Manaus 30º • Nublado
Quarta, 05 Outubro 2022

Pesquisadores do Amazonas criam teclado digital com caracteres de mais de 40 línguas indígenas amazônicas

Pesquisadores do Amazonas criam teclado digital com caracteres de mais de 40 línguas indígenas amazônicas

Um grupo de jovens pesquisadores do Amazonas lançou o teclado digital "Linklado". O software reúne caracteres especiais e diacríticos de mais de 40 línguas indígenas da Amazônia.

Diversas línguas indígenas da região foram excluídas da revolução digital por terem em seu vocabulário caracteres especiais, como ʉ, ɨ, ñ, ç̀, g̃, por exemplo, além da combinação de diacríticos (sinais gráficos `,´, ~, ^, ¨) que não estão presentes na maioria dos teclados físicos e virtuais.

"Isso faz com que os indígenas se comuniquem por meio de áudios ou usando substitutos para esses caracteres, o que representa uma ameaça à continuidade das línguas nativas", 

destacam os pesquisadores.

Os idealizadores do "Linklado" são o estudante Samuel Benzecry, da Universidade de Stanford (EUA), e o estudante Juliano Portela, que cursa o ensino médio em Manaus. Juntos, eles desenharam o layout e desenvolveram o protótipo do teclado digital para o Windows e androides.

Samuel é um dos jovens selecionados pela rede Ashoka, organização mundial de empreendedorismo social, que apoia o fortalecimento de habilidades para transformações que sejam positivas para a sociedade, de maneira geral.

De acordo com Samuel, o teclado "Linklado" é inédito. "Aparelhos Androides podem ser postos na língua Kaingang ou Nheengatu, mas isso não resolve o problema de línguas que utilizam sinais diacríticos como ü̃, muito usado na Tikuna, que é a língua indígena mais falada no Brasil", exemplificou.

Foto: Divulgação

O estudante afirmou que já existiam teclados adaptados para línguas indígenas mexicanas, contudo eles não contemplam os caracteres usados pelas línguas indígenas da Amazônia.

O "Linklado" cobre mais de 40 línguas indígenas que possuem caracteres ou usos de acento gráfico "não-convencionais", inclusive línguas de países vizinhos.

Juliano e Samuel participaram das "Olimpíadas Internacional de Linguística" e umas das atividades da competição era escrever um artigo numa língua indígena. "Foi quando eu percebi a dificuldade de transcrever alguns caracteres do papel para o word. Só depois que criamos o "Linklado" que consegui escrever o artigo direito", comentou Juliano.

Ele disse que em apenas um dia conseguiu desenvolver o protótipo para o sistema Android. "O Samuel já tinha enviado como ficaria o layout, eu fiz uns pequenos ajustes e já enviei para ele o artigo com os caracteres. Ele ficou super animado e disse que ia apresentar para a professora", relembrou Juliano.

Conexões

A professora em questão é a bióloga e doutora em Recursos Naturais, Noemia Kazue Ishikawa, que coordena o projeto "Redes de mulheres indígenas tradutoras e cientistas: conexões para uma educação transformadora em ciências no Amazonas".

A pesquisa é executada pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) e financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Amazonas (Fapeam).

"Em 2008, quando coordenei um projeto na região do Alto Rio Solimões, organizei uma cartilha bilíngue Português/Tikuna. Foi a primeira vez que me deparei com a dificuldade de transcrever a escrita indígena para o computador. Desde então, eu venho abordando que era necessário um teclado para as línguas indígenas", contou a pesquisadora.

Com o atual projeto de Noemia, em parceria com a antropóloga e linguista Ana Carla Bruno, está sendo criada uma rede de tradutoras de línguas indígenas. A ferramenta era essencial para solucionar a falta de caracteres em teclados de computador e/ou celular, um dos grandes desafios do projeto.

"Atualmente, o "Linklado" pode ser um instrumento de poder nas mãos dos povos indígenas, tendo em vista que agora eles poderão utilizar os símbolos, os diacríticos, enfim os grafemas que melhor representam os sons e fonemas de suas línguas através da produção de seus próprios textos, histórias e narrativas. Neste sentido, penso que esta ferramenta pode contribuir com as ações das línguas indígenas", argumentou Ana Carla.

'Linklado'

O nome do software é uma combinação das sílabas 'lin' = línguas indígenas e 'klado', que faz um trocadilho com a palavra 'teclado'. Forma ainda a palavra 'link', que significa conexão.

Conectar os falantes das línguas indígenas a um teclado que contempla o seu vocabulário é uma das formas de ajudar na transmissão e sobrevivência das línguas indígenas sul-americanas na era digital, segundo os idealizadores.

"No Amazonas temos mais de 52 línguas vivas e muitos desconhecem essa riqueza linguística. Muitas dessas línguas contam com poucos falantes, algumas centenas ou milhares, e possuem aspectos interessantíssimos. A lenta morte de várias dessas línguas causada por glotocídio, que é a marginalização de uma língua em favor de outra, o que resulta no desaparecimento gradual dessa língua, genocídios, missões, estigmatização em centros urbanos, não-passagem entre gerações ou expansão rápida de meios de comunicação, em português, acabam levando a perda rápida de muitas dessas línguas. O "Linklado" seria uma forma de manter essas línguas vivas", alertou Samuel.

"O Linklado ainda facilitará outros cientistas indígenas e não indígenas a publicarem mais livros, cartilhas e informativos bilíngues em línguas indígenas e não indígenas. O que será uma grande inovação de fomento à leitura e a popularização da ciência. Aos falantes da língua, vejo que o Linklado facilitará a escrita casual e rotineira nas línguas indígenas, o que promoverá o fortalecimento da manutenção da língua", avaliou Noemia.

Como funciona

Nos aparelhos Android, o "Linklado" substitui o teclado padrão do dispositivo com uma versão alterada que inclui os caracteres especiais, além de uma tecla que contém todos os diacríticos, que podem ser adicionados à letra anterior. Por exemplo, primeiro digita-se a letra ʉ, depois clica-se sobre a tecla com o diacrítico, produzindo, então, ʉ̀.

Já no Windows, o sistema introduz uma pequena janela que permanece sobre a tela, somente com os caracteres especiais e os diacríticos. Desse modo, o usuário pode utilizar o teclado comum junto com o software do "Linklado"

O aplicativo "Linklado" já está disponível gratuitamente na Play Store e na Windows Store, em uma versão adaptada para computadores.

Membros do projeto

O Linklado é formado pelos estudantes Samuel Minev Benzecry e Juliano Dantas Portela, e as pesquisadoras do Inpa Ana Carla Bruno, Ruby Vargas Isla Gordiano, e Noemia Kazue Ishikawa.

Atualmente, o projeto também conta com a participação de: Marinete Almeida Costa (Tukano/Ye'pâ-masa), Josmar Pinheiro Lima (Tuyuka/Ʉtãpinopona), Kaina Bruno Brazão, Rafael Estrela Freitas, Laura Corrêa Cavalcante, Odalis Ramos, Rosilene Fonseca Pereira (Piratapuia/Waíkhana), Rosilda Maria Cordeiro da Silva (Tukano/Ye'pâ-masa), Dagoberto Azevedo (Tukano/Ye'pâ-masa), Cristina Quirino Mariano (Tikuna/Magüta) e Dulce Maria Barreto Tenório (Tuyuka/Ʉtãpinopona).

*Com informações do G1 Amazonas


Veja mais notícias sobre Inovação e TecnologiaAmazonas.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quarta, 05 Outubro 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/