Manaus 30º • Nublado
Sábado, 02 Março 2024

Resex Chico Mendes é a área protegida mais ameaçada pelo desmatamento na Amazônia desde 2018

Com mais de três décadas de existência, a Reserva Extrativista Chico Mendes, precursora entre as unidades de conservação de uso sustentável, foi a área protegida mais ameaçada e pressionada pelo desmatamento entre agosto de 2022 a julho de 2023. O território localizado no Acre está desde 2018 no topo da lista dos mais ameaçados pela devastação na Amazônia.

Os dados são do estudo trimestral 'Ameaça e Pressão de Desmatamento de Áreas Protegidas', realizado desde de 2016 pelo Imazon. Com uma metodologia que analisa o número de ocorrências de derrubada da floresta, e não a área total desmatada, essa pesquisa mostra quais territórios protegidos podem vir a ser os mais devastados. E, consequentemente, os que precisam de ações urgentes para evitar o avanço da destruição.

Foto: Ramon Aquim/WWF Brasil

A pesquisa também diferencia as áreas protegidas que tiveram mais ocorrências de derrubada da floresta dentro dos seus territórios, o que é classificado como 'pressão', das que tiveram mais ocorrências ao redor, a até 10 km², o que é classificado como 'ameaça'.

Em relação ao tipo de área protegida, o ranking geral mostrou que entre as 10 mais ameaçadas, nove já apareciam na lista no período passado. Ou seja: permanecem em ameaça constante. Além disso, seis dos 10 territórios são unidades de conservação federais e metade das 10 áreas protegidas mais ameaçadas estão no estado do Pará.

Dentre os 10 territórios com mais pressão, nove também já faziam parte do ranking no período anterior, dos quais a unidade de conservação federal Resex Chico Mendes, no Acre, ocupa o primeiro lugar. 

Porém, o Estado que mais tem territórios protegidos pressionados é o Pará, com oito na lista, entre elas a unidade de conservação estadual APA Triunfo do Xingu, a segunda colocada.

"O Estado do Pará tem grande parte do seu território destinado à proteção da biodiversidade e dos povos e comunidades tradicionais e muitos desses territórios se encontram em extrema vulnerabilidade frente ao desmatamento. Algumas das áreas protegidas mais ameaçadas e pressionadas no estado se localizam em regiões com grande presença de atividades como o garimpo, a exploração ilegal de madeira e a agropecuária. Esse é o caso da APA Triunfo do Xingu e da terra indígena Apyterewa, o território indígena mais pressionado no Pará. Ambas estão localizadas no mosaico da terra do meio, um bloco de áreas protegidas pensado para barrar o desmatamento na região, mas situado em municípios como Altamira e São Félix do Xingu, que possuem altas taxas de derrubada e um grande polo pecuário",

explica Bianca Santos, pesquisadora do Imazon.
Áreas protegidas mais ameaçadas entre agosto de 2022 e julho de 2023

1° Resex Chico Mendes (AC) – Unidade de Conservação Federal
2° Parna Mapinguari (AM/RO) – Unidade de Conservação Federal
3° TI Trincheira/Bacajá (PA) – Terra Indígena
4° APA do Tapajós (PA) – Unidade de Conservação Federal
5° Flona do Tapajós (PA) – Unidade de Conservação Federal
6° TI Parakanã (PA) – Terra Indígena
7° APA do Lago de Tucuruí (PA) – Unidade de Conservação Estadual
8° TI Uru-Eu-Wau-Wau (PA) – Terra Indígena
9° Flona do Aripuanã (AM) – Unidade de Conservação Federal
10° Flona do Iquiri (AM) – Unidade de Conservação Federal

Áreas protegidas mais pressionadas entre agosto de 2022 e julho de 2023

1° Resex Chico Mendes (AC) – Unidade de Conservação Federal
2° APA Triunfo do Xingu (PA) – Unidade de Conservação Estadual
3° APA do Tapajós (PA) – Unidade de Conservação Federal
4° TI Apyterewa (PA) – Terra Indígena
5° APA Leandro (Ilha do Bananal/Cantão) (TO) – Unidade de Conservação Estadual
6° TI Kayapó (PA) – Terra Indígena
7° Resex Verde Para Sempre (PA) – Unidade de Conservação Federal
8° TI Munduruku (PA) – Terra Indígena
9° APA do Lago de Tucuruí (PA) – Unidade de Conservação Estadual
10° TI Cachoeira Seca do Iriri (PA) – Terra Indígena

Digite seu texto aqui...

TIs do Pará e do Amazonas são as mais ameaçadas e pressionadas 

Das 20 TIs mais ameaçadas e pressionadas pelo desmatamento na Amazônia entre agosto de 2022 e julho de 2023, 12 estão no Pará e cinco no Amazonas.

"Dentre as terras indígenas que vêm sofrendo mais com a pressão de desmatadores, temos nomes já conhecidos como a Apyterewa e a Trincheira/Bacajá, ambas localizadas no Pará, além da Yanomami que fica nos estados de Roraima e do Amazonas. Esses territórios são destinados por lei para o usufruto dos povos originários, que têm o sustento, a cultura e a ancestralidade ligados à terra. É importante que o estado seja capaz de fornecer proteção aos que estão mais vulneráveis frente ao dano causado pelo desmatamento e todas as atividades ilegais interligadas a ele", completa Bianca.

Terras Indígenas mais ameaçadas entre agosto de 2022 e julho de 2023

1° TI Trincheira/Bacajá (PA)
2° TI Parakanã (PA)
3° TI Uru-Eu-Wau-Wau (RO)
4° TI Arara (PA)
5° TI Cachoeira Seca do Iriri (PA)
6° TI Baú (PA)
7° TI Aripuanã (MT/RO)
8° TI Kayapó (PA)
9° TI Xerente (TO)
10° TI Yanomami (AM/RR)

Terras Indígenas mais pressionadas entre agosto de 2022 e julho de 2023

1° TI Apyterewa (PA)
2° TI Kayapó (PA)
3° TI Munduruku (PA)
4° TI Cachoeira Seca do Iriri (PA)
5° TI Trincheira/Bacajá (PA)
6° TI Xingu (MT)
7° TI Yanomami (AM/RR)
8° TI Andirá-Marau (AM/PA)
9° TI Waimiri Atroari (AM/RR)
10° TI Alto Rio Negro (AM)

Entenda a metodologia 

Para identificar as áreas protegidas sob maior ameaça e pressão de desmatamento, os pesquisadores dividem a Amazônia Legal em células de 100 km² e analisam se houve derrubada da floresta dentro delas no período estudado. As células com ocorrência de desmatamento que estão no território das áreas protegidas são classificadas como pressão. Já as que estão ao redor, em um raio de até 10 km, são denominadas de ameaça.  


Veja mais notícias sobre Meio AmbienteAcre.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Domingo, 03 Março 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/