A minha jornada empreendedora

“Apesar das dificuldades, busquei diferentes abordagens para atrair novos clientes, gerar novas conexões e expandir a quantidade de pessoas que eu podia atingir”

Hoje peço permissão para contar um pouco de minha história e de como me tornei um empreendedor.

Não tenho na minha genética a herança empreendedora de sucesso. Não nasci em berço de ouro, embora meus pais fizeram um esforço grande em manter os 3 filhos em escola particular. As condições financeiras eram apertadas.

Tive a sorte e competência de entrar em uma faculdade pública e começar a trabalhar em um banco no final do primeiro ano de graduação de administração e, pasmem, empreendedorismo é uma matéria optativa que, no fim das contas, eu acabei nem cursando.

Embora tenham sido mais de 8 anos no banco, logo nos primeiros anos eu já tinha percebido que o futuro seria bem desafiador, trata-se de uma das profissões mais estressantes no mundo. Mas, ainda assim, demorei muito para pensar em formas alternativas de gerar renda e tipos de negócios que eu poderia abrir.

Eu vivia preso na ilusão de que ali estava confortável, era bem-sucedido e podia ficar “numa boa” esperando algo acontecer.

Foi apenas ao final de 2015 que eu tive uma epifania de uma ideia que poderia ser o que é o meu negócio hoje. Até ali eu já tinha terminado a graduação em administração e feito outras duas pós-graduações tentando encontrar respostas para o meu futuro.

Em março de 2016, pedi minhas contas no banco e comecei o meu negócio. Na época eu tinha 1 cliente, ao final de 2016 tinha atendido mais 3. Ou seja, foram 4 clientes no primeiro ano.

Foto: Divulgação

Incontáveis noites eu cheguei em casa frustrado porque não estava tendo resultado. Inclusive cheguei a me arrepender da decisão que eu havia tomado ao sair do banco. Era um pesadelo olhar para um projeto que tinha tudo para ser bem-sucedido e que naquele momento não gerava nenhum retorno.

E essa frustração é uma das piores coisas que você pode sentir na hora que está abrindo um negócio. Não há dúvidas que, independente do motivo que nos leva a empreender, ninguém quer perder tempo, dinheiro e oportunidades.

Muitas vezes me perguntei o que eu poderia ter feito diferente se pudesse voltar no tempo. Pensava em diferentes passos que poderia ter tomado e conhecimentos que poderia ter absorvido antes.

Apesar das dificuldades, busquei diferentes abordagens para atrair novos clientes, gerar novas conexões e expandir a quantidade de pessoas que eu podia atingir. Fechei 2 negócios que não deram resultado e mantive apenas uma atividade.

Empreender envolve, além de tudo, resiliência. Para alguns o caminho pode ser extremamente fácil e confortável, mas para a maioria é espinhoso. Não à toa, a maior parte das empresas quebram antes do terceiro ano de funcionamento.

Sabe quando eu comecei a ter resultado? Após 2 anos e, naquele ponto, eu já tinha absorvido inúmeras funções em tarefas distintas.

Nos últimos 2 anos cheguei a dobrar o faturamento. Isso tem tudo a ver com maturidade e evolução de estratégias e execução cada vez mais focada. Sei que ainda tenho muito para crescer e contribuir com pessoas que estão começando.

Gosto de contar minha história porque sou de carne e osso, minha vidraça já esteve muito frágil e consegui passar por isso. Já disse e repito: o empreendedorismo vai salvar o nosso país. E você pode fazer parte disso!

Você não precisa largar o seu emprego para empreender e, na maioria das vezes, o seu próprio ambiente de trabalho já pode servir de laboratório e como exposição para produtos e serviços que você gostaria de testar.

Reveja seu plano, mude sua rota, tenha coragem para tentar algo novo e não desista.

Hoje, eu nem cogito ser cobaia em uma máquina do tempo.

Esse é o jeito baré de empreender.

O conteúdo do texto é de inteira responsabilidade do(a) autor(a) e não reflete, necessariamente, a posição do Portal Amazônia.

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

‘Aurora Luzitana’: livro revela história dos portugueses maçônicos no Amazonas

Em mais de 400 páginas, com um exclusivo acervo de imagens, Abrahim Baze revela grande parte da história dos maçons lusitanos no Amazonas.

Leia também

Publicidade