Manaus 30º • Nublado
Segunda, 27 Setembro 2021

No Dia Mundial da Floresta, Ministro defende uso sustentável de recursos

No Dia Mundial da Floresta, Ministro defende uso sustentável de recursos
Preservação da biodiversidade, sobretudo da Amazônia, por meio da sustentabilidade e, não apenas, por ações de comando e controle. Esta foi a ideia defendida pelo ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, na manhã desta terça-feira (21). No Dia Mundial da Floresta, o ministro participou da premiação dos vencedores do IV Prêmio Serviço Florestal Brasileiro em Estudos de Economia e Mercado Florestal. O evento aconteceu no auditório da Confederação Nacional das Indústrias (CNI), em Brasília.

“Temos instrumentos para atuar nessa vertente. Mas ela não pode ser a única. Quando falha, o desmatamento dispara, como aconteceu nos últimos dois anos”, alertou.
 
Foto:Divulgação/Ascom-MMA
Sarney Filho entregou o prêmio ao vencedor da categoria Profissional, José Antônio Sena do Nascimento, com o trabalho Contas Econômicas Ambientais de Florestas-Ceaf: Uma proposta de trajetória metodológica e institucional para aplicação no Brasil.

A diretora de Relações Institucionais da CNI, Mônica Messenberg, disse que a indústria tem interesse no desenvolvimento do setor florestal brasileiro baseado nos parâmetros da sustentabilidade. “A parceria com o Ministério do Meio Ambiente é estratégica para isso. Precisamos ter um diferencial competitivo e instrumentos como o Cadastro Ambiental Rural (CAR) e o Sistema Nacional de Controle da Origem e dos Produtos Florestais (Sinaflor) são esforços fundamentais do governo nessa direção”, disse.

Concessões

De acordo com o ministro, o Brasil tem a necessidade de uma nova visão sobre a biodiversidade, baseada na preservação dos serviços ecossistêmicos dos biomas, e o ministério está reforçando sua atuação nesse sentido.

Sarney Filho afirmou que a pasta aumentou o número de concessões florestais desde o início de sua gestão e defendeu ainda as iniciativas de manejo como forma de dar sentido econômico às florestas. “Quando se fala em atividade florestal, se fala naquilo que nós desejamos, acrescido à inclusão social e ao combate à pobreza ao mesmo tempo em que os serviços ambientais são mantidos”, disse.

De acordo com ele, a participação da sociedade civil, produtores, órgãos institucionais e federados, estados e municípios é fundamental para que a estratégia mude a relação do Brasil com suas florestas. “Essa luta é para defender os direitos difusos da sociedade e das pessoas que ainda nem nasceram”, afirmou.

Prêmio

A IV edição do Prêmio teve 50 inscritos. Realizado pelo Serviço Florestal Brasileiro em parceria com a Escola de Administração Fazendária (ESAF) e Confederação Nacional das Indústrias (CNI), o objetivo é estimular a produção de estudos de economia e mercado florestal.

Para discutir a temática da produção florestal sustentável na academia e nos setores produtivos o concurso tem como tema a Economia e os Mercados Florestais – e subtemas variados.Além de promover o debate econômico sobre o uso produtivo e sustentável das florestas brasileiras, o SFB pretende criar um portfólio de estudos para ser utilizado pelo órgão para o aprimoramento de políticas públicas.

Foram distribuídos R$ 53 mil entre os ganhadores. Na categoria Profissional, R$20 mil, R$10 mil e R$8 mil ao primeiro, segundo e terceiro lugares respectivamente. Os ganhadores da categoria Graduando recebem R$ 7 mil, R$ 5 mil e R$ 3 mil.
Opens external link in new windowVeja aqui os premiados.

Veja mais notícias sobre Meio Ambiente.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Segunda, 27 Setembro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/