Manaus 30º • Nublado
Quarta, 17 Abril 2024

Exposição do projeto 'Reintrodução de Ararajubas' incentiva educação ambiental no Pará

exposição 'ECOZOOBOTÂNICA', do projeto 'Reintrodução de Ararajubas no Parque Estadual do Utinga Camillo Vianna', em Belém (PA), iniciou em fevereiro e tem como objetivo a educação ambiental

A mostra, organizada pela Diretoria de Gestão da Biodiversidade (DGBio) do IDEFLOR-Bio, reúne um exemplar taxidermizado da ararajuba (Guaruba guarouba), espécie ameaçada de extinção e endêmica da Amazônia brasileira, que ficará exposta no hall do Centro de Acolhimento do Parque, juntamente com frutos do açaí (Euterpe oleraceae) e muruci (Byrsonima crassifolia).

Foto: Reprodução/IDEFLOR-Bio

A ave taxidermizada mede 35 centímetros, pesa cerca de 200 gramas e está exposta dentro de uma caixa protetora em acrílico, com texto explicativo sobre a espécie, além de um código QR para acessar a história em quadrinhos das "Ararajubas na terra do açaí". É narrada pela ararajuba 'Linda', que conta para o amigo 'Bio', ave da mesma espécie, sobre as etapas do projeto. A taxidermia é uma técnica de preservação em que o animal é empalhado para informar sobre as características morfológicas da espécie.

A iniciativa visa à conservação e proteção dessa espécie ameaçada de extinção, realizada em parceria entre o órgão paraense e a Fundação Lymington, sediada em Juquitiba, no interior de São Paulo, organização sem fins lucrativos que objetiva a conservação da natureza.

O diretor de Biodiversidade, Crisomar Lobato, destacou que desde 2018, 45 ararajubas já foram reintroduzidas na natureza, e oito estão no aviário de aclimatação no Parque, onde recebem treinamento e acompanhamento por profissionais do IDEFLOR-Bio, e da Fundação Lymington.

Foto: Divulgação/IDEFLOR-Bio

Sobre o Parque 

O Parque Estadual do Utinga (PEUt) é uma Unidade de Conservação Estadual criada com o objetivo de preservar ecossistemas naturais de grande relevância ecológica e beleza cênica, estimular a realização de pesquisas científicas e, além disso, incentivar o desenvolvimento de atividades de educação ambiental, incluindo o turismo ecológico.

Durante a semana, o parque abre das 6h às 17h, exceto às terças-feiras, quando é fechado para manutenção interna. Com entrada gratuita, somente alguns serviços são pagos, como as trilhas guiadas, atividades esportivas como rapel e tirolesa, além da taxa do estacionamento

Veja mais notícias sobre Educação.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quarta, 17 Abril 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/