Rondônia confirma ausência da monilíase do cacaueiro; entenda como previnir a praga

Causada pelo Moniliophthora roreri, o fungo ataca diretamente os frutos do cacaueiro e do cupuaçuzeiro

Porto Velho segue livre da monilíase do cacaueiro, doença de relevante impacto econômico, causada pelo fungo Moniliophthora roreri, que ataca diretamente os frutos do cacaueiro e do cupuaçuzeiro. A confirmação da ausência da praga foi feita, por meio de uma equipe técnica da Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril de Rondônia – Idaron, na Capital, formada por profissionais provenientes de oito municípios do Estado, que realizou inspeções em cerca de 200 propriedades rurais e urbanas de Porto Velho.

Durante quatro dias, de 12 a 16 de junho, a equipe esteve em contato com produtores rurais e demais pessoas que mantém cultivo de cacau ou de cupuaçu em suas propriedades.
A equipe esteve em contato com produtores rurais e pessoas que mantêm cultivo de cacau ou de cupuaçu – Foto: Governo de Rondônia

Fiscalização 

A ação foi realizada em Porto Velho devido à proximidade da região com áreas onde já foram confirmados casos da monilíase. Nas demais regiões do Estado as ações continuam a ser realizadas pelos servidores da Idaron, que já fiscalizaram mais de 800 propriedades. O coordenador do Programa de Vigilância e Controle de Pragas da Idaron, João Paulo Souza Quaresma, destacou que, “o trabalho certifica que Rondônia continua livre de monilíase. Não detectamos nenhum sinal da doença”.

O presidente da Idaron, Julio Cesar Rocha Peres, enfatizou que, “no ano de 2021, focos da praga foram detectados nos municípios de Cruzeiro do Sul e Mâncio Lima, no Acre; e em novembro de 2022, nos municípios de Tabatinga e Benjamin Constant, no Amazonas. Desde então, Rondônia foi classificado em estado de emergência fitossanitária pelo Ministério da Agricultura, por isso redobramos os esforços para evitar a introdução da doença no Estado”. 

Medidas preventivas 

Além da inspeção em cacaueiros e cupuaçuzeiros, o trabalho desenvolvido pela Idaron incluiu a orientação aos moradores sobre as medidas de prevenção relacionadas à monilíase. 

“A principal orientação é que os rondonienses evitem trazer frutos, amêndoas e mudas de cacau e cupuaçu dos estados onde foram detectados focos da praga. Em caso de dúvida, o cidadão pode procurar a unidade da Idaron mais próxima. Sintomas suspeitos de monilíase em plantas de cacau e cupuaçu também devem ser comunicados à Agência, presencialmente ou pelo contato 0800 643 4337”, explicou Julio Peres.

Monilíase

Os sintomas da monilíase nos frutos são: manchas de coloração chocolate ou castanho-escuro, que aparecem entre 45 e 90 dias após a infecção e posteriormente; pó branco envolta do fruto, que aparece de 5 a 12 dias. Esse pó se solta dos frutos em grande quantidade. A praga pode ser levada pelo vento, chuva, insetos e animais silvestres, mas somente através do homem pode ser levada a grandes distâncias, por meio de material contaminado, como roupas, utensílios, sementes, frutos, entre outros. 

Publicidade
Publicidade

Relacionadas:

Mais acessadas:

Portal Amazônia responde: qual a função de uma ‘área de preservação permanente’?

As APP são consideradas um instrumento essencial à política de preservação ambiental.

Leia também

Publicidade