Biscoito de jambu? Empresa de Iranduba investe em doces e na valorização de produtores da região amazônica

Em sua cadeia produtiva, a iniciativa valoriza produtores de Maués, Beruri, Boa Vista do Ramos e Iranduba, todos no Amazonas, além do Acre.

Uma empresa localizada em Iranduba, no Amazonas, fundada em 2016, tem mostrado uma verdadeira paixão por balas de goma e pela Amazônia, unindo os sabores tradicionais da região com a sustentabilidade. A Manawara, empresa que integra o portfólio da AMAZ – Aceleradora de impacto, atualmente já conta com 22 opções de produtos, entre balas de frutas de sabores variados, castanhas e biscoitos. 

Açaí, guaraná, taperebá, jambu e cupuaçu são exemplos de alimentos típicos da região usados nos produtos que são veganos, sem glúten nem lactose. E a primeira franquia foi inaugurada em Manaus (AM) no início de 2024.

Em sua cadeia produtiva, a iniciativa valoriza os produtores da região amazônica. O guaraná utilizado é de Maués, a castanha é proveniente da Associação dos Agropecuários de Beruri (Assoab ), que atua na Resex Mamirauá. O polvilho dos biscoitos é de Iranduba, o mel de Boa Vista do Ramos, a farinha de coco de produtores do Acre.

“Para nós, que estamos localizados no Amazonas, é muito significativo ter uma franquia aqui, em Manaus. Poder levar nossos parceiros – como o Senhor José Tomaz, de uma comunidade ribeirinha em Iranduba, que é nosso fornecedor de jambu – para conhecer nosso ponto de venda, mostrar, de forma concreta, como as matérias-primas que eles nos fornecem são usadas e onde são comercializados os produtos, não tem preço”, 

define Mércio Sena, CEO da Manawara.

Foto: Reprodução/AMAZ

O CEO da AMAZ aceleradora e diretor de novos negócios do Idesam, Mariano Cenamo, destaca: “É uma grande satisfação ver a inauguração da primeira unidade da Manawara em Manaus, no Shopping Manauara. É uma empresa que nós acreditamos que tem um potencial enorme de levar a cara da Amazônia para o Brasil e para o mundo, mas é super importante apresentar em primeira mão os produtos que vêm da biodiversidade amazônica para serem valorizados pelos próprios amazonenses. Esta é a primeira de várias franquias que serão inauguradas no Brasil durante esse ano de 2024”.

Os produtos da empresa já eram encontrados em alguns pontos de venda em Manaus, mas agora passam a ser comercializados em ponto próprio, onde é possível ter acesso à toda gama de produtos oferecidos.

Foto: Reprodução/AMAZ

Crescimento

Segundo Mércio, no primeiro semestre, três novas franquias deverão ser abertas na cidade de São Paulo. Estão também previstas para esse ano duas unidades no Rio de Janeiro e uma em Belo Horizonte. E a Manawara já está em fase final de negociação de quatro outras unidades franqueadas.

“Nossa intenção é promover uma imersão no mundo de cores e sabores da Amazônia. Que cada um tenha a possibilidade de imaginar a sua Amazônia através dos produtos que oferecemos. Dentro de cada bala, de cada caixinha, tem muito zelo com a natureza e com as pessoas que vivem na floresta”, destaca o CEO da Manawara.

Segundo ele, o ponto de venda inaugurado em São Paulo em maio do ano passado, que funciona também como showroom para atração de futuros franqueados, ampliou suas vendas em cerca de 10% desde o início de sua operação.

Além disso, a empresa tem investido no desenvolvimento de produtos e embalagens ao longo dos últimos anos. E o esforço tem sido premiado com reconhecimentos importantes, como a participação nas maiores feiras de alimentos e bebidas do mundo e da Europa – a Anuga e a Sial. Pela Sial, ganhou o Selo de Inovação em 2020. E foi também premiada pelo Brazil Design Awards com as embalagens desenvolvidas para as balas de fruta, também em 2020.

A Manawara também já está em tratativas para entrar no mercado norte-americano. Seus produtos têm despertado interesse também do mercado chinês: JD, gigante do e-commerce, o Departamento de Comércio da China e uma rede de supermercados em Beijing com clientela de estrangeiros demonstraram interesse em abrir negociação.

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Portal Amazônia responde: o que é comida ‘remosa’?

Um estudo buscou promover uma revisão bibliográfica sobre o tema e propor uma hipótese teórica para o fenômeno.

Leia também

Publicidade