguchi, do campus de Coari (distante 363 quilômetros de Manaus) da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), a pesquisa buscou contribuir com a padronização e beneficiamento das espécies no Médio Solimões e melhoria da qualidade do produto comercializado. 

“O esclarecimento sobre as diferenças do açaí contribuiu com novas perspectivas para a comercialização do fruto, com medidas de segurança para evitar contaminações” 

informou

Com isso, as informações disponibilizadas pelo projeto também podem ser usadas para auxiliar medidas de saúde pública, já que doenças reportadas como sendo associadas ao consumo de açaí acontecem devido à falta de cuidado e higiene, durante a manipulação do fruto. 

 Espécies analisadas

A pesquisa realizou a descrição química e biológica das espécies Euterpe precatoria e Euterpe oleraceae, conhecidas popularmente como “açaí do Amazonas” e “açaí do Pará”, segundo a pesquisadora.  

Por meio dos resultados alcançados no estudo, verificou-se que as amostras do açaí comercializado nos municípios apresentaram substâncias bioativas e sem contaminação por microorganismos.

Foto: Acervo da doutora Klenicy Yamaguchi

Na colheita podem-se diferenciar as espécies por meio das características botânicas da árvore.

De acordo com a pesquisadora, o projeto promoveu o incentivo à produção e consumo do alimento, fortalecendo o setor primário, ao esclarecer e disponibilizar informações sobre as características desse fruto.

Ao todo, 16 pesquisadores de diferentes áreas e instituições de ensino e pesquisa participaram do estudo, denominado “Avaliação das diferentes espécies de açaí comercializadas na região do Médio Solimões”.

Entre as instituições representadas estão colaboradores vinculados à Ufam, à Universidade do Estado do Amazonas (UEA), à Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), ao Instituto Federal do Amazonas (Ifam) e ao Instituto Militar do Exército (IME). 

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Camu-camu é usado para enriquecer farinha de mandioca

Desidratados sob diferentes métodos tecnológicos, os resíduos agroindustriais de frutos de camu-camu, adicionados à farinha de mandioca, incrementaram significativamente os produtos finais.

Leia também

Publicidade