Sidebar Menu

Manaus 30º • Nublado
Sexta, 03 Julho 2020
chatbot-health-tech

No Acre, mulher abre mão do 'fusca maravilha' por sonho da casa própria

Só quem é apaixonado por carro, especificamente por fuscas, é que vai entender como foi difícil a decisão da autônoma Diana Reis, de 38 anos, de se desfazer de um sonho. É assim que ela define a relação com o fusca que comprou há 3 anos e, com todo cuidado, montou projetos até que ele pudesse virar o 'fusca maravilha', inspirado na personagem Mulher Maravilha.

Em Rio Branco, inicialmente, o fusca chamava atenção porque foi caracterizado inspirado na Penélope Charmosa. Com cílio nos faróis e muita cor rosa, o carro chamava atenção por onde passava.

Foto: Arquivo Pessoal

Como sempre foi apaixonada por fuscas, Diana pensou o projeto porque em 2017 realizava um sonho de ter um fusca todo pensado por ela.

Mas, agora, passados três anos, ela precisou escolher entre manter o fusca ou usá-lo para construir um outro sonho: ter a casa própria. E assim ela teve a ideia de rifar o carro para conseguir levantar o dinheiro para a obra, mas a decisão tem feito ela sofrer.

"Estou me despedindo dele aos poucos, mas acho que a ficha só vai cair quando eu tiver que entregá-lo. Aí vai ser bem difícil", conta sem conseguir conter a emoção.

Conforto para os filhos

Dentro do carro, Diana personalizou de rosa o teto, volante, bancos, cintos de segurança, pedais, maçanetas, painel, marcha e até o freio de mão. Além do rosa pink, o carro tem detalhes na cor rosa bebê e lilás.

Foto: Arquivo

De Penélope Charmosa ele virou Mulher Maravilha. Isso porque depois do filme, Diana resolver fazer uma tatuagem que faz referência à personagem que tem o mesmo nome que ela. E aí surgiu a ideia de mudar o projeto do fusca, que sempre refletiu muito da sua personalidade.

Agora, o carro ganhou as cores e o emblema da personagem da DC Comics.

A necessidade de rifar o carro veio após ter o quinto filho, de apenas dois meses. Diana disse que sempre morou de aluguel e agora, com o filho mais novo, sentiu necessidade de oferecer mais conforto a ele e os outros filhos.

"Tá bem difícil esses anos para quem trabalha com venda. As minhas vendas foram caindo bastante e tive essa dificuldade. Comecei a orar pela minha casa própria e aí tive a ideia, essa estratégia de rifar o fusca, porque tenho um terreno desde 2014, mas nunca consegui juntar o dinheiro para começar a construir, porque é complicado. Agora é se desfazer do sonho do fusca rosa para realizar o sonho da casa própria", conta.

Ela vive de aluguel e esse gasto também tem pesado nos últimos meses, quando as vendas não andam tão boas. Os outros quatro filhos moram com o pai, com quem ela tem a guarda compartilhada, mas ela disse que quer oferecer um espaço melhor a todos eles.

Foto: Arquivo Pessoal

"Meus outros filhos moram com o pai, que tem uma casa boa e lá eles têm um certo conforto que não têm quando eles precisam ficar comigo. O nascimento do mais novo também me despertou para essa coisa dele ter o cantinho dele. Então, quero poder dar mais conforto para os meus filhos", conta.

Valor emocional

Na época em que comprou o carro, ele custou R$ 15 mil. Além disso, com as adaptações e modificações, Diana ainda investiu mais R$ 10 mil.

"O fusca não é bem uma questão de avaliação comercial, mas sim pela história do carro. É um carro que tem o seu dia comemorativo, que tem uma história e é o carro do século. O valor é mais sentimental e histórico do que comercial, quanto mais antigo, mais caro ele é", explica.

Agora, ela vende as rifas por R$ 100 e, para facilitar ainda mais essa venda, junto com o bilhete, ela entrega também uma máscara de hidratação profissional para os cabelos, que é um dos produtos que ela vende como autônoma.

"A pessoa recebe essa máscara como agradecimento e pode tratar o cabelo em casa, assim divulgo meu produto além de vender minha rifa. É uma forma de marketing também porque preciso melhorar as vendas, porque a gente sabe que construir custa muito caro. Levantar é fácil, mas vou gastar muito com acabamento, até porque não vai ser uma casa pequena, já que tenho cinco filhos", avalia.

A autônoma começou a vender as rifas há duas semanas. Conseguiu vender 100 por enquanto, mas a meta é conseguir vender 500. "O fusca é meu sonho, dói muito me desfazer, mas eu preciso agora abrir mão desse sonho por outro para dar mais conforto aos meus filhos", finaliza.

Veja mais notícias sobre Notícias.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sexta, 03 Julho 2020

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/

No Internet Connection