Reserva Ambiental no Amapá corre o risco de fechar e pede ajuda

A Reserva disponibilizou uma conta bancária para os interessados em ajudar a manter o espaço, que conta com cerca de 300 animais silvestres, entre araras, onças, papagaios, tucanos, jabutis, cobras, macacos e outros. Além disso, possui 17 hectares de mata preservada e nascentes.

Foto: Danillo Borralho/ Rede Amazônica

O administrador da reserva, Paulo Amorim, conta que o custo geral chega a R$ 30 mil por mês. Por essa razão, ele apela para quem puder ajudar com doações, em dinheiro.

“É uma campanha de apoio para que esse lugar não pare, para minimizar os impactos da falta de recursos para que o projeto não imploda. Isso aqui é um fragmento florestal extremamente importante para a cidade. A gente atende crianças do ensino municipal. Ano passado conseguimos atender 2 mil crianças, este ano esperamos que pelo menos 4 mil conheçam o lugar”, contou Amorim.

O lugar garante a sobrevivência de animais que não se adaptam mais fora dali, que precisam de auxílio humano, e também reabilita outros que serão reinseridos à natureza. Os interessados em colaborar podem transferir o valor preferível para a conta: Bano do Brasil S/A – AG 3346-4, Conta Corrente – 32.901- 0 e CNPJ 01.477.979/000156

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Camu-camu é usado para enriquecer farinha de mandioca

Desidratados sob diferentes métodos tecnológicos, os resíduos agroindustriais de frutos de camu-camu, adicionados à farinha de mandioca, incrementaram significativamente os produtos finais.

Leia também

Publicidade