Manaus 30º • Nublado
Sexta, 01 Março 2024

Conheça os cuidados necessários na criação de serpentes venenosas em cativeiro

Conheça os cuidados necessários na criação de serpentes venenosas em cativeiro
Serpente conhecida como papa-pinto. Foto: Divulgação/Alexandre Almeida

A Secretaria de Estado de Ambiente de Mato Grosso (Sema-MT) alerta que é necessário licenciamento ambiental para criação de serpentes venenosas em cativeiro, com três etapas de avaliação pelo órgão ambiental. A análise leva em consideração tanto o bem-estar animal quanto a capacidade de respostas rápidas do empreendedor em caso de acidentes

A criação de animal silvestre é considerada de alto impacto, já que além do potencial degradador, a avaliação também envolve bioinvasão, transmissão de patógenos e risco de tráfico de animais, o que pode impactar nas populações de vida livre. No caso de serpentes o cuidado é redobrado devido ao risco de acidentes.

"Nesse tipo de licenciamento temos as três fases. Primeiro, a licença prévia quando o órgão diz que o empreendimento é ambientalmente viável ou não. Na segunda etapa, de instalação, é verificado se os projetos atendem os requisitos ambientais mínimos. A licença de operação é emitida quando o empreendedor executa tudo que foi proposto nas duas primeiras fases", 

explica o superintendente de Infraestrutura, Mineração, Indústria e Serviços, Valmi Lima.

A multa por manter criadouro clandestino pode ir de R$ 500 a R$ 10 milhões, por exercer atividade sem licença do órgão ambiental competente, mais R$ 500 reais por animal. Caso seja uma espécie da lista de animais em extinção, a multa é de R$ 5 mil por animal.

Paulo Abranches, coordenador da Coordenadoria de Atividades de Pecuária Intensiva, Irrigação e Aquicultura (Capia), lista alguns dos requisitos mínimos necessários como: ambiente com controle de temperatura e umidade, dispositivos anti-fuga, procedimento de manejo, protocolo de mitigação e prevenção de acidentes e carta de anuência do laboratório que irá receber o subproduto das serpentes.

"A criação de animais peçonhentos exige experiência e profissionalismo, já que o manuseio do veneno exige diversos cuidados para assegurar a qualidade do produto e o risco de acidente é grande e com graves consequências para os humanos", 

acrescenta.

A médica veterinária e analista de meio ambiente, Danny Moraes, relata casos em que mesmo pessoas experientes e acostumadas ao manejo sofreram acidentes com serpentes. "Serpentes devem ser muito respeitadas, tanto para garantir o bem-estar do animal, quanto para assegurar a segurança de todos que estiverem manejando os animais", orienta.

Danny explica que um dos erros no manejo das serpentes é a extração excessiva do veneno que fadiga a musculatura da mandíbula do animal levando-o a óbito. Já o manuseio inadequado pode causar acidentes com alto índice de letalidade.

"No caso de uma picada de serpente peçonhenta de qualquer uma das espécies classificadas pela medicina como potencialmente danosa para o organismo humano, o paciente deve tomar o soro antiofídico específico no menor tempo possível, pois existem inúmeras complicações decorrentes, como hemorragia, necrose de tecidos e danos ao sistema nervoso central".

Jiboia. Foto: Divulgação/Luciana Frazão

Apesar dos riscos do veneno do animal, os especialistas alertam à população que não matem as serpentes, já que elas possuem papel relevante no equilíbrio ambiental. Ao cruzar com um animal como esse, a orientação é sempre não tentar capturar ou tocar no animal, já que, via de regra, a tendência é que ele fuja do contato com seres humanos.

Caso a serpente seja encontrada dentro de uma casa, por exemplo, a Polícia Militar Ambiental pode ser acionada pelo telefone 190 para retirada e soltura da serpente em local adequado e distante da população. Já em caso de acidente, a orientação é lavar o local com água e sabão e ir ao pronto socorro mais próximo. Se possível, levar uma foto nítida do animal para identificar qual soro usar. 

Veja mais notícias sobre Meio AmbienteMato Grosso.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sexta, 01 Março 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/